Vale a pena ver (sempre) – O Grande Lebowski

6 de abril de 2017 at 12:46 5 comentários

destaque_clubedoscinco_viagens

POR GERSON NOGUEIRA

Revi noite dessas, no Telecine, o sensacional “O Grande Lebowski”, dos irmãos Joel e Ethan Coen. O filme é de 1998 e, pelo que me recordo, não estourou nos cinemas como se imaginava. Pois revi e gostei ainda mais. A cada cena uma nova descoberta. Quando o filme foi lançado seria difícil capturar o chamado gosto médio. É uma comédia espertíssima, cínica, antenada, com dezenas de referências à cultura pop e uma trilha sonora afiadíssima. Acima de tudo, é um filme de temática livre, com história central confusa e que não tem lá muita importância, pois o que conta mesmo é o “não fazer nada” dos personagens centrais vividos por Jeff Bridges, John Goodman e Steve Buscemi.

Dude, um gente boa meio doidaço vivido com extrema perícia por Bridges, já é visto como um dos grandes personagens do cinema contemporâneo, encharcado de trejeitos pop. Sempre de poncho, bermudão e chinelos, Dude gasta o tempo jogando boliche, fumando baseado, bebendo cerveja e tomando um drinque chamado “White Russian”.

Seu bem-bom só é interrompido quando entra em cena um milionário homônimo em cadeira de rodas, cuja mulher supostamente foi sequestrada por bandidos niilistas. Elementos do cinema noir se misturam aos delírios de Dude e às trapalhadas de Walter (Goodman).

o-grande-lebowsky-coen-600x400

Comédia pontilhada de cenas pesadas, bem ao estilo dos brothers Coen, O Grande Lebowski vale mais pelo que insinua e transmite do que propriamente pela história que conta. Dude é um hippie perdido na Los Angeles atual, tentando levar um estilo de vida descompromissado, orgulhoso dos próprios fracassos e da eterna pinimba com reacionários.

O filme teria tudo para ser apenas uma viagem colorida pelo cenário de Los Angeles, mas a interpretação despudorada de Bridges e a mão firme dos Coen transforma tudo em ouro puro, incluindo as referências ao cinema pornô e à indústria do disco. As piadas seguem atualíssimas e verossímeis.

img-1026717-big-lebowski-pinball

Uma curiosidade do filme é que Bridges usou em cena suas próprias roupas caseiras como itens do figurino. Participou de todos os aspectos de construção do personagem, ajudado pelo fato óbvio de que Dude foi elaborado pensando justamente nele. Bridges exercita seu talento para papéis cômicos e expressa o tempo todo um requinte na composição de um anti-herói típico.

Gravitam em torno de Dude personagens exagerados e não menos hilários, como Doony (Buscemi), Jesus (John Turturro) e a excêntrica Maude (Julianne Moore). Um festival de absurdos que em outras mãos teria virado um mingau insosso.

Apaixonados pelo cinema, os irmãos Coen esbanjam conhecimento da sétima arte, enxertando cenas de tributo aos musicais de Busby Berkeley – cuja coreografia valoriza desenhos geométricos – e sátiras aos filmes policiais e às comédias de humor negro.

O capricho com que a trama e os detalhes de O Grande Lebowski foram tecidos diz muito do devotamento que os irmãos Coen têm pelo cinema como manifestação artística. O resultado final é uma bênção para os cinéfilos e uma diversão para os sentidos. Grandes filmes parecem ter o dom de se fazerem eternos.

Entry filed under: Uncategorized.

Rock na madrugada – AC/DC, You Shook Me All Night Long Gigantes da MPB – Nelson Cavaquinho

5 Comentários Add your own

  • 1. celira  |  6 de abril de 2017 às 16:06

    Os irmãos tem um tempo pra comédia todo peculiar e tramas sempre interessantes como Bravura Indômita e Onde os Fracos não tem vez.

    Curtir

  • 2. Aladio Oliveira  |  6 de abril de 2017 às 22:49

    Filme chato pra cacilda. Nao consegui assistir até o final.

    Curtir

  • 3. blogdogersonnogueira  |  7 de abril de 2017 às 0:36

    É verdade, amigo Carlos. Há quem não aprecie ou não entenda – até por não alcançar as referências que os irmãos propõem -, mas O Grande Lebowski é grande arte e diversão pura.

    Curtir

  • 4. Rodrigo Trindade  |  7 de abril de 2017 às 2:16

    Muito bom filme!
    Aos amigos recomendo esta obra: Memento, do Diretor Christopher Nolan.

    Uma experiencia indescritível! É como se você vivesse o Drama do personagem.

    Curtir

  • 5. malcher78  |  8 de abril de 2017 às 12:18

    Ainda não o assisti, amigo Gerson. Mas creio que sendo dos irmãos Cohen, boa coisa é. Além disso, o cast de atores que pontuam na película é de respeito. O John Turturro, por exemplo… o acho talentosíssimo, versátil. Vou conferir.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,074,867 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 19.666 outros seguidores

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

abril 2017
S T Q Q S S D
« mar    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

NO TWITTER

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: