Os técnicos da década perdida

POR GERSON NOGUEIRA

Com exceção do bicampeonato do PSC na Copa Verde, o futebol paraense atravessou os últimos 10 anos sem maior brilho. Se a década anterior terminou com um título brasileiro (São Raimundo campeão da Série D 2009), a partir de 2010 a situação mudou para pior.

Foram alguns poucos acessos, vários rebaixamentos e a vida seguindo seu curso, sem maiores emoções. Um levantamento do pesquisador Jorginho Neves ajuda a entender melhor a década perdida.  

Muito do que ocorreu pode ser analisado pelas escolhas de técnicos no período. O PSC teve 30 treinadores, média de três por temporada, sem contar as numerosas interinidades de Lecheva (4 vezes), Nad (2), Rogerinho (8), Ailton Costa (1) e Leandro Niehues (2).

Os técnicos com trabalhos mais consistentes e longevos foram Dado Cavalcanti, que dirigiu a equipe por 142 jogos ao longo de três passagens pelo clube; Mazola Jr. vem a seguir, com 56 partidas; Lecheva (48 jogos) e Marquinhos Santos (36) e Charles Guerreiro (31).

As estatísticas negativas de permanência ficam por conta de Andrade (4 jogos), Edson Gaúcho (5), Vica (6), Sidney Moraes (6), Givanildo Oliveira (6 jogos em 2012) e Guilherme Alves (8).

No Remo, a quantidade de técnicos efetivos foi ligeiramente menor que a do rival – 27 contratados, com média de 2,7 por temporada. Os que dirigiram o time por mais tempo foram Sinomar Naves, com 38 partidas em duas passagens pelo Evandro Almeida; Cacaio, 31 jogos e a conquista do acesso à Série C (2015); Josué Teixeira, 29; Charles Guerreiro e Márcio Fernandes, 28 jogos; e Giba Maniaes, 26.

Os menos produtivos foram Givanildo Oliveira, que ficou por apenas dois jogos em 2011; Marcelo Veiga, 3 jogos; Oliveira Canindé e Artur Oliveira (4); Eudes Pedro (7). Dentre os nativos, destaque para João Neto, que passou de interino a contratado. Treinou a equipe por 22 jogos e realizou a campanha heroica que evitou a queda para a Série D.

Algumas repetições de figurinhas dos dois lados revelam a falta de criatividade dos rivais nessa área. Givanildo é o recordista, com quatro vezes comandando os dois times. Roberto Fernandes, Charles e Edson Gaúcho também estiveram dos dois lados da pista da Almirante Barroso.

É óbvio que não se pode atribuir culpa exclusiva aos comandantes pela fraca produção da dupla Re-Pa na década, mas a eles pode ser imputada boa parte da responsabilidade pelos fiascos do time e decepções da torcida, até porque, quase sempre, tiveram papel decisivo nas contratações de bondes e pseudo reforços.

O mais preocupante é que os muitos erros acumulados na década que passou continuam a assombrar o futebol paraense.

(Amanhã, a coluna fala dos goleadores da década iniciada em 2010)

Atacante revelado pela Desportiva brilha na Copinha

A Desportiva cumpriu seu papel na Copa São Paulo de Juniores. Chegou à segunda fase, pela terceira vez em quatro edições do torneio, mas não conseguiu superar o Oeste e foi eliminada ontem, perdendo por 3 a 1.

Por outro lado, uma das revelações da Desportiva bilha intensamente e continua a disputa a competição. Trata-se do atacante Claydson Brown, 18 anos, formado nas categorias de base do clube paraense, que veste hoje a camisa do Red Bull Brasil.

No confronto com o Serra-ES, valendo pela segunda fase e disputado no sábado, em Rio Claro (SP), Claydson marcou dois gols e deu uma assistência na goleada de 4 a 0.

Rápido, Claydon atua pelo lado esquerdo do ataque e tem facilidade para o drible, virtude cada vez mais valorizada no futebol moderno. Brown disputou o Campeonato Paraense Sub-17 e marcou 11 gols, subindo de imediato para o sub-20 e disputou a Copinha 2018 com atuações elogiadas. Na ocasião, a Desportiva chegou às oitavas e ele deixou sua marca.

Na primeira fase do torneio, Claydson marcou gol na vitória de 4 a 1 sobre o Nacional-AM. Na terceira fase, o Red Bull Brasil enfrenta o Paraná Clube, com boas chances de seguir em frente.

Hélio aprova rendimento na goleada em Barcarena

O que menos interessa é a quantidade de gols, mas a movimentação da equipe. Com esta avaliação, o técnico Hélio dos Anjos manifestou satisfação com a atuação do time no primeiro amistoso da pré-temporada. Nicolas, Wesley Matos e Perema (2) fizeram os gols da vitória de 4 a 0 sobe a seleção de Barcarena, ontem à tarde.

Hélio deixou claro que o objetivo era o de observar o estágio de condicionamento dos jogadores e dar ritmo ao time. O que realmente conta, segundo o técnico, é o que vai ocorrer a parti de hoje, quando o elenco começa a ser trabalhado para o Campeonato Estadual.

É inegável, porém, que ficou uma boa impressão sobre o nível dos jogadores, mesmo atuando contra um time amador. Até o setor de meia cancha, o mais modificado, teve desempenho satisfatório.

Leão vence e Jaques reforça a busca pelo gol

Com gols de Eduardo Ramos, Wesley e Jackson, o Remo derrotou a seleção de Salinas e a avaliação do técnico Rafael Jaques foi positiva. Em entrevista à Rádio Clube, ele destacou “a busca incessante pelo gol”. O elenco ficará por mais quatro dias em Salinas, antes de voltar a Belém para fecha a preparação para o Parazão.

Fica claro, pela maneira como o time foi estruturado nos amistosos, que Jaques vai priorizar um sistema de jogo bastante ofensivo na primeira fase do campeonato. Ermel, Wesley, Lailson, Charles, Dudu Mandai e Jackson parecem mais afinados com as ideias do treinador, com chances de entrar jogando na estreia, domingo (19), contra o Tapajós.

(Coluna publicada na edição do Bola desta segunda-feira, 13)

8 comentários em “Os técnicos da década perdida

  1. Interessantes as estatísticas. Eu não lembrava que o Andrade tinha passado pelo PSC.

    Estou curioso se alguém fez o trabalho hercúleo de contar quantos atletas foram contratados na última década, por posição, pela dupla da capital.

    Curtir

  2. Vou providenciar esses dados sobre a quantidade de atletas, amigo. Na edição de terça-feira, a coluna vai abordar os goleadores do período.

    Curtir

  3. Gerson: obrigado.

    dkyiev: bem lembrado, porém para ser justo com a coluna, o texto não diz que o SR foi o único a ganhar um título nacional, mas apenas que o feito ocorreu em 2009 e portanto no fim da década de 2000.

    Vale lembrar que a definição mais comum para uma década, é que ela vai de, por exemplo, 1 Jan. de 1970 até 31 de Dez. de 1979. Caso contrário, como sugeriu o amigo Valentim, haveria a situação desconfortável de, por exemplo, 1980 pertencer ao que chamaríamos de ‘década de 70’.

    Curtir

  4. Bem, uma década é qualquer período de 10 anos, então começar de, por exemplo, 1901 ou 1900, não importa. Eu apenas disse (i) qual a definição mais comum e que (ii) é bastante usada em textos, justamente por tornar fácil se referir à ‘década de xx’.

    Quando aos séculos: não há ano zero no calendário que usamos no ocidente (o calendário Gregoriano), daí séculos serem contados mencionaste.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s