Velha mídia ataca cursos livres sobre o golpe porque tem vergonha do próprio papel

tv-golpe-600x377 (1)

Por Mauro Donato, no DCM

Está começando a aparecer a patrulha fundamentalista praticada em escolas contra disciplinas como história e geografia, que são entendidas por esses guardiões da moral e dos bons costumes como ‘doutrinação’. Praticada por jornalistas e não por grupos acéfalos como o MBL contra estudantes adolescentes de segundo grau, porém, fica feio.

O golpe está sendo amplamente ‘ensinado’ nas universidades brasileiras, mas governo e jornalões de direita estão subindo nos tamancos com tal matéria. No editorial ‘Golpes de insensatez’, em 28 de fevereiro, a Folha de S.Paulo publicou:

O título da disciplina já deveria repelir o aluno prudente de ciência política. A ementa, na qual se leem expressões como ‘ruptura democrática’ com a deposição da presidente Dilma Rousseff e ‘agenda de retrocesso nos direitos e restrição às liberdades’, desfaz qualquer dúvida que se pudesse ter quanto ao alinhamento partidário da matéria.

Para eles, não houve golpe e falar sobre isso é ‘desonestidade intelectual’, tratar do assunto em universidades é ‘desvio de finalidade da coisa pública’. “Golpe” só assim, entre aspas, sarcasticamente.

O que tem deixado esses pessoal enraivecido é a decantação do estágio atual. Passada a turbulência, ‘golpe’ é o termo exato para descrever o que houve (ninguém mais com um mínimo de bom senso chama o golpe de 1964 de ‘Revolução’, certo?) e isso está claro mundialmente.

Mais de cem docentes das mais famosas universidades dos Estados Unidos assinaram um manifesto de repúdio à perseguição que passou a ocorrer contra o professor e historiador Carlos Zacarias da Ufba (Universidade Federal da Bahia) e contra o que consideram ser um tolhimento da liberdade de expressão e do fomento ao debate de ideias nas universidades brasileiras.

Capitaneado pelo professor James Green, da Universidade Brown, o movimento ‘Acadêmicos e Ativistas pela Democracia no Brasil’ é composto por docentes que não apenas sabem o que estão falando como conhecem de fato o Brasil.

“Conhecemos o Brasil e conhecemos as ameaças à democracia que estão ocorrendo lá”, declarou James Green. O manifesto enviado pelo grupo tem como destinatário o ministro da Educação, Mendonça Filho, e explicita a desaprovação ao escrutínio ao qual estão submetendo a vida e o departamento de um historiador de renome como Zacarias.

O que James Green certamente gostará de saber é que o tiro saiu pela culatra.

Ao tentar censurar o curso ‘Tópicos Especiais em História: o golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil’, o resultado foi que hoje já são 34 universidades em todo o país que preparam ou já ministram cursos com a finalidade de debater e explicar os meandros do golpe que catapultou Dilma Rousseff do Planalto.

UEA, Uerj, UFABC, UFBA, Ufes, UFG, UFMGS, UFRJ, UFSC… Enfim, trinta e quatro, pode procurar, há uma universidade próxima de você. Só o do Instituto de Filosofia e Ciência Humanas (IFCH) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) recebeu nada menos que 850 inscrições. A procura foi tanta que a universidade decidiu abrir o curso também para audiência remota e disponibilizará as aulas em vídeo.

O curso ‘O Golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil’ irá abranger ‘a caracterização de golpe de Estado na teoria política’, ‘a fragilidade da democracia no Brasil’, e ‘a devastação do trabalho na era Michel Temer’. O presencial terá 15 semanas de duração. Infelizmente, mais breve que a intervenção militar no Rio de Janeiro.

Quer ver um golpista dar piti é dizer que foi golpe. Ainda em 2016 – então como vice, mas já como abutre de olho na carniça –, Michel Temer já buscava frear a propagação do ‘conceito’. Em entrevistas repetia que “os procedimentos do impeachment estão em linha com a Constituição do Brasil” e que “falar sobre golpe de Estado prejudica a imagem do País no exterior”.

Bem, Temer é um cidadão acima dos demais que merece um ‘tratamento diferenciado’, como disse o ministro da Justiça, Torquato Jardim, portanto pode querer o que bem entender. Mas entre o querer e o poder, vai um salto. O termo ‘golpe’ não foi sepultado como gostaria o ex-vice decorativo. Pelo contrário. Está sendo muito bem explicado, em instituições de nível superior.

Governo autoritário e golpista (ou seria golpista e autoritário?), tenta tapar o sol com a peneira e convence barões da mídia apaniguados. Mas acadêmicos, professores, historiadores e o resto do mundo têm outra opinião sobre o ‘processo que levou ao impeachment’ de Dilma, sem um crime de responsabilidade apontado.

A UFPA, através do Curso de Comunicação Social, também vai realizar o curso livre sobre o golpe de 2016. Sob ataque de velhos jornalistas reacionários que enganaram por tanto tempo, dando a falsa impressão de democratas e progressistas.

Um comentário em “Velha mídia ataca cursos livres sobre o golpe porque tem vergonha do próprio papel

  1. Como sempre, a direita não tolera contraponto e vê como inimigo quem aponta as inconsistências das ideias capitalistas. Golpe de Estado sempre é um movimento histórico-político brusco, violento, que beneficia os ricos em contraposição aos pobres. Independente dos caminhos tomados é um movimento caracteristicamente antidemocrático, perigoso, mas lucrativo. Todo golpe de Estado é mais ou menos como o assalto ao trem pagador ou ao Banco Central de Fortaleza: fora da Lei, arriscadíssimo, mas com um grande prêmio à vista, uma riqueza e poder que você e sua família jamais ousariam sonhar em juntar nem nalgumas gerações. A consequência disso é que a maioria sai perdendo porque o resultado do golpe é concentrar riqueza e poder nas mãos de uns poucos apaniguados, sendo que todo golpe tem seu componente de comunicação construído para distrair as massas de maneira tão acintosa que é inegável, embora eficiente e consiga alcançar seus objetivos. A Globo mesma pediu desculpas pela participação no golpe de 1964 contra João Goulart. Ela era o componente que distraía as massas, se você ainda não entendeu como ela participou da trama desse golpe de 64, admitido e assumido. A história também mostra, até pelo precedente, como a Globo agiu em favor da elite do atraso também nesta atual oportunidade contra Dilma. Jessé de Souza que o diga. Antes, em 64, o golpe foi brilhantemente detalhado em razões, consequências e atores por Darcy Ribeiro e Florestan Fernandes, entre outros notáveis. Por tudo isso mesmo, a academia tem que se erguer para defender o Brasil e pôr os jornalecos em seu devido lugar, que é na latrina.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s