Seis homens detêm a mesma riqueza que metade da população mais pobre

25 de setembro de 2017 at 11:07 6 comentários

rocinha

Seis homens concentram juntos a mesma riqueza que os 100 milhões mais pobres do país, ou seja, a metade da população brasileira (207,7 milhões). São eles: Jorge Paulo Lemann (AB Inbev), Joseph Safra (Banco Safra), Marcel Hermmann Telles (AB Inbev), Carlos Alberto Sicupira (AB Inbev), Eduardo Saverin (Facebook) e Ermirio Pereira de Moraes (Grupo Votorantim).

Estes seis bilionários, se gastassem um milhão de reais por dia, juntos, levariam 36 anos para esgotar o equivalente ao seu patrimônio. Foi o que revelou um estudo sobre desigualdade realizado pela Oxfam.

O levantamento também mostrou que os 5% mais ricos detêm a mesma fatia de renda que os demais 95% da população. E que aqueles que recebem um salário mínimo (937 reais) por mês (cerca de 23% da população brasileira) teriam que trabalhar por 19 anos para obter a mesma renda que os chamados super ricos. Os dados também apontaram para a desigualdade de gênero e raça: mantida a tendência dos últimos 20 anos, mulheres ganharão o mesmo salário que homens em 2047, enquanto negros terão equiparação de renda com brancos somente em 2089.

Segundo Katia Maia, diretora executiva da Oxfam e coordenadora da pesquisa, o Brasil chegou a avançar no caminho rumo à desigualdade nos últimos anos, por meio de programas sociais como o Bolsa Família, mas ainda está muito distante de ser um país que enfrenta a desigualdade como prioridade. Além disso, de acordo com ela, somente aumentar a inclusão dos mais pobres não resolve o problema. “Na base da pirâmide houve inclusão nos últimos anos, mas a questão é o topo”, diz. “Ampliar a base é importante, mas existe um limite. E se você não redistribui o que tem no topo, chega um momento em que não tem como ampliar a base”, explica.

América Latina

Neste ano, o Brasil despencou 19 posições no ranking de desigualdade social da ONU, figurando entre os 10 mais desiguais do mundo. Na América Latina, só fica atrás da Colômbia e de Honduras. Para alcançar o nível de desigualdade da Argentina, por exemplo, o Brasil levaria 31 anos. Onze anos para alcançar o México, 35 o Uruguai e três o Chile.

Mas para isso, Katia Maia propõe mudanças como uma reforma tributária. “França e Espanha, por exemplo, têm mais impostos do que o Brasil. Mas a nossa tributação está focada nos mais pobres e na classe média”, explica ela. “Precisamos de uma tributação justa. Rever nosso imposto de renda, acabar com os paraísos fiscais e cobrar tributo sobre dividendos”. Outra coisa importante, segundo Katia Maia, é aproximar a população destes temas. “Reforma tributária é um tema tão distante e tecnocrata, que as pessoas se espantam com o assunto”, diz. “A população sabe que paga muitos impostos, mas é importante que a sociedade esteja encaixada neste debate para começar a pressionar o Governo pela reforma”.

A aprovação da PEC do teto de gastos, de acordo com Katia Maia, é outro ponto importante. Para ela, é uma medida que deveria ser revertida, caso o país realmente deseje avançar na redução da desigualdade. “É uma medida equivocada”, diz. “Se você congela o gasto social, você limita o avanço que o Brasil poderia fazer nesta área”. Para ela, mais do que controlar a quantidade do gasto, é preciso controlar o equilíbrio orçamentário e saber executar o gasto.

Além das questões econômicas, o cenário político também é importante neste contexto. “Estamos atravessando um momento de riscos e retrocessos”, diz Katia Maia. “Os níveis de desigualdade no Brasil são inaceitáveis, mas, mais do que isso, é possível de ser mudado”.

*Com informações do El País – Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Entry filed under: Uncategorized.

De volta à zona de risco Hum hum…

6 Comentários Add your own

  • 1. lopesjunior  |  25 de setembro de 2017 às 16:45

    Isso sim é o resultado do aparelhamento ideológico do Estado, que o “Escola Sem Partido” quer reforçar, e não eliminar. É importante ressaltar que a teoria do “Aparelhamento Ideológico do Estado” não se relaciona à escola somente, mas a todo órgão público, em qualquer dos três poderes, o executivo, o legislativo e o judiciário. Não é de hoje que há o reconhecimento de que as instituições privilegiam o patrimônio e a riqueza e, nesse ponto, sim, as instituições funcionam normalmente, porque não perdem esse objetivo de vista, de privilegiar quem já é poderoso. A teoria do “Aparelhamento Ideológico do Estado” explica que quem aparelha o Estado não é o partido político que o governa, mas que este é sujeito à hegemonia da classe dominante, os ricos. Aí é que o “Escola Sem Partido” acerta em defender o que a esquerda ataca visando exatamente reaparelhar, ou reforçar o aparelhamento ideológico do Estado que sempre existiu, provocando o erro de entendimento de uma teoria que deixa explícito que é exatamente a elite econômica que o promove. Ou seja, o Aparelhamento Ideológico do Estado se dá em razão e pela elite econômica, não pelo partido que governa o Estado. Não é por acaso que seja exatamente com o golpe que derrubou Dilma que o discurso contra o Estado de bem-estar social tenha lugar numa sociedade marcada historicamente pela ação da rica oligarquia que sempre governou o país e o vendeu ao estrangeiro a preço de banana.

    Curtir

  • 2. Jaime (Atlanta, EUA)  |  25 de setembro de 2017 às 19:07

    Por que ninguém consegue taxar as grandes fortunas? Aqui nós pagamos imposto iguais 30%. quanto mais você ganha mais você paga, é proporcional à sua renda, ou seja, tanto faz ganhar $1000.00 ou $ 1,000.000.00 O percentual é o mesmo, por isso, os milionários/bilionários precisam doar, fazer caridade, Investir, para que o desconto seja maior, isto faz o dinheiro circular, criando mais oportunidades para todos e distribuindo melhor a renda.

    Curtido por 1 pessoa

  • 3. lopesjunior  |  25 de setembro de 2017 às 20:27

    Pois é, caro Jaime, a não cobrança deste imposto no país é só mais uma prova do real aparelhamento do Estado pela elite econômica. Enquanto o povo não souber do que se trata pouco, ou nada, poderá fazer contra essa dura realidade. A ausência do imposto sobre grandes fortunas é uma prova (só uma delas) que deixa claro que o Estado brasileiro promove exatamente a desigualdade que diz combater. Nem Lula nem Dilma e nem qualquer político de esquerda têm as condições políticas necessárias para reformar o Estado brasileiro, mas somente o povo pode faze-lo.

    Curtir

  • 4. Antonio Oliveira  |  25 de setembro de 2017 às 21:15

    De fato, só o povo pode mudar tudo isso. Mas, o problema é que o voto encabrestado da maioria só eeleitorado, o encurralamento efetivado pela maioria dos políticos, acrescido do descumprimento das promessas feitas só da boca pra fora por estes mesmos políficos inviabilizam qualquer possibilidade de progresso social verdadeiro. No máximo o que se consegue é aquilo que o Betinho propunha mas já alertava que deveria ser só o começo urgente e imediato.

    Curtir

  • 5. lopesjunior  |  26 de setembro de 2017 às 2:12

    Caro Oliveira, o voto encabrestado existirá enquanto houver o lumpesinato (da teoria marxista, aquele conjunto de cidadãos manipulados pelas elites). Mas, para levar o lúmpen ao proletariado é necessária uma pedagogia do esclarecimento, porque a condição econômica, embora seja necessária, não é suficiente para caracterizar o lúmpen, é preciso ainda observar a condição de consciência do dominado. O “Escola Sem Partido” é só um exemplo do discurso de dominação do qual o lúmpen não se dá conta de como é manipulado. Basta notar como os membros da direita do Brasil usaram o termo “aparelhar” inadvertidamente para referirem-se ao fortalecimento do estado de bem-estar social implantado pelo PT nos mandatos de Lula e Dilma. Para propor a ideia de que investir na tecnologia nacional pelo BNDES seria uma forma de apenas ter dinheiro para campanhas políticas… A distorção dos fatos e das coisas pelo discurso pisado e repisado de que as políticas públicas petistas não passaram de meios de fomentar a corrupção só passam porque o povo brasileiro, em sua maioria, é objetivamente o lumpesinato, pois seriamente comprometido pela condição econômica frágil e preso a baixa escolaridade, que aprisionam a consciência a um certo auto-esquecimento… Por isso é preciso explicar, quase que com disciplina jesuíta, o modo como as elites operam para manter o povo no lumpesinato, afastado do proletariado consciente e lutador.

    Curtir

  • 6. Antonio Oliveira  |  27 de setembro de 2017 às 0:17

    Seja como for, Lopes, a verdade é que não há como contar com o eleitorado enquanto ele for conservado no estado de encurralado e encabrestado como tem sido por todos os governos até hoje.

    Quanto à corrupção,6 e suas fontes, o tanto de dinheiro que foi devolvido mostra que distorção foi a ninharia admitida como apropriada ilicitamente qdo a verdade a é que a cifra foi muitíssimo maior. E não apenas no bnds. E o cunha, o temer, o palocci, o cabral e outros tantos que desde sempre, inclusive nos últimos 13 anos, foram sempre aliados dos presidentes da república.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,428,546 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 13.037 outros seguidores

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

setembro 2017
S T Q Q S S D
« ago   out »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

NO TWITTER

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: