Marca esportiva canadense “independente” entra no Brasil através do Galo

A Dry World deve se tornar a fornecedora de material esportivo do Atlético/MG a partir de janeiro de 2016. Se confirmada, representará a quarta marca (Topper, Lupo, Puma) a ocupar a categoria em apenas cinco anos. Segundo o UOL Esporte apurou, o contrato será de cinco temporadas e renderá ao Galo cerca de R$ 20 milhões/ano.

E você, conhece a Dry World? Sua atuação e objetivos? Antes que ela oficialize o desembarque no Brasil, o MKT Esportivo falará um pouco sobre ela. De origem canadense, a Dry World Industries se diferencia das gigantes do mercado por se autointitular “independente”.

Sua fundação data de 2010, quando cansados de utilizarem meias e chuteiras encharcadas por absorverem água dos campos de Victoria, no Canadá, os ex-jogadores de rugby Matt Weingart (escocês) e Brian McKenzie (canadense), deram os primeiros passos para lançar um calçado que maximizasse o desempenho dos atletas ao isolá-lo das condições adversas dos gramados. Em 2013, ao descobrirem que 75% dos atletas da NFL e da CFL (Canadian Football League) utilizavam chuteiras de futebol nas partidas, trataram de fechar pequenos acordos estratégicos com jogadores de ambas ligas para que eles atuassem como seus embaixadores. E funcionou.

dryworld

Hoje, a Dry World está presente em 15 países, tendo a tecnologia Dryfeet como carro-chefe entre seus patrocinados, que hoje se encontram em modalidades como futebol americano, futebol, boxe, MMA e, principalmente, rugby.  Um dos grandes destaques é Rolly Lumbala, eleito o melhor jogador canadense da CFL em 2014.

Vale dar destaque a tecnologia Dryfeet, que ao ser lançada no ano passado, ligou o alerta nos bastidores de Nike e Adidas, que à época ativavam o lançamento das linhas Prime Knit e Magista. Com uma vantagem competitiva quando o assunto é o Footgear, McKenzie admite saber os pontos fortes e fracos destas gigantes do esporte. 

Líder do que ela mesma chama de “mercado esportivo independente” do Canadá, como destacamos, a empresa foca seus esforços financeiros e tecnológicos no atleta, na melhoria do seu desempenho durante o treinamento e a prática esportiva em si. Em seus canais digitais, a figura do atleta é presença marcante em praticamente todas as postagens. Está nele, no seu sonho e evolução, o real valor da Dry.

Voltando a nossa realidade, há muitos prós em relação à chegada da Dry World ao Atlético/MG, mas há também boas ressalvas. Vamos a elas: 1) Sua expertise em tecnologia voltada ao desempenho do atleta; 2) Ter o clube mineiro como sua porta de entrada no Brasil e a natural preocupação em causar uma boa primeira impressão (à exemplo do que ocorreu com a Under Armour no São Paulo); 3) Uma empresa que tem como missão revolucionar o seu segmento de atuação, poderá trazer uma nova visão de negócio ao país através, inicialmente, do Galo; 4) A questão financeira, talvez o ponto mais relevante aos olhos dos dirigentes atleticanos.

Já sua pouca idade e desconhecimento do mercado esportivo brasileiro (sempre tão particular e imediatista) poderá pesar contra ela. Há ainda o histórico anterior de empresas tradicionais, como Lupo e Topper, que acabaram por deixar o Atlético justamente por problemas de distribuição e não conseguirem atender a alta demanda dos torcedores por produtos. Sem experiência no desenvolvimento de uniformes de futebol, questões ligadas ao layout e qualidade do produto final no varejo, poderão encontrar facilmente a insatisfação de um consumidor cada vez mais exigente.

O Cristo Redentor no site oficial da marca deu o pontapé inicial de suas atividades no Brasil. Oficializando patrocínio ao Atlético/MG, o torcedor atleticano terá que ter paciência e dar tempo para que a Dry World absorva a nossa realidade. O montante financeiro é importante, mas será fundamental que a empresa veja o torcedor como seu parceiro, e vice-versa, para que não seja apenas mais uma a figurar no uniforme alvinegro e sair sem deixar saudade.

A primeira impressão será sempre a que fica.

(De MKT Esportivo)

Um comentário em “Marca esportiva canadense “independente” entra no Brasil através do Galo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s