Diferença de tratamento

POR PAULO MOREIRA LEITE

A mais curiosa revelação da reportagem “FHC passa o chapéu”, publicada pela revista Época em 2002, merece uma reflexão maior. Sabemos que a reportagem descreve um encontro de fim de governo no qual um grupo de 12 empresários graúdos decidiu levantar R$ 7 milhões para a construção do Instituto Fernando Henrique Cardoso.

O que nem todos recordam é que, em sua apuração, o repórter Gerson Camarotti decidiu ouvir o Ministério Público. Entrevistou o procurador Rodrigo Janot, o mesmo que, onze anos depois, se tornaria Procurador Geral da República. Janot disse a Camarotti que não havia nada de ilegal:
— Fernando Henrique está tratando de seu futuro e não de seu presente, explicou o procurador. O problema seria se o presidente tivesse chamado empresários ao Palácio da Alvorada para pedir doações de favores e benefícios concedidos pelo atual governo.

É uma opinião sensata do ponto de vista legal. O Janot de 2002 participava de um movimento de oposição a Geraldo Brindeiro, o chamado ‘Engavetador da República’. Não pode ser visto como uma voz da boa vontade e do tratamento amigo diante de denúncias, portanto. Mas é uma opinião reveladora, do ponto de vista político, quando se recorda o cerco da Polícia Federal e do Ministério Público em torno do Instituto Lula e do ex-presidente.

É difícil acreditar que uma regra que Janot anunciou no momento em que assumiu a Procuradoria Geral da República (“Pau que bate em Chico também bate em Francisco”) tenha sido corretamente aplicada no tratamento dispensado aos dois ex-presidente e seus respectivos institutos. Se considera-se razoável colocar em suspeita empresas e empresários que fizeram doações ao Instituto Lula, a regra de Janot permite perguntar por que não se fez o mesmo com FHC.

Embora, pelas regras da instituição, nenhum procurador deva obediência ao Procurador-Geral, é evidente que há motivo de estranhamento e até mais do que isso.

Entre os doadores presentes ao Alvorada com FHC, era possível contar diversos gravatões. “Boa parte deles termina a era FHC melhor do que entrou”, avalia a revista.

Entre eles, se encontrava Benjamin Steinbruch, que levou a CSN e a Vale nas privatizações. Outro era um banqueiro que entrou nos leilões de telefonia e levou um grande naco. Também se encontravam empreiteiras importantes. Como a Camargo Correa, que no governo de Fernando Henrique fez dois investimentos para a Petrobrás: o gasoduto Brasil-Bolívia; e obras civis na Refinaria de Paulínia, no interior de São Paulo. Também administrou a via Dutra, privatizada.

Foi no segundo mandato que FHC assinou o decreto 2745, que enquadrava a Petrobras no regime de licitações simplificadas, aquele sistema sem o qual não é possível aprovar licitações através de carta-convite, favorável a decisões rápidas, sem burocracia, convenientes no universo de alta competição do petróleo — também favorável a formação de cartéis e divisão amiga de verbas e obras.

Como disse Janot, o presidente estava cuidando de seu futuro, naquele jantar. Dali por diante, os empresários foram fazer a mesma coisa, em governos estaduais do PSDB, que nunca mais teve acesso a obras federais. A maior obra de saneamento do país, hoje, está sendo construída em São Paulo, por outro presente no jantar de 2002 — a Odebrecht. Ela também participa da linha 6 do metrô de São Paulo. Também ficou com um dos lotes da Cidade Administrativa, principal investimento da gestão Aécio Neves. A Camargo participou do Rodoanel Mário Covas e da linha lilás do metrô.

Esse comportamento manteve-se nas campanhas eleitorais. Conforme o Estado de S. Paulo, entre 2007 e 2013 as 21 maiores empresas investigadas na Lava Jato repassaram R$ 571 milhões para campanhas eleitorais de petistas, tucanos, peemedebistas. Desse total, 77% saíram dos cofres das cinco maiores, que estão no centro das investigações: Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão, Camargo Corrêa, Grupo Odebrecht e OAS. Segundo o levantamento, o Partido dos Trabalhadores ficou com a maior parte, o que não é surpresa. As doações ocorreram depois da reeleição de Lula. Cobrem aquele período do calendário político no qual Dilma Rousseff conquistou o primeiro mandato e Fernando Haddad venceu as eleições municipais de São Paulo. Mas o PSDB não ficou muito atrás. Embolsou 42% do total.

4 comentários em “Diferença de tratamento

  1. Comparar o caso do fhc com o caso do l u l a, só acentua a ilegitimudade do patrocínio recebido pelo segundo. O primeiro não é parâmetro de nada legítimo e admitir que outro fez algo igual ou semelhante a ele só depõe contra este outro. No máximo, o que se pode arranjar é que o fhc cometeu a mesma malfeitoria que o l u l a está cometendo.

    Curtir

  2. E em 2007 ninguém queria transmitir jogos de terceira divisão e se o governo Jatene através da Funtelpa, tivesse comprado os direitos de transmitir os jogos bicolores naquela terceirona como fez agora novamente com o azulino na famigerada serie D, certamente não seríamos o penúltimo naquela competição sendo eliminados precocemente e tendo de buscar a vaga através do Parazão em 2008, ONDE graças a canela do ZE DA FIEL AOS 45 DO SEGUNDO TEMPO CONTRA O ANANINDEUA, CONSEGUIMOS A VAGA E NUNCA FICAMOS SEM DIVISÃO. Mas sabem quantas vezes o governo comprou as transmissões dos jogos do bicolor PARA NOS AJUDAR FINANCEIRAMENTE???? NEM UMA,

    Curtir

  3. Nélio, não comprou os direitos de transmissão antes, mas já ajudou de outras formas ao Paysandu. O governo do Estado já patrocinou ambos, já custeou e renegociou dívidas. O Paysandu está melhor financeiramente hoje, é verdade, e isso se deve ao trabalho e união dos dirigentes e apoio da torcida. O Paysandu esteve a ponto de, combalido pelas despesas, fechar as portas (lembram do Rabelo? E de como o Tourinho deixou o Paysandu?)… Momento tão grave já houve no Paysandu, mas é preciso memória para não afirmar que nunca precisou desse ou daquele apoio financeiro… O que o futebol brasileiro precisa é de profissionalização, deve rechaçar o amadorismo e o oportunismo político. Só assim haverá melhoras duradouras e independência dessas ajudinhas…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s