Seleção do campeonato

unnamed

POR GERSON NOGUEIRA

Apesar do nível técnico apenas razoável e da tremenda fuga de ideia na escolha do nome fantasia do campeonato – Banparazão –, pode-se dizer que a fórmula de disputa, simples e de tiro curto, foi plenamente aprovada, constituindo-se no ponto alto do torneio encerrado anteontem com o triunfo do Papão. Destaque para alguns valores individuais, valiosos para suas equipes, ainda que em quantidade mais modesta do que em edições passadas.

Como de praxe, a coluna escala a sua seleção, adotando como critério a ênfase nos valores da terra e nas figuras mais promissoras reveladas no torneio.

No gol, André Luiz (CR) foi o mais regular, tirando o Remo de várias enrascadas ao longo das 3 fases principais do Parazão.

Léo Rosa (CR), mesmo caindo de rendimento na reta final da disputa, manteve-se acima dos demais concorrentes na ala direita. Mocajuba (Independente) é o titular da faixa esquerda da defesa. Forte na marcação e eficiente no apoio, foi um dos bons valores do Galo Elétrico.

O miolo da defesa fica com Henrique (CR) e Perema (PSC). O santareno, que saiu da suplência para brilhar na fase crucial do campeonato, já merecia a chance de mostrar qualidades num clube de massa. Henrique, que enfrentou problemas de contusão nos últimos jogos, foi sempre o ponto de referência da defensiva azulina.

Rodrigo Andrade (PSC), Tsunami (CR) e Flamel (CR) integram a meia-cancha. Rodrigo foi sempre o melhor volante à disposição de Marcelo Chamusca, que levou todo o inverno para perceber isso. Tsunami, apesar das improvisações constantes na lateral e na zaga, teve como característica mais acentuada a marcação firme à frente da zaga. Flamel, afastado por lesão da semifinal e da decisão, exibiu ao longo do campeonato a velha categoria no comando da meiúca azulina.

O tridente ofensivo fica assim composto: Leandro Carvalho (PSC), Magno (Independente) e Bergson (PSC). Um hipotético ataque com esses jogadores teria como principais características a rapidez, a habilidade e a capacidade de finalização. Todos foram importantes, mas Bergson se sobressaiu pelo papel decisivo na hora da definição do campeonato, garantindo o título no minuto final.

Tiago Mandí (Águia) e Gabriel Lima (CR) são as revelações. O técnico é Josué Teixeira, pelo mérito inegável de montar um time competitivo nas condições em que o Remo se encontrava e pelo talento para debelar focos de incêndio no Baenão.

O campeonato não teve craque, nem no sentido mais rastaquera da palavra.

————————————————————————————————–

Despesas leoninas exigem esclarecimentos

Ainda está por ser suficientemente esclarecido o descompasso entre as despesas do Remo e as do Papão no clássico que decidiu o campeonato estadual. Enquanto os bicolores arrecadaram R$ 464.365,00 e tiveram um saldo de R$ 410.234,56, os azulinos obtiveram renda de R$ 589.365 e saldo de R$ 382.948,56.

A diferença está no valor das despesas. Enquanto os gastos do Remo com a partida ficaram em R$ 206.416,44, os do PSC foram de R$ 154.130,44, ainda salgados, mas R$ 52.286,00 a menos que o do rival.

Em tempo de aperreios, com o clube às voltas com tantos encargos e dívidas, é no mínimo esquisito que a direção do Leão seja tão pouco cuidadosa com os detalhes que ajudam a explicar o fosso administrativo que separa os velhos titãs do Norte.

Por exemplo, enquanto o Leão desembolsa cerca de R$ 10 mil com a segurança, o Papão gasta somente R$ 3 mil. O lanche revela outro absurdo: preço unitário em torno de R$ 20,00, castigando ainda mais os já combalidos cofres remistas.

Que as lições dos clássicos decisivos do Campeonato Estadual sejam assimiladas e que o Remo ajuste sua contabilidade interna, abraçando os manuais sagrados da economia, que recomendam a cotação de preços como forma básica de emagrecer as faturas.

(Coluna publicada no Bola desta terça-feira, 09)

7 comentários em “Seleção do campeonato

  1. Gerson e amigos. .. como cada um tem sua selecao, também fiz minha seleção do Parazão/2017…divukguei ontem no pgm TBP, na Rádio Clube…No 4-1-4-1

    1- André Luiz

    2- Leo Rosa
    3- Wanderlan(SR)
    4- Gilvan
    6- Tubarão (SR)

    5- Wesley

    7- Leandro Carvalho
    10- Alexandre (SR)
    8- Magno(Independente)
    11- Edgar

    9- Bergson

    Melhores técnicos- M. Chamusca (Campeão ) e J. Teixeira

    Craque…Bergson

    Revelações: Tiago Mandi (Águia) e Gabriel Lima

    Curtir

  2. Essa diferença nas despesas tmb me chamou atenção. Como pode?? 50 mil é muita coisa. Não é razoável. Aliás, é inexplicável, sem sentido.
    Além da diferença entre as despesas, tem tmb o volume: R$200 mil é maior que a folha salarial de jogadores do Remo.
    Não gosto de fazer pré julgamento de nada, mas neste caso não tem jeito. Fica parecendo que tem gente levando vantagem e colocando dinheiro azulino no bolso.
    Diretoria tem que se explicar sobre isso!!
    Aí tira 30% da justiça do trabalho, no final não sobra nem R$200 mil líquidos (de uma renda bruta de mais de 500 mil).

    Curtir

  3. Minha seleção…

    Emerson

    Léo Rosa
    Perema
    Gilvan
    Mocajuba

    Rodrigo Andrade
    Flamel

    Leandro Carvalho
    Magno
    Edgar

    Bergson

    Técnico: Léo Goiano (seguido de perto por Josué)

    Pior técnico: Chamusca

    Revelação: Gabriel

    Craque: Bergson

    Curtido por 1 pessoa

  4. As seleções do Gerson e dos colegas são bem mais criteriosas do que a do próprio troféu Camisa 13, que os caras só votam por paixão clubística. A minha seleção seria:

    André Luís;

    Léo Rosas (por falta de concorrente menos pior)
    Perema
    Wanderlan
    Mocajuba;

    Tsunami
    Rodrigo Andrade
    Leandro Carvalho:

    Edgar
    Magno
    Bergson

    téc: Josué (tirou leite de pedra)
    revelação: Tiago mandí
    craque: as torcidas de Remo e paysandu

    Curtir

  5. Amigo Celira, torço muito pelo Flamel. Mas, ele ficou de fora dos jogos mais importantes, devido à contusão. Acho que por isso ele ficou alguns pontos abaixo do Diogo Oliveira, que mesmo também tendo oscilado, teve algumas participações importantes nos momentos em que conseguiu fazer boas atuações.

    Curtir

  6. Os piores seriam:
    Evandro (Cametá);

    Airton (Edgar que o diga)
    Zé Antonio (Remo)
    Thiago Costa (Cametá)
    Avenida Jakinha (Remo);

    Eliseu (Remo)
    Capanema (PSC)
    Sobralense (PSC);

    Alfredo (PSC)
    Leandro Cearense (PSC)
    Feijão (Pinheirense)

    Pior técnico: Chamusca
    Pior Pontaria: Gabriel Silva
    Pior revelação: Caio Ribeiro
    Chinelinho: Renan Silva
    Decepção: São Francisco

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s