Tragédia anunciada

POR PEDRO CHILINGUE, no blog Preto no Branco

A tragédia já era anunciada. O fim aterrorizante de campeonato do Botafogo já era esperada por muitos. O time que começou o ano merecendo ganhar o mundo encerrou a temporada sem a capacidade de ir à esquina. As noites de sonho tornaram-se dias de pesadelo para uma torcida que vê seu time estagnado no tempo.

Em meio a atuações revoltantes e declarações patéticas, o Alvinegro voltou a amarelar na reta final – como tem feito há muitos e muitos anos. Já são 22 temporadas de fila, que prometem se estender por muitas mais. Ao apito final neste domingo, encerrou-se 2018 com o gosto amargo de que alguma coisa aconteceu e não sabemos – e que nos impediu, como sempre, de concluir uma temporada de maneira decente.

Ao olhar para os lados, vi rostos tristes e lágrimas que não simbolizam a decepção por mais um vexame, mas sim o desespero por notar que o Botafogo parece não ter mais salvação. No fim das contas, ainda somos responsabilizados por diretorias incompetentes, falastronas e amadoras, que jogam seus insucessos em nossas costas. Nós fazemos até muito perto do que o clube tem merecido nas últimas décadas.

Sem a Libertadores, voltamos à realidade: orçamento curto, dirigentes sem capacidade de minimizar o abismo financeiro criado pelas cotas de TV e jogadores mais preocupados com seus bolsos cheios do que em levantar taças. Poucos são os que compreendem a grandeza e a importância de vestir nossa camisa e lutar por ela; quase nenhum entendeu o momento que vivemos e a missão devolver a Estrela às glórias.

Não há clube que resista à tamanha falta de ambição – essa frase estampou a mais verdadeira e sincera faixa de protesto em nosso estádio. Dirigentes mais preocupados em alfinetar o rival e seus adversários políticos – e não estou aqui fazendo lobby pela oposição, pelo contrário. Aliás, a política é um dos cânceres que assolam o clube; fechado e retrógrado, nosso ínfimo núcleo de possibilidades insiste em atrasar o Botafogo em relação aos outros.

24944847878_196b13db7e_z

Hoje, entramos de férias. O que era pra ser um prazer acaba tornando-se um fardo. Mais um ano se vai sem ver o Glorioso voltar a ser quem é; mais 12 meses vendo rivais debochando, adversários levantando taças e nossa torcida, cada vez mais envelhecida, ficando sem referências para atrair os mais jovens. A urgência de uma taça é do mesmo tamanho da faxina que precisamos fazer em General Severiano.

Registro aqui os meus parabéns à Chapecoense. Após a tragédia que os acometeu em 2016, viraram a página, suaram sangue e deram a volta por cima. Em momento algum usaram o acidente como muleta. Por lá, ninguém falou em “escalar o Everest”. Foram lá e fizeram. Vocês merecem a classificação.

Como eu disse no texto anterior: dane-se a Libertadores. Só queremos o nosso Botafogo de volta. Queremos profissionalismo, trabalho sério, jogadores dignos e títulos. Descanse, botafoguense. Porque você, eu e todos nós precisaremos, novamente, reconstruir o Alvinegro.

Bruno Silva, Guilherme, Roger e outras merdas passam; o Botafogo somos nós. Precisamos lutar e exigir, diariamente, nada menos que o nosso Alvinegro de volta. Que a faxina comece amanhã pela manhã. Não há mais tempo a perder.

Notas

Gatito Fernández: 6
Sem culpa nos gols e sem participações destacáveis durante o jogo.

Arnaldo: 6,5
Apesar da falta de qualidade técnica, correu muito e foi um dos menos piores em campo.

Joel Carli: 6
A segurança de sempre, mesmo contra o veloz ataque do Cruzeiro. Fez um jogo na média.

Igor Rabello: 6
Na mesma que seu companheiro. Se caprichar mais nas cabeçadas ofensivas, pode tornar-se um zagueiro com muitos gols.

Victor Luis: 4
Encerrou sua passagem de forma melancólica, perdendo a bola no lance do gol de empate do Cruzeiro e outros erros infantis.

Dudu Cearense: 4
Não tem mais condições de ser jogador profissional. Não consegue acompanhar o ritmo dos demais. Fica muito bem no YouTube falando “Aca No” e nada mais; no máximo, uma vaga no time de showbol.

Rodrigo Lindoso: 4,5
Frouxo na marcação, mal nas subidas ao ataque e um gol de presente para o adversário, em tabelinha trágica com Dudu dentro da pequena área.

Matheus Fernandes: 5
Não conseguiu repetir suas boas atuações e esteve mal, tanto na marcação quanto no apoio. Pode jogar muito mais.

Leo Valencia: 7,5
Correu, caiu pelos lados, jogou centralizado, deu assistência, finalizou, cruzou, bateu falta e escanteio e deu a vida em campo – entre erros e acertos. É o mínimo que esperamos. É ativo do clube e esperamos que cresça depois de uma pré-temporada bem feita.

Guilherme: 3
Passeou em campo e fez o que sabe de melhor: irritou. Perna de pau, que não era titular nem na base do Grêmio, só veio para tirar a vaga de um dos nossos juniores – e agora volta pro Sul valorizado sem ganharmos nada por isso. Parabéns à diretoria por essa contratação.

Brenner: 7
Não é dos melhores tecnicamente, peca na velocidade, mas foi útil e participativo. Um gol e uma assistência justificam sua nota.

Ezequiel: 7
Entrou com muita fome, correu bastante e fez um lindo gol. É de peças assim que precisamos: ativos do clube, que conhecem nossa historia e darão retorno técnico e financeiro.

Marcos Vinicius: 5
Entrou e sequer testou o goleiro com sua melhor arma, o chute de média-longa distância. Tem todas as chances, mas não engrena.

Vinicius Tanque: 4
Errou todos os domínios e tentativas de pivô. Espero que seja emprestado pra Sibéria.

Jair Ventura: 3
Suas declarações minaram o grupo. Que suba o Everest de sunga.

3 comentários em “Tragédia anunciada

  1. A leitura atenta deste texto onde o autor diz que p Botafogo foi vítima de uma tragédia anunciada, traz à lembrança uma recente manifestação do Mauro Cezar Pereira também postada aqui no Blog, onde, num Programa da ESPN ovacionou o Botafogo.

    Comparando um com o outro temos que são completamente opostos. Neste o autor solta os cachorros nos dirigentes, na maioria dos jogadores e na campanha do Clube. Naquele o Mauro Cezar Pereira enaltece a não mais poder os jogadores, a campanha, e, por via de consequência, a propria diretoria. Chega até a execrar parte da torcida, a quem chamou de gatos pingados que fazem motim contra o Clube. Outro aspecto distinto é o momento do Clube. Quando o Mauro se manifestou o Botafogo vinha bem na tabela. Agora, quando a dita “tragédia anunciada” vem a público, o Bota não conseguiu a vaga na libertadores.

    Sob meu ponto de vista, trata-se de dois exageros típico de torcedores: um frustrado pelo melancólico resultado na parte final da competição; outro deslumbrado pela campanha promissora que o time apresentava.

    No final, quando o Botafogo alcançou plenamente o objetivo para o qual tinha se proposto no início da competição ( manter-se na série “a”), fica a dúvida: será que o autor do texto de hoje é um daqueles gatos pingados deplorados pelo Mauro? E este, ao contrário do que diz, será torcedor do Botafogo? E se não for, o que explica o entusiasmo da “ovação”, num procedimento tão díspare daquele carrancudo e insatisfeito com tudo que costuma adotar?

    Curtir

  2. Eu, enquanto torcedor do Paysandu, entendo essa revolta do botafoguense autor da coluna, porque já sofri duramente isso na pele em 2003. Eu não temo em afirmar que nesta temporada o Botafogo foi cópia perfeita do Paysandu na Libertadores e serie A de 2003. Lembro que há poucos meses o Clube da Estrela Solitária encantava com uma grande campanha na Libertadores e na série A. Ia aniquilando um a um de seus adversários mais poderosos e a torcida alvi negra delirava. Quase nenhum botafoguense duvidava que seu time chegaria nas seminais, isto na pior das hipóteses.
    Na série A o Botafogo fazia grande campanha, fazendo crer que outra vaga na Libertadores e Sul Americana 2018 eram questão de tempo. Mas veio o mata mata, fase mais cruel da Libertadores, o Botafogo sucumbiu. Pior, após conseguir passar nas oitavas pelo poderoso Nacional do Uruguai, fraquejou diante do outro poderoso Grêmio, o qual mais tarde foi campeão. No mata mata o Botafogo sentiu o peso da competição mais cobiçada das Américas e sua falta de experiência na competição, pois apesar da grandeza e tradição, é um clube que tem dificuldade para conseguir vaga na Libertadores. Certa vez passou 17 anos sem conseguir. Após a dura eliminação a torcida botafoguense ficou ressabiada, os dirigentes, os atletas, . comissão técnica ficaram ressabiados( pasmados sem entender a eliminação) . Isto soou como ducha de água fria no ego do alvi negros, e o time começou a fraquejar também na serie A, porque o sonho de conquista de Libertadores era o encanto, mas depois virou desencanto. O Botafogo perdeu a vaga na Libertadores deste ano, na de 2018 e na Sul Americana. Foi muito semelhante o que ocorreu com o Paysandu em 2003. Lembro bem que no encanto da grande campanha que fazia na Libertadores, o Paysandu na serie A não era diferente e ia aplicando 5 no São Paulo, 6 no Bugre, 4 no Bahia e Atletico MG, 3 no Cruzeiro, peia no Santos de Robinho e Diego, Peia no Inter, quase garantindo vaga na Sul Americana, com chances de vaga na Libertadores. Porém depois da eliminação tudo desandou, o time não ganhou mais de ninguém, tiraram pontos do Papão no tapetão, e o bicolor so escapou por milagre do rebaixamento. Coisas do futebol.

    Curtir

  3. Corinthians, Palmeiras e Santos, nessa ordem, são os cabeças da Série A 2017. Mostra a força econômica, política e de organização do futebol paulista frente ao das demais regiões. A cada ano esse abismo entre os times de São Paulo e os outros se alarga, consequência da insana e injusta distribuição de cotas imposta pela Globo com anuência e conivência da CBF. Os 4 grandes de São Paulo mais o Flamengo abocanham anualmente a maior parte do dinheiro gerado pelo campeonato brasileiro e outras competições controladas pela Globo. O time do Rio só não ganha campeonatos a rodo porque, ao contrário dos paulistas, é desorganizado e pedante. Gasta mal a dinheirama recebida, contratando jogadores de grife, mas que acabam jogando um futebol pífio. Times de outros estados, com exceção de Inter, Grêmio, Atlético-MG e Cruzeiro, que de vez em quando beliscam uma taça, vão viver sempre na pindaíba se nada for feito para mudar essa relação promíscua entre CBF e Globo. Quanto ao Botafogo, vítima da relação mencionada, não pode haver desculpa pelas lambanças cometidas pela sua direção. Entre elas estão as contrações e dispensas desastrosas de jogadores. Como exemplo disso, houve a contratação do caro e bichado Montilo e a transferência de Camilo para Inter-RS. Antes já havia aportado em General Severiano uma barca de estrangeiros pernas de pau como Lizio, Salgueiro, Gervasio Nunes e Canales. Um era e o outro seria o cérebro do time, que passou a jogar sem esse órgão vital após a perda de ambos. Os dirigentes também foram inábeis na formalização de contratos com os jogadores, a maioria de curta duração. Medrosos, não acreditavam no potencial de quem estavam contratando, como no caso de Roger e Bruno Silva. Com o sucesso relativo do time na Libertadores, esses jogadores foram se valorizando e sendo assediados por outros clubes ao mesmo tempo em que venciam seus contratos com o Botafogo. Ora, a cabeça deles na reta final do Brasileirão estava no futuro, no destino a seguir, e não mais na disputa em questão. Não há como cobrar profissionalismo do jogador se os dirigentes são desprovidos dessa virtude. O jogador é um trabalhador, deve ser pago por seu serviço, vai para onde é melhor remunerado e também tem medo de ficar desempregado. Já vai longe o tempo de amor à camisa. Beijinhos no escudo é pura pantomima. Parece pouco, mas para quem não tem nada é muito: o Botafogo tem de levar a sério o Campeonato Carioca e a Copa Sulamericana e, depois, pensar em voos mais altos como Brasileirão e Copa do Brasil. Um degrau de cada vez não vai fazer mal, desde que seja com seriedade e convicção.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s