Pêgo na mentira: verdadeira escola de samba que Huck quer comprar é o Brasil

17 de maio de 2017 at 22:31 Deixe um comentário

huck-aecio-ronaldo

POR KIKO NOGUEIRA, no DCM

Luciano Huck tem uma explicação furadíssima para a história de que tentou comprar o enredo de escolas de samba do Rio de Janeiro.

Assim que a notícia saiu na coluna Radar, da Veja, no começo do mês, ele ligou para o titular Maurício Lima e tentou um desmentido.

Contou que um compositor, cujo nome ele não lembra, chegou com essa ideia, fez uma reunião e contatou as escolas sem sua autorização.

“Usaram o meu nome”, falou Luciano, segundo Maurício.

Ficamos assim: Luciano Huck, que não tem a agenda tão livre quanto a do seu tio que é juiz aposentado, topa se reunir com um desconhecido que sugere um plano desses — e não pega um cartão com ele.

Sua vasta assessoria também teve amnésia.

Num programa de subcelebridades da RedeTV!, a presidente do Salgueiro, Regina Celi, confirmou que emissários de Huck foram atrás dela.

“Aconteceu. Procuraram para fazer o enredo, mas realmente, não que o Luciano não mereça esse enredo na escola, porque eu acho que ele tem a história dele, mas eu quero muito ir atrás de um título”, declarou Regina.

“É bom o dinheiro? É, mas quando você pisar na avenida você tem que ter ciência que você vai fazer um bom carnaval”.

Saudado como “novo” por FHC, desesperado com os “velhos” de seu partido que viraram pó de traque nas pesquisas, Huck cultiva um hábito milenar da política: a dissimulação, para não dizer a pura e simples mentira.

Huck é candidatíssimo.

Seu maior desafio, atualmente, é se livrar do grupo do amigão Aécio Neves, hoje um pau de enchente.

Luciano faz parte desse círculo sediado no Rio de Janeiro, que inclui ainda Ronaldo Fenômeno, o empresário Alexandre Accioly, citado em delação da Odebrecht como laranja de Aécio, e Bernardinho, sondado para se candidatar a governador do Rio pelo Partido Novo.

Ele foi sócio, aliás, de Bernardo e Accioly numa rede de sorvetes de iogurte.

A primeira vez em que Luciano Huck deu uma bandeira de suas ambições foi em abril de 2011, na extinta revista Alfa, que eu dirigia, em reportagem de Marcelo Zorzanelli (um dos criadores do site Sensacionalista).

Na ocasião, deu os nomes dos dois políticos que mais admirava: Lula e Aécio.

Reproduzo alguns trechos:

Seus amigos mais próximos já se perguntam por que não o colocar de vez num cargo público. Nos comentários do retrato com Obama, era comum encontrar fãs dizendo: “Queria que a legenda fosse: ‘O encontro entre os presidentes do Brasil e dos Estados Unidos’”. 

(…)

“Sou daqueles que sabem que estamos lidando com o próximo Ronald Reagan”, diz o empresário carioca Alexandre Accioly, sócio e amigo íntimo. “Gosto de dizer que o Luciano é um político sem mandato.” Em casa, Luciano já tocou no assunto. “Ele brinca com isso”, diz Angélica. “Hoje, aos 39 anos, acho que estou cumprindo esse papel na televisão”, diz Luciano, depois de pensar um pouco. Mas seria presidente do Brasil?

“Agora, não. Daqui a dez anos, talvez eu tenha mudado a resposta.” Bons contatos na política não faltam. José Serra é amigo da família e o mineiro Aécio Neves se mantém ainda mais próximo. Aécio e ele assistiram juntos ao primeiro programa político da campanha presidencial de 2010. “Acabou o programa da Dilma e eu falei: ‘O Serra já era!’ O Aécio também disse: ‘Já foi’.”

(…)

Para ele, a solução para a questão social começa na iniciativa privada – mas termina nos braços do Estado. “Acho que o governo é o único capaz de multiplicar de fato o que dá certo no terceiro setor”, ele diz. Ao mesmo tempo, Luciano é a favor de que os grandes empresários brasileiros gastem com instituições benemerentes, em vida, o dinheiro que seria tributado de suas heranças. “Isso poderia mudar a cara dos projetos sociais no Brasil. Acho que a taxa poderia ser de pelo menos 5%.”

Seu salário atual, especula-se, é de 1 milhão de reais. “Vou juntando as pontas dentro da Globo. Outro dia fui chamado pelo Erlanger (Luis Erlanger, diretor da Central Globo de Comunicação) e dei meus pitacos. Se me perguntam, eu respondo.”

Publicada a matéria, Huck foi ao Twitter fazer o mesmo que fez no caso do Carnaval: tentou emplacar outra versão. “Nunca disse que quero ser presidente. Pelo contrário. Quem disse foi um repórter da revista Alfa. Sou um profissional de TV”, escreveu.

Eis o “novo”, segundo Fernando Henrique Cardoso.

Entry filed under: Uncategorized.

Procuradores federais criticam aprovação de relatório da CPI da Funai Deputado formaliza pedido de impeachment de Temer

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,238,828 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 12.636 outros seguidores

VITRINE DE COMENTÁRIOS

celira em Remo x ASA – comentários…
lucilofilho em Remo x ASA – comentários…
blogdogersonnogueira em Remo x ASA – comentários…
blogdogersonnogueira em Remo x ASA – comentários…
blogdogersonnogueira em Remo x ASA – comentários…

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

NO TWITTER

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: