Jesus já se envolveu em tumulto durante jogo do Benfica

Por Paulo Vinícius Coelho

Jorge Jesus tem razão de reclamar que o jogo contra o Botafogo foi muito violento. O primeiro tempo foi mesmo e Alberto Valentim errou feio ao bloquear a busca pela bola do zagueiro Pablo Marí, para ganhar tempo. Apesar dos excessos botafoguenses, que deveriam ter sido contidos pela péssima arbitragem de Leandro Vuaden, o Flamengo entrou na pilha.

No final do primeiro tempo, o Botafogo tinha feito sete faltas. O Flamengo, dez. Jorge Jesus já viveu em Portugal episódios de tanto nervosismo quanto na noite do Nílton Santos, contra o Botafogo à flor da pele pelos dois meses e meio de salários atrasados e pela perspectiva da zona de rebaixamento.

Na temporada 2010/2011, o Benfica lutava pelo bicampeonato. Na noite de domingo, 27 de fevereiro, entrou em campo no Funchal contra o Marítimo com 48 pontos, dez a menos do que o invicto Porto. Jorge Jesus ostentava 17 partidas de invencibilidade, 11 delas pelo Campeonato Português, com 11 triunfos consecutivos.

Sua última derrota tinha acontecido justamente contra o Porto, no estádio do Dragão: 0 x 5. O Benfica lutou até o fim de uma partida extremamente nervosa. Só aos 94 minutos, o lateral-esquerdo Fábio Coentrão marcou com um chute de pé direito. Ao apito final, os jogadores do Marítimo foram ao árbitro protestar contra o tempo de acréscimo e Jorge Jesus meteu-se na confusão.

O jogador, ex-Atlético Mineiro, declarou que Jorge Jesus excedeu-se, mas disse que sofreu apenas um empurrão. Aquele Benfica foi vice-campeão, 21 pontos abaixo do Porto de André Villas Boas. No Nílton Santos, Jorge Jesus tem razão em reclamar da violência do primeiro tempo e do comportamento de Alberto Valentim. Mas o episódio parece ter muito mais a ver com os nervos à flor da pele do que com preconceito.

No futebol globalizado, já se viu Felipão treinar Portugal e dar soco no sérvio Dragu e José Mourinho treinar o Real Madrid e enfiar o dedo nos olhos do assistente de Guardiola, Tito Villanova. Guerras assim não são para acontecer. Ocorrem de tempos em tempos independentemente de cor, credo ou nacionalidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s