A liderança ameaçada

POR GERSON NOGUEIRA

O Papão vai a Santarém neste domingo (10) para um jogo que testará a confiabilidade da equipe, que viveu seu grande momento na temporada no clássico Re-Pa, mas que evidenciou ligeira queda de rendimento na partida seguinte, contra o Bragantino.

É natural que o técnico João Brigatti ainda esteja buscando a formação ideal, capaz de aliar resultado e desempenho, sem grandes oscilações. Cabe sempre lembrar que o Estadual deve ser laboratório para o Campeonato Brasileiro, competição mais importante e seletiva.

D1LBG50XcAAac47

Com o time mais ou menos definido desde a quinta-feira, o Papão encara o São Francisco com responsabilidade de vencer, pois a situação na chave A2 do Parazão está indefinida e a primeira posição  não permite plena tranquilidade quanto à classificação.

Único invicto na competição e dono da melhor campanha, o Papão é um líder ameaçado em seu grupo. Tem um ponto à frente do Independente e três do Paragominas, que jogam em seus domínios nesta rodada, respectivamente, contra Castanhal e Bragantino. Como mandantes, são favoritos para vencer seus compromissos, o que obriga o PSC a vencer também.

Na fase de ida, o São Francisco foi facilmente superado na Curuzu. Desde aquela partida, pouca coisa mudou na equipe azulina de Santarém. O time segue tropeçando na competição e encara o confronto de hoje como a chance de renascer na disputa, afastando o risco de queda.

Nos treinos da semana, Brigatti escalou o zagueiro Fábio Alemão na lateral direita, substituindo a Bruno Oliveira, que está suspenso. Na esquerda, Diego Matos será mantido, pois o titular Bruno Colaço continua em recuperação. No meio-campo, Primão deve ser o titular, embora Leandro Lima já esteja disponível.

Alan Calbergue deve ocupar a vaga de Marcos Antonio, que vinha atuando como titular. O setor ofensivo segue com Nicolas, Paulo Rangel e Vinícius Leite, que retorna após a atuação confusa de Elielton em Bragança.

Nicolas desempenha vários papéis a partir do meio-campo. Cai pelos lados, finaliza, tabela com volantes e meias e até volta para ajudar na recomposição. É hoje o principal jogador do time, cujo comportamento depende muito do rendimento do meia-atacante. Hoje ele tem nova chance de confirmar sua versatilidade.

——————————————————————————————-

Bola na Torre

Guilherme Guerreiro comanda o programa, a partir das 21h, na RBATV. Giuseppe Tommaso e este escriba de Baião integram a mesa de debatedores.

——————————————————————————————-

Mau futebol afugenta torcida santarena

O jogo de quinta-feira, entre Tapajós x Remo, teve 219 pagantes e 342 credenciados, um dos piores públicos da competição. Prova inequívoca de que a torcida santarena, tão participativa em outras temporadas, está reagindo à tenebrosa campanha de seus representantes no Estadual.

A regra é clara: por maior que seja o amor pelos clubes, ninguém resiste mesmo a futebol ruim.

——————————————————————————————

Boleiros brasileiros aquecem mercado internacional

As negociações envolvendo craques nascidos no Brasil têm causado um grande impacto financeiro no mercado internacional da bola. O recente Relatório CBF de Registro e Transferência traz um dado inédito fornecido pela Fifa. De 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2018, as contratações de brasileiros por clubes do exterior – de um país para outro sem a participação de times – movimentaram 812 milhões de dólares ou R$ 3.046.329.009,00 considerando a cotação de R$ 3,73 do Banco Central (BC) para o dólar americano.
O valor leva em conta as transferências de 463 jogadores e 10 jogadoras brasileiras realizadas no ano passado, trocando de clube e de país. Não fazem parte desse levantamento jogadores que mudaram de camisa, mas seguiram na mesma nação, como o atacante Richarlison, que foi do Walford para o Everton, ambos da Inglaterra.

Algumas das transferências que impactaram nesses números envolvendo pé-de-obra brasileira no mundo da bola:Alisson, da Roma para o Liverpool; Fabinho, do Monaco para para o Liverpool; Felipe Anderson, da Lazio para o West Ham; Fred, do Shakhtar para o Manchester United; e Paulinho, do Barcelona para o Guangzhou Evergrande.

O Brasil pode até não ser a nova Rota da Seda do mercado futeboleiro, mas contribui expressivamente para movimentar verdadeiras fortunas. E o principal referencial continua a ser a presença na Seleção Brasileira – fator que só não garantiu uma boa transação envolvendo Taison, apesar do comovente esforço de Tite, que o convocou para a Copa 2018 contra todas as leis da lógica.

(Coluna publicada no Bola deste domingo, 10)

2 comentários em “A liderança ameaçada

  1. Gerson e demais amigos do blog, o que vejo nos dois representantes paraenses já projetando a competição nacional é o seguinte, ambos muito fracos até para disputar o estadual, fato confirmado pelas pífias atuações em seus embates.
    No único clássico disputado o que vi, não foi uma superioridade Bicolor sobre o rival, o que não vi foi a presença do Clube do Remo em campo fato este refletido a começar pelo nervosismo o explicável de seus atletas que somado a falta de conjunto e a deficiência técnica de seus atletas passaram ao torcedor do Paysandu um falsa imagem de que o quadro alviceleste seja o bam bam bam do Parazão, na minha opinião, é um ledo engano!
    Voltando para a série C, acompanhando de perto os possíveis adversários dos paraenses no mata-mata da competição, isso projetando que pelo camisa e tradição, Paysandu e Clube do Remo se classifiquem para esta, muito me preocupo com um adversário em particular, o Botafogo PB, o Belo, que neste Nordestão, não tem tomado conhecimento dos seus mais tradicionais adversários.
    É uma equipe que sofreu modificações em relação ao elenco de 2018, contudo, estas aconteceram de modo positivo que ao meu ver coloca o time paraibano como um dos favoritos ao acesso.
    Em relação a dupla pernambucana esta tem sido um tanto decepcionante.
    Náutico mau das finanças não é de hoje, tenta a troncos e barrancos montar uma equipe confiável, coisa que, para até ao mais fanático torcedor alvirrubro tem sido causa de quedas de cabelo.
    O Santinha vem numa escala um pouco melhor que o Timbu, mas em resumo, fora a tradição, realmente deixam muito a desejar.
    É cedo para tecer comentários, mas ao projetar o futuro no que temos hoje, a série C deste ano vai colocar na segunda divisão os times que errarem menos em suas campanhas, será mais ou menos do tipo colocar dois curiosos numa mesa de sinuca e vence aquele que conseguir fazer menos besteira!
    Espero que tanto o Paysandu quanto o Clube do Remo mudem para mais do que melhor as suas equipes pois do jeito que está fica difícil pensar em série B em 2020!
    Não falei sobre os demais adversários nordestinos pois estão mais para times sem divisão do que para clubes que irão disputar uma série C, passa a impressão de que a terceirona é apenas um torneio sem grande importância.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s