Mês de vergonhas, oportunismos e negociatas

trocapart

Começou ontem a “janela partidária”, mais um casuísmo destes que os parlamentares costumam inventar, em causa própria, para burlar as regras da fidelidade partidária e serem “donos” (e mercadores) do mandato que foi obtido através dos partidos, uma vez que apenas 7% dos deputados foram eleitos com menos votos que o quociente eleitoral e, portanto, pelas legendas às quais se filiaram.

Não é preciso dizer a ninguém quais serão as bússolas das mudanças de partido que começarão a ocorrer: o medo da rejeição eleitoral, sobretudo no MDB, que carrega o fantasma de Michel Temer; a atração por ser “o deputado do Bolsonaro” – oportunidade aberta a qualquer um para um candidato que vai se filiar a um partido sem parlamentares – e, finalmente, a compra e venda de favores do governo.

Tudo isso será muito agravado pelo cenário de terra arrasada que o Judiciário fez sobre a representação política no Brasil, do contrário teríamos um núcleo polarizado pela candidatura Lula e outro por aquele que se fizesse o papel de candidato tucano, fosse quem fosse. O Governo Temer e Jair Bolsonaro morreriam à míngua, um como “pato manco”, no governo mas sem poder, e outro como “cão feroz”, prisioneiro do cercadinho do ódio.

Agora, não.

Alguns acham que o espaço está aberto para quem seria, de outra forma, apenas coadjuvante.

Contava-se com um minguar de Jair Bolsonaro após a condenação de Lula e, ainda mais, após a “agenda da intervenção” lançada por Michel Temer. Aparentemente, isso não ocorreu e o candidato do ódio permanece sólido na beira dos 20% de intenção de voto. Como observou, em declarações recentes, Ciro Gomes, Bolsonaro “tampona” o crescimento de Geraldo Alckmin, onde o governador paulista seria o candidato natural do eleitor de direita.

A ver se, sem recursos de campanha e tempo de televisão, conseguirá se manter nesta posição, que lhe dá a condição de mais forte concorrente a ir ao segundo turno e a de mais facilmente derrotável candidato na segunda volta eleitoral.

Do outro lado, é inegável o crescimento de Ciro Gomes nas pesquisas quando ausente o nome de Lula, que só não é maior porque – num movimento coerente com seu comportamento polêmico mas de incompreensível estreiteza diante das evidências eleitorais – o ex-ministro de Lula e Dilma faz questão de fornecer farto combustível para queimar suas pontes com o eleitorado mais fiel ao líder petista.

Talvez esteja querendo “pagar barato” pelo que acha que será o apoio inevitável para os 20 ou 30% do eleitorado, no mínimo, que se disponham a seguir a orientação eleitoral do ex-presidente, se este vier a ser, como desejam as elites, impedido de concorrer.

A meu ver, erro grosseiro, porque Ciro não tem forças próprias capazes de lhe dar supremacia sobre um “indicado” de Lula e ver inverter-se a situação de “apoio obrigatório” no segundo turno

Geraldo Alckmin, a quem apontam – o próprio Lula tem este diagnóstico – como favorito a ocupar o campo eleitoral da direita depende em boa parte dos resultados alheios: o esvaziamento eleitoral de Bolsonaro e a impossibilidade de o grupo de Temer ter candidato próprio. Há outros fatores pesando sobre ele, aos quais não tem encontrado caminho para reagir, em especial o desastre provocado pelas ambições de João Doria no eleitorado paulista (ou ao menos paulistano), o que não é ainda possível medir com exatidão.

O resto serão “manchas” eleitorais: Marina, Maia, Álvaro Dias, eventualmente Henrique Meirelles e mais uma miríade de micro candidatos sem expressão. Será sobre este pano de fundo, com o eventual surgimento de mais um ou outro aventureiro, que este mês de negócios parlamentares se passará.

Como lixo nas marés, o parlamento brasileiro vai se depositar para onde o levarem as águas eleitorais. Esse é o cenário que a “moralidade” construiu para o processo político brasileiro e que teremos de enfrentar com lucidez e paciência.

E de olho, todo o tempo, nas nuvens negras do autoritarismo que, faz tempo, tampam os céus do Brasil. (Transcrito do Tijolaço) 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s