O novo Nobel de Economia tem uma coisa importante pra te ensinar

POR ANDRÉ FORASTIERI, no Linkedin

A Economia não é uma ciência. Os economistas sérios sabem disso. Por mais que a economia moderna seja recheada de matemática, segue fazendo parte das Humanas, e nunca será parte das Exatas.

Porque as decisões que definem a Economia (e sua irmã gêmea, a Política) são tomadas o tempo todo por nós, que somos humanos. Animais racionais. Mas animais mesmo assim, movidos tanto pela razão quanto pela emoção, pela lógica e o impulso, princípios e instinto.

O novo prêmio Nobel de Economia, Richard Thaler, fez desse estudo conjunto da economia e da psicologia o centro de sua obra. É uma área chamada “Behavioral Economy”. É bem inovadora, mas não tem nada de underground. O principal centro da Behavioral Economy é a ultra-conservadora Universidade de Chicago, berço do monetarismo.

A polêmica premissa da obra de Thaler: seres humanos não tomam decisões sobre dinheiro usando exclusivamente a razão, e isso determina o que acontece com os mercados. Parece piada: pois Sigmund Freud já não escrevia sobre Id, Ego e SuperEgo mais de um século atrás?

Pois é. E mesmo assim só agora a Economia começa a aceitar o que a Psicanálise previu há cem anos, e a Biologia já estuda em profundidade há pelo menos cinquenta. Para você ter uma idéia de como os Economistas estão atrasados.

AAIA_wDGAAAAAQAAAAAAAAujAAAAJDYwODUyMTQ2LTJiMWQtNGYyYS04ZjdhLTFlMmQ3N2NkZDIwZA

Dito isso, alguns têm grandes sacadas. Thaler escreveu anos atrás um livro “Nudge: Como melhorar decisões sobre saúde, riqueza e felicidade”. Ele é desses economistas pop, que escrevem livros para seres humanos normais (e até apareceu em um filme sobre a crise financeira de 2008, ao lado da estrela pop Selena Gomez! É “A Grande Aposta”, e recomendo muito, especialmente para quem acredita que Wall Street segue a lei e a lógica).

Dá para traduzir “Nudge” por “empurrãozinho”. A tese do livro é que a gente deve sempre dar um empurrãozinho para fazer a coisa certa. Tornar fácil acertar. E quanto menos decisões precisarmos tomar para fazer a coisa certa, melhor.

Se você quer perder uns quilos, não encha a geladeira de sorvete e o armário de batatinha chips. Ter esse monte de tentação dando sopa, e ter que tomar a decisão de resistir à tentação, é trabalho demais para nós, seres humanos.

Vale também para políticas públicas. Se a doação de órgãos valer para todos automaticamente, e quem não quiser doar tiver que entrar em um site para determinar isso, a maioria das pessoas vai doar órgãos. Agora, se a regra for o contrário, a doação só for possível para quem decidir doar, e você tiver que entrar em um site para autorizar, pouca gente vai doar órgãos.

Thaler dá muitos outros exemplos do gênero – na Previdência, no Meio-Ambiente, nos negócios e por aí vai. Chama essa abordagem de “Paternalismo Libertário”. Acho que não é nem paternalista, e nem libertário, mas já acredito no poder do empurrãozinho faz muito tempo.

Defendo sempre a maneira mais simples e eficiente de fazer as coisas. Quanto mais fácil melhor. Sempre tento dar um empurrãozinho na direção certa, e ter uma vida profisional mais produtiva, e uma vida pessoal mais relaxada.

Facilito a concentração, dificulto a interrupção. Tirei todos os aplicativos que me distraem do celular, porque se eles estiverem lá, não resisto a dar uma espiadinha, e quando viu gastei um tempão.

Toda manhã escrevo em um papel uma lista dos meus afazeres daquele dia. Sempre começo pelo mais chato. Se eu não atacar primeiro o mais mala, sei que vou empurrando até o final do dia, quando arrumo uma desculpa para deixar para o dia seguinte.

Adoro amendoim, amêndoas, castanha de caju e do Pará. E acho que elas combinam perfeitamente com whisky. Como não quero encher a cara toda noite, jamais compro essas gostosuras.

Me conheço… o que, aliás, Thaler não recomenda explicitamente, mas os gregos antigos já defendiam como a base de toda sabedoria. Estava lá no Templo de Apolo em Delfos: “conhece a ti mesmo”.

Você se conhece, meu camarada, minha cara amiga. Tire uns minutinhos e se pergunte: que atividades são duras para mim? O que eu poderia fazer para torná-las mais fáceis? Que decisões difíceis eu posso evitar ter que tomar, automatizando alguns comportamentos cotidianos?

Selecione três, aja para facilitar o resultado que você deseja, e vai ter mudado sua vida um pouquinho, hoje mesmo. Essa é uma lição de Thaler muito prática para nossas vidas.

Somos todos humanos. Tomaremos decisões irracionais com muita frequência, inclusive sobre coisas importantíssimas. Precisamos aceitar o fato de que não somos robôs e planejar de acordo. Sabendo que nossa natureza animal não pode ser anulada. Pode ser no máximo administrada. E nem sempre.

Richard Thaler ganhou um milhão de dólares de prêmio, do comitê do Nobel. Perguntado como vai usar o dinheiro, ele respondeu: “da maneira mais irracional possível”. Como se vê, nem o próprio Thaler sempre faz o que prega! Por quê? Porque ele, como você e eu, é só um ser humano…

Um comentário em “O novo Nobel de Economia tem uma coisa importante pra te ensinar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s