Manifestações como as de 2013 provavelmente se repetirão

16 de setembro de 2017 at 12:37 1 comentário

POR VLADIMIR SAFATLE, na Folha 

Um dos traços mais evidentes do pensamento oligárquico está em sua forma de descrever o povo e as massas.

São normalmente representações de uma espécie de sonâmbulo que age de forma irrefletida e nunca escapa por completo de um estado de sonolência.

Daí as injunções sobre o estado de anestesia do povo, de sua apatia e indiferença. No Brasil, tal pensamento está tão enraizado que o país costuma se ver a si mesmo como um gigante dormindo.

protesto_congresso_leo_djorus

No entanto, há de se perguntar se muitos não confundem deliberadamente o povo com suas representações pelo poder e pelas instâncias que procuram construir um imaginário social.

Assim, por exemplo, uma história como a brasileira, marcada por sucessões de revoltas populares (Cabanada, Revolta de Carrancas, Cabanagem, Revolta dos Malês, Sabinada, Revolta do Quebra-Quilo, Revolta do Vintém, Canudos, Revolta da Chibata, Contestado, Coluna Prestes, Luta armada contra a ditadura de 1964) é apresentada como o movimento plácido de um povo servil e cordial.

Foi assim que as manifestações de junho de 2013 pegaram todos de surpresa. A despeito de o ano ter começado com uma impressionante sequência de greves, da frustração relativa resultante do fim do processo de ascensão social ser palpável no ar, da revolta contra promessas não cumpridas (seríamos a quinta economia mundial, nossas grandes cidades seriam repaginadas por investimentos vindos da Copa do Mundo e das Olimpíadas etc.), ninguém parecia perceber nenhuma placa tectônica movendo-se abaixo do solo brasileiro.

Até que a revolta explodiu.

Projeções temporais não têm validade objetiva, é verdade. Mas elas podem indicar latências da situação atual, possíveis, de que muitos gostariam de nem sequer tomar ciência.

O fato é que algo como Junho de 2013 provavelmente se repetirá.

A verdadeira questão é se estaremos preparados para isso ou se iremos perder a oportunidade, mais uma vez, de colocar abaixo a estrutura institucional degradada e sua casta política.

O nível de desencanto e insatisfação popular chegou a níveis dificilmente descritíveis.

A despeito da propaganda massiva de defesa do que se chama de “política econômica” atual, a rejeição por parte da população é tenaz e completamente majoritária.

À parte os economistas do Itaú e do Bradesco, ninguém apoia tal “política”.

O sentimento generalizado de espoliação e desrespeito está aí para quem quiser ver.

Por outro lado, os níveis de rejeição à classe política são absolutos. Há dias, o Instituto Ipsos publicou uma pesquisa sobre a percepção das brasileiras e brasileiros a respeito dos representantes políticos.

Somando aqueles que desaprovam totalmente ou um pouco, os números são da ordem do inacreditável.

Michel Temer tem 93% de reprovação, seguido de Aécio Neves com 91%, Eduardo Cunha (91%), Renan Calheiros (84%), José Serra (82%), o endeusado pela imprensa FHC (79%), Dilma (os mesmo 79%, mas com um índice maior de aprovação do que FHC), Alckmin (73%) e Lula (66%).

Primeiro, há de se salientar o descompasso entre como a população avalia e como setores majoritários da imprensa falam sobre a percepção popular.

Que todos os cardeais do PSDB sejam mais reprovados do que Lula, eis algo que merecia uma reflexão honesta.

Que um ocupante da Presidência tenha 93% de reprovação e continue fazendo a mesma política, eis um caso de internação forçada.

Por fim, a mesma pesquisa mostra que aquele que tem menor reprovação (Dória, com 52% e apenas 19% de aprovação) continua tendo um número monstruoso.

Ou seja, todos sem exceção tem mais de 50% de reprovação. Isso demonstra o descolamento entre a casta política e o povo que ela julga representar.

Sinais dessa natureza mostram como há uma latência de explosão no Brasil.

Como a história não é o terreno do necessitarismo, são as configurações contingentes que determinarão se tal latência passará ao ato ou não.

Mas é certo que um outro 2013 é possível.

Entry filed under: Uncategorized.

Na mosca Papão x ABC – comentários on-line

1 Comentário Add your own

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,426,128 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 13.033 outros seguidores

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

setembro 2017
S T Q Q S S D
« ago   out »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

NO TWITTER

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: