Em busca do nível máximo

POR GERSON NOGUEIRA

Imagem

Imagino que João Brigatti mostrou aos jogadores as imagens da vitória sobre o Ferroviário, por 3 a 0, no estádio Jornalista Edgar Proença, na 16ª rodada da Série C. Foi a melhor apresentação em toda a competição. Quase sem erros. Controlou o adversário, decidiu a partida em momentos cruciais, não correu riscos e sobrou em campo.

Como o conjunto funcionou à perfeição naquela noite, as individualidades apareceram em destaque. Marlon foi o grande homem do jogo, com gols no início dos dois tempos. O primeiro veio num cabeceio desequilibrado que acertou o alvo. O segundo, de puro oportunismo, com rapidez na chegada à área e pontaria na finalização.

A boa atuação da equipe permitiu até que Nicolas, tímido em rodadas anteriores, encontrasse um novo lugar para jogar. É preciso entender a real importância do atacante para o equilíbrio e a confiança no time. Contra o Ferroviário, Nicolas foi municiador dos companheiros de ataque. Jogou mais na armação do que no ataque. Talvez seja sua verdadeira vocação.

Brigatti deve estar avaliando que os rápidos Vítor Feijão e Marlon precisam de espaço para jogar. Atuam em alta intensidade, gostam do drible e das arrancadas. Não podem ficar longe da área inimiga.

A partida deste domingo contra o Ypiranga, pela primeira rodada da fase de grupos, precisa mostrar um Papão parecido com aquele que demoliu o Ferroviário e mais plugado que a equipe que passou com dificuldades pelo Botafogo-PB na penúltima rodada da primeira fase, vencendo por 1 a 0, com gol do zagueiro Perema.

Não me refiro ao Re-Pa porque não conta. O clássico deve ser esquecido, pois não passou de jogo de cena, mera confraternização.

Diante dos gaúchos, que terminaram na liderança do grupo B, o Papão terá que ser resoluto, organizado e disciplinado na busca pela vitória. A competição não permite tropeços dentro de casa. Quem deixar de pontuar como mandante estará sabotando o caminho para o acesso.

Os oito jogos de invencibilidade, que garantiram a presença na etapa decisiva do campeonato, são credenciais para o embate com Londrina, Ypiranga e Remo no grupo D. O respeito dos adversários é a prova de que o time fez bem o seu papel até aqui. Precisará, porém, fazer mais, atingir o nível máximo de competitividade para conquistar o acesso. (Foto: Jorge Luiz/Ascom PSC)

Um ás das provas abertas que virou herói da guitarra

Carlos Duarte Reimão tinha 15 anos quando foi disputar a prova de travessia Almirante Tamandaré, em Manaus, num domingo como este, 13 de dezembro de 1970. Era nadador do Remo, tinha vencido inúmeros desafios em Belém, incluindo a prova da baía do Guajará.

Foi a Manaus acompanhado por três amigos e colegas de nado em Belém – Ivanildo Guerra, Raimundo Ampuero e Adolfo Fischer, todos na faixa de 15 anos. Ficaram com quatro dos cinco primeiros lugares da prova.

As fotos da época mostram Reimão com aquele jeitão de menino recém-saído dos cueiros. Os jornais de Manaus celebraram o feito dos moleques paraenses. Reimão era especialista em águas abertas. Participou, em fevereiro daquele ano, da travessia da Baía de Todos os Santos, de Itaparica até o Porto da Barra, em Salvador.

Um erro do guia impediu que ele vencesse a prova baiana, mas três meses depois conseguiu um triunfo consagrador na Guajará, percorrendo cinco quilômetros. Ouvi a prova narrada, de ponta a ponta, pela equipe da Rádio Clube do Pará, capitaneada pelo mestre Edyr Proença.

Reimão guarda lembranças da viagem até Manaus num Búfalo da FAB, com escalas em aldeias indígenas. A boa recepção na capital baré virou consagração na manhã da prova, com 24 competidores. Após duas horas de luta contra a força das águas, Reimão se distanciou dos demais.

Não sem enfrentar problemas com o guia, outra vez. Quase foi encaminhado para o local errado. O erro foi corrigido a tempo e ele, com a folga na prova, atingiu a linha de chegada sem problemas.

Ao pisar na areia, Reimão abriu os olhos e foi fuzilado por flashes dos fotógrafos. “Nunca esqueci aquela surpresa. Até hoje permanece em meus ouvidos o ruído que as máquinas fotográficas faziam”, ele relembra, com o troféu e o agasalho remista que conserva até hoje.

A premiação foi entregue pelo capitão dos Portos e pelo governador amazonense Duarte Areosa. Para provar que mantém o talento, Reimão venceu há três anos as seis provas da Olimpíada da Magistratura em Belém.

Os rumos profissionais mudaram. Reimão largou a natação e é hoje o mais aclamado guitarrista da noite paraense, executor dos maiores clássicos do rock mundial, com particular ênfase no repertório dos Beatles. Craque nas águas e na música.

Bola na Torre

Guilherme Guerreiro comanda o programa, a partir das 22h, com participação de Giuseppe Tommaso e deste escriba baionense. Em destaque, a Segundinha do Parazão e a primeira rodada da fase de grupos da Série C. A direção é de Toninho Costa.

VAR e tabelas amigas explicam alguns êxitos na Série A

A conta é simples. O Flamengo fará quatro jogos em casa entre a 25ª e a 29ª rodadas. Parece pouco? São 12 pontos em disputa num momento de definição do campeonato. Mas, no caso rubro-negro, a ocorrência é rotineira. Aconteceu assim em 2017 e 2018. Curioso é que ninguém protesta. Ou, se protesta, ninguém liga. O Fla, além disso, também desfruta de íntima relação com o VAR.

O clube da Gávea não está sozinho no favorecimento das tabelas. O São Paulo fará quatro partidas no Morumbi entre a 31ª e a 35ª rodadas. Há quem cisme em chamar isso de erros, mas os campeonatos europeus provam que é possível fazer tabelas sem favorecer ninguém. 

(Coluna publicada na edição do Bola deste domingo, 13)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s