Estados Unidos vs. Billie Holiday: a luta da diva do jazz para cantar ‘Strange Fruit’

Árvores do sul produzem uma fruta estranha
Sangue nas folhas e sangue nas raízes
Corpos negros balançando na brisa do sul
Fruta estranha pendurada nos álamos
Cena pastoril do valente sul
Os olhos inchados e a boca torcida
Essência de magnólias, doce e fresca
Então o repentino cheiro de carne queimando
Aqui está a fruta para os corvos arrancarem
Para a chuva recolher, para o vento sugar
Para o sol apodrecer, para as árvores derrubarem
Aqui está a estranha e amarga colheita

A letra acima é da canção “Strange Fruit”, cantada por Billie Holiday, uma das grandes divas do jazz dos Estados Unidos. O filme Estados Unidos vs. Billie Holiday, dirigido por Lee Daniels, dá a dimensão do que foi a vida e luta dessa mulher que sofreu as consequências terríveis do racismo estrutural, do machismo e da misoginia.

Billie Holiday nasceu na Filadélfia em 1915. Abandonada pelo pai, pobre, cresceu num prostíbulo, tendo uma infância e pré-adolescência marcadas por violência sexual. Teve que se prostituir ainda na adolescência. Mulher, dona de uma voz e talento incríveis, sofreu humilhações, agressões e traições de seus maridos.

Perseguida pela polícia, percebeu que a guerra contra as drogas era, na verdade, contra os negros. Contra ela, contra a sua voz que denunciava os linchamentos brutais que ocorriam principalmente no Sul dos EUA. Entre 1877 e 1950, 4,4 mil negros foram assassinados dessa forma, segundo estimativa da organização Justiça Igualitária (EJI, na sigla em inglês). Esses crimes chegavam a ser anunciados nos jornais para convocar o público a assistir à violência, com a tolerância e conivência das autoridades locais e da polícia.

As mesmas autoridades que se incomodavam com a letra de Strange Fruit, escrita por Abel Meeropol, sob o pseudônimo Lewis Allan, uma denúncia contra esses crimes bárbaros. A luta de Billie não foi em vão, sua música continua sendo ouvida pelos netos e bisnetos de seus algozes. A versão de Holiday foi colocada na lista do Hall da Fama do Grammy em 1978. Também foi incluída na lista de canções do século da Recording Industry of America e da National Endowment for the Arts. Em 1999, foi escolhida pela revista Time como a “canção do século”.

Andra Day (foto acima), que interpreta Lady Day, como a cantora também era chamada, foi indicada ao Oscar de melhor atriz neste ano e recebeu um Globo de Ouro. Ela disse que fazer o papel da diva do jazz a tornou mais corajosa. “Foi muito emotivo para mim, foi difícil. Passei por uma montanha-russa de tristeza, sofrimento e ressentimento, mas também alegria.”

Billie Holiday morreu aos 44 anos, em 1959. E apenas 61 anos após a sua morte, em fevereiro de 2020, um projeto de lei do deputado Bobby Rush, democrata do Estado de Illinois, foi aprovado por 440 votos a favor e 4 contrários, tornando o linchamento um crime de ódio sob a lei federal. (Transcrito da Revista Fórum)

Ficha técnica
Estados Unidos Vs Billie Holiday
Disponível na plataforma Prime Video
2021
Diretor: Lee Daniels
Atores principais: Andra Day, Leslie Jordan, Miss Lawrence
Gênero: Drama

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s