Após 5 anos, Pikachu se despede do Vasco

O Vasco da Gama informa que Yago Pikachu não é mais atleta do Clube. O jogador acertou sua saída na tarde desta sexta-feira (12/03) e seguirá sua trajetória no Fortaleza. O Gigante da Colina manterá um percentual para o caso de uma futura negociação.

Yago Pikachu chegou no ano de 2016 e obteve marcas importantes em São Januário. Foram 253 jogos, 40 gols marcados e 20 assistências em seis anos com a camisa cruzmaltina. Além de conquistar três títulos, sendo o principal deles o Campeonato Carioca de 2016, o paraense encerra sua passagem sendo o jogador com mais jogos pelo Vasco da Gama no Século 21. É ele também o lateral com mais gols da história vascaína.

“Gratos pelos serviços prestados, por toda dedicação e empenho, desejamos todo sucesso a Yago Pikachu na sequência de sua carreira. São Januário sempre será sua casa, Yago!” (Do site oficial do Vasco)

Lula conversa com Rússia e China para viabilizar vacina para o Brasil

Da Rússia à China. A movimentação política de Lula não tem se limitado ao rearranjo interno do PT e aliados para encarar Bolsonaro nas eleições de 2022. Mesmo fora do governo, o ex-presidente tem se articulado para tentar fazer parte das decisões que envolvam o País, concentrando esforços para se contrapor a Bolsonaro no combate à pandemia.

O petista já vinha preparando esse terreno meses antes da decisão do ministro do STF Edson Fachin, que anulou todas as ações movidas contra ele pela Lava-Jato de Curitiba. Há cerca de três meses, o líder petista teve uma reunião com Kirill Dmitriev, diretor do Fundo de Investimento Direto Russo (RDIF), que financiou o desenvolvimento da Sputnik V.‌

O convite para a conversa partiu de Dmitriev, após o russo ver que Lula estava entre os signatários de um abaixo-assinado organizado pelo Nobel de Economia Muhammad Yunus, que defende a vacina como bem comum da humanidade e, por isso, deve ser distribuída gratuitamente a todos. Ao receber o convite, o petista convocou os ex-ministros da Saúde José Gomes Temporão, Alexandre Padilha e Arthur Chioro para participar da videoconferência.

“Dmitriev disse que o presidente Vladmir Putin havia incentivado a reunião com Lula. Foi uma conversa importante, porque abriu a relação do fundo russo com o Consórcio do Nordeste. Deixamos claro que, além do Paraná, com quem eles tiveram as primeiras tratativas, tinham muitas frentes no Brasil a serem abertas. Destacamos que o interesse pelo volume de vacinas era maior e envolvia vários estados brasileiros. Isso fortaleceu o acordo de milhões de vacinas firmado com os estados do nordeste”, disse Padilha à coluna.

(Bela Megale, em O Globo)

Quadro de saúde de Ronaldo Porto evolui positivamente

O boletim médico desta sexta-feira (12) mostra um quadro bastante satisfatório do apresentador Ronaldo Porto, que está internado há mais de um mês no Hospital Amazônia com complicações decorrentes da covid-19. Ele permanece sem febre, continua precisando de hemodiálise, mas os rins respondem bem ao procedimento. A pressão está sob controle.

Boa tarde. Hoje Ronaldo Porto está de... - Brasil Urgente PA

Ronaldo, de 68 anos, esteve em estado muito grave há três semanas, precisando ser entubado. No momento, ele não está mais tomando sedativos e os médicos aguardam que ele acorde para que seja iniciada a fisioterapia respiratória. A infecção está sob controle e o pulmão melhora a cada dia.

Pequena homenagem ao grande Toninho Costa

Imagem

Anúncio da Rádio Clube do Pará em 1986, publicado em A Província do Pará. Nas fotos, o comandante máximo, Edyr Proença, e uma equipe de craques: Carlos Castilho, Cláudio Guimarães, Aylton Silva, Theodorico, Agripino e Toninho Costa. Castilho, Theodorico, Agripino e Toninho acabavam de chegar à PRC-5, após passagem pela Marajoara. Um aspecto curioso é a lista de anunciantes, dos quais só a Cerpasa e Primac seguem em atividade.

Liderança e sonolência

POR GERSON NOGUEIRA

Dioguinho marca o gol da vitória do Remo contra o Itupiranga

O jogo chegou a dar sono. Teve raros momentos interessantes. Pouco inspirado, o Remo levou quase 60 minutos para achar o caminho das redes do Itupiranga. Antes e depois disso, errou muito. Disparadamente, foi a pior apresentação do time de Paulo Bonamigo no campeonato. Apesar disso, o resultado foi importante, pois mantém a equipe na liderança invicta (100%), com 9 pontos em três rodadas.

A chuva forte que caiu sobre a cidade contribuiu para esfriar ainda mais um jogo que parecia inteiramente favorável ao Remo, favoritíssimo pela campanha que realiza e pelo desnível técnico evidente. Em consequência, a partida se tornou equilibrada na maior parte do tempo.

Acontece que o tempo foi passando e, como os azulinos não tomavam atitude, o Itupiranga começou a acreditar e investir em jogadas rápidas, criando até alguns momentos de alvoroço na defensiva do Leão.

Indeciso entre assumir o controle da partida e cadenciar as ações, o Remo optou por uma terceira via: ficar tocando bola repetidamente em passes laterais cansativos, sem iniciativas que fizessem a equipe avançar.

Depois dos 20 minutos, o Itupiranga passou a explorar a acomodação azulina com mais ímpeto, chegando a rondar a área, mas sem ameaçar diretamente o gol defendido pelo estreante Thiago Rodrigues, substituto de Vinícius, que testou positivo para covid.

Veio o segundo tempo e Paulo Bonamigo manteve o time inicial, com algumas variações pelo lado, adiantando Wellington Silva e contando com movimentação maior de Dioguinho junto à área. E o gol nasceu justamente da presença do meia-atacante na zona de tiro.

Ele aproveitou um passe do volante Lucas Siqueira e mandou de voleio no ângulo esquerdo da trave de Dida, abrindo o placar no Baenão. Um gol bonito que fez a diferença no jogo, pois raras vezes as equipes mostraram destreza e habilidade ao longo dos 90 minutos.

Além de garantir a vitória, o gol deu a Dioguinho a condição de artilheiro da equipe no Parazão. Tem três gols, empatado com Renan Gorne, que ontem não teve muitas chances para finalizar.

O Itupiranga tentou se animar em busca do empate, ao mesmo tempo em que o Remo voltava à acomodação inicial, parecendo desplugado e pouco interessado em brigar por mais gols.

Dioguinho ainda teve outra chance aos 23’ tocando de cabeça para boa defesa de Dida. Depois, Tiago Miranda, que havia substituído Renan Oliveira, desperdiçou grande chance, batendo em cima do goleiro.

No final, dois momentos de emoção. O goleiro Thiago Rodrigues saiu estabanado para agarrar uma bola alta, que desviou no braço do zagueiro Jansen após trombada com um atacante do Itupiranga. O lance corretamente interpretado como não faltoso pelo árbitro Joelson Nazareno.

Assim que o árbitro encerrou a partida, o jovem Tiago Mafra ajoelhou no gramado chorando copiosamente, emocionado por vestir pela primeira vez a camisa do Leão como profissional. Ele substituiu Renan Gorne no segundo tempo. Coisas que o futebol, felizmente, ainda propicia.

SP paralisa campeonato; CBF mantém negacionismo

O governo de São Paulo anunciou novas medidas de restrição devido ao aumento no número de casos e mortes de covid-19. Entre as determinações está a suspensão de eventos esportivos dentro do Estado, entre 15 e 30 de março. Ou seja, todos os campeonatos e jogos que deveriam ser feitos nos próximos dias estão suspensos. E agora, como fica?

A decisão contraria interesses e caprichos da Federação Paulista de Futebol, cúmplice ferrenha do negacionismo tosco da CBF e das demais entidades nacionais do futebol. Com média diária acima de 2 mil óbitos, o panorama no Brasil não aconselha teimosias irresponsáveis.

O “pacto federativo” liderado pela CBF é tão forte que a federação paulista admite a ideia de transferir jogos para outras praças, ninguém sabe a título de quê tamanha sangria desatada. Não há público nos estádios, o que significa que não há perda de receita de bilheteria.

Enquanto a perspectiva de um lockdown vai se tornando inevitável a cada informação sobre os últimos casos da pandemia no país, o futebol segue impávido e indiferente, como se fosse uma ilha impenetrável, surdo a conceitos de responsabilidade ou bonomia.

Esse comportamento irracional por parte das instâncias do futebol, que deriva em origem do desgoverno central, só confirma que o Brasil não aprendeu a conviver com os grandes desafios da história. Raros são os que se dispõem a abrir mão de privilégios e poderes. Coitados de nós.

Homenagem merecida a um médio-volante clássico

O craque baionense Oberdan Bendelack, nem sempre muito lembrado pelas glórias vividas no PSC, foi finalmente lembrado pelo clube. Ganhou o papel de garoto-propaganda da recém-lançada camisa que tributa a conquista do Brasileiro da Série B 1991. O uniforme integra a Coleção Constelação e será usado oficialmente durante a temporada.

Oberdan foi um médio-volante – como se chamava à época – de estilo clássico e grande habilidade, fiel representante da gloriosa dinastia de meio-campistas bicolores, como Beto e Quarenta. Tinha bons recursos, tanto para o passe quanto para finalizações.

Curioso é que o jovem nascido no distrito do Umarizal, em Baião, veio recomendado para o Remo, onde não teve oportunidades maiores. Uma história que, de certa forma, lembra a do próprio Quarenta.

(Coluna publicada na edição do Bola desta sexta-feira, 12)