20 comentários em “Pois é…

  1. Com todo o respeito, caros Daniel e Jota, a corrupção é parte do currículo da administração pública. A corrupção é institucional. É, pois, um problema antigo. Certamente não vem do governo do PT. O combate a corrupção não passa apenas por ações do executivo, mas pelos três poderes. Acho que o judiciário é aquele que precisa se reinventar, digo, é o único dos três poderes, por exemplo, que não está submetido ao sufrágio. O judiciário precisa melhorar, como também o parlamento. Aliás, os membros do parlamento estão em todo escândalo de corrupção, notaram… É preciso rever como o sistema de freios e contra-pesos dos três poderes pode frear a corrupção. Mas assim, os três poderes precisam atuar juntos.

    Curtir

  2. Os valores éticos e morais do nosso Pais estão tão em baixa que a sensibilidade de enxergar o obvio da verdade no errado e encobrido pela cortina do radicalismo em defesa de um partido.

    Curtir

  3. Perfeitamente, Lopes. Só que têm certas frases que são usadas como “justificativa” pro inaceitável, como essa postada pelo Gerson. Quer dizer que a corrupção, então não tem problema se (também) aconteceu nos últimos 12 anos? Dá uma sensação de sei lá o que… Não sei se de cegueira, ou conivência, ou de que “então, sendo assim, está tudo bem”. A corrupção não é desse ou daquele partido, e sim, provocado por pessoas. E acho que não devemos de maneira nenhuma aceitar isso como desculpa. Dá uma sensação de que tem gente cega, que não vê porque não quer enxergar. E eu não quero isso pro meu país e prefiro anular meu voto do que dar pontos para quem não confio e que não merece minha confiança. Ainda tem casos de roubo que a culpa é da mídia. Foi a mídia que meteu a mão no dinheiro público?

    Curtir

  4. o Ministério publico já pediu arquivamento do escandalo tucano do cartel de trens e metro em SP, o famoso “tremsalão”. É foda, o MP significa para os tucanos “Meu Parceiro”

    Curtir

  5. Daniel, não se trata de um “pode ou não pode”, de um “agora a corrupção é mais aceitável que antes”, nada disso. Também não é o caso de uma cegueira oportuna ou de conveniência partidária e muito menos de conivência com a corrupção. Se trata de um problema institucional, de um mal que se espalhou no Estado brasileiro como um câncer e que tem raízes profundas desde colônia de Portugal. O problema é sistêmico. A frase de Xico Sá trata do oportunismo político praticado pela mídia, sucursal da direita brasileira. Vale dizer, a mídia brasileira partidarizou-se e é neoliberal, dado o posicionamento contrário às medidas econômicas da esquerda brasileira ao longo dos 12 anos do governo petista, a mídia que prega o fim do mundo desde 2003. Foram 12 anos alertando sobre uma crise que enfim chegou após mais de uma década e que teria se instalado mesmo com uma política neoliberal vigente. Quero dizer, a crise do capitalismo afetou economias liberais e socialistas pelo mundo, ou seja, a crise que atravessamos não foi produzida por esse ou aquele modelo de desenvolvimento, se neoliberal ou socialista, mas pelo próprio modo de produção, o capitalismo que não se mostra fracassado, mas seletivo… O final da frase é especialmente esclarecedor: Mais história e menos lorota, mais cadeia e menos caô de delação premiada. Não tenho o menor receio de afirmar que com a direita o cenário ainda seria favorável para a corrupção, dada a experiência anterior com o PSDB. Ao menos, há iniciativa para punir corruptos nesse governo de esquerda que não havia antes e a inédita punição ao corruptor. Eis um avanço. Agora, resta ao judiciário cumprir seu papel. A frase de Xico Sá não foi usada como justificativa para o inaceitável, mas para chamar a atenção aos fatores históricos e sociais que dificultam o combate à corrupção apartidária, institucional e criminosamente política… Veja, não sou filiado ao PT, e defendo que se há corruptores e corruptos na política brasileira, de qualquer partido, que tomem punição exemplar, dentro dos moldes da constituição… Urnas não fazem justiça, fazem eleição. Basta ver que Collor e Sarney ainda têm mandatos, sendo, assim, representantes legítimos do povo, o que torna o voto nulo um voto perdido, insofismavelmente tão nulo quanto a ausência de quem quer se abster. A interpretação do voto nulo é subjetiva. Veja, você mesmo deu um sentido à anulação do seu voto, mas não que isso se dê naturalmente por todos. Há quem anule o voto por contrariedade ao voto obrigatório, por exemplo. Do meu ponto de vista, anular o voto é transferir a responsabilidade de decidir aos outros.

    Curtir

  6. Pessoal, Xico Sá é um dos maiores jornalistas do Brasil!
    E antes de falarem que ele é petista, não se esqueçam, ele foi da Folha de São Paulo, saiu, acho que não tem 6 meses.

    Além disso, ele apenas opinou, não justificou nada!

    Curtir

  7. Acho que o Sá está branqueando a chapa e com isso desviando o foco.

    A verdade é que de há muito a mídia ganha a vida denunciando as malfeitorias daqueles que não lhe aquinhoam na intensidade que ela espera.

    Dia destes mostrei aqui um painel de notícias da Veja coalhado de manchetes e conteúdos relativos às malfeitorias da época do governo fhc. Se procurarmos certamente encontramos painéis semelhantes na Veja, no Estadao, na Folha, no Globo etc relativos à era Itamar, collor, sarney e por aí vai.

    A verdade é que a mídia seguiu desempenhando papel que sempre desempenhou e não era de se esperar que ela mudasse: se não recebe ou recebe aquém do que julga merecer ataca.

    Quem desempenhou papel igual a todos os governos anteriores, e muito diferente do papel que se esperava que ele desempenhasse foi o governo que aí está há 12 anos.

    Curtir

  8. MORAL DA HISTÓRIA AMIGO DANIEL LEITE:

    “Essa JUSTIFICATIVA desse cidadão é como se o meu vizinho da direita roubasse e estivesse vivendo bem por causa dos roubos. Aí eu sabendo disso acharia de roubar para também viver bem igual a ele. Já o meu vizinho da esquerda sabendo de tudo isso se sentiria no direito de me roubar. Porém o meu vizinho da frente consideraria que ninguém deveria ser preso ou punidos porque ele sabia que todos nós éramos larápios mesmo”

    Que justificativa mais chula a desse petista chico sá. Assim não tem combate… à corrupção é claro.

    Curtir

  9. Lopesjunior, vejo ser coerente a sua análise, sim. Como falei em cima, não justifica, de maneira nenhuma, mas como foi posto na imagem e como interpretei, Xico Sá está dando sim uma justificativa completamente inaceitável. A corrupção é vista como ataque político – o que não cabe também de maneira nenhuma. Como você mesmo disse, a gente continua elegendo as mesmas pessoas – Collor é o melhor (ou pior) exemplo disso, sem dúvida nenhuma. Quem rouba o seu dinheiro, o meu dinheiro, é uma pessoa, e ela deve sim ser punida, independente de partido político – isso não importa, o que importa é o fato evidenciado. José Genuíno é chamado de ‘herói’ por alguns, o que pra mim é absurdo… Um herói que rouba do nosso dinheiro, o imposto que a gente paga com tanto esforço esperando algum retorno (que raramente vem)… A gente paga imposto pela saúde pública mas temos que pagar plano de saúde, a gente paga pela segurança e temos que pôr grades em casa, e por aí vai… O resultado é que a gente acaba pagando duas vezes e enquanto tem gente menos favorecida precisando, outros estão desviando verba para o próprio bolso e terminam presos e heróis (?).
    Quanto ao voto, Lopes… Acabei me vendo sem saída. Na verdade a intenção da nulidade foi mudada recentemente, não é? Nas eleições passadas, voto nulo era nulo, e branco era branco. Hoje, ambos não são computados logicamente já prevendo que as abstenções seriam altíssimas, como o foram. O fato é que (não sei em quem você votou), mas eu não compactuo com a gestão atual e não posso votar neste lado; e não aceitei as propostas da oposição. Pra mim não teve menos pior. Os programas de governo eram muito ruins. Nenhum (nenhum mesmo) falou em infraestrutura, só o da Marina deu uma citada quanto a urbanismo, mas bem leve mesmo. O programa do Aécio vi como muito vago, muito papo sem mostrar de onde tirar recursos, e o da Dilma virou uma cartilha de propagando de governo na verdade, como “o que fizemos ao longo de 12 anos de governo”, e nada de planejamento pro futuro do país, que era o verdadeiro motivo de um programa de governo, certo? O que seria ou será feito nos próximos 4 anos. Não tinha absolutamente nada… Enfim, você votaria em alguém em quem não concorda? Eu não, e infelizmente joguei meu voto no lixo pq agora branco não é mais branco, senão seria este meu voto.

    Curtir

  10. Antonio Oliveira veja a capa da Veja no dia que estorou o escandalo do cartel de trens e metro em Sp, a matéria de capa foi “Revoluçaõ dos musculos” que falava sobre os novos suplementos alimentares, folheei a revista e a matéria do escandalo foi de apenas 1 página, e só! . O Aecio construiu um aeroporto do seu tio e só se falou um dia no jornal da globo. Em 2010 naquela encenação ridícula do Serra, onde o mesmo foi atingido por uma bolinha de papel na careca, o candidato fez até tomografia e a imprensa não investigou e ignorou o fato. Agora imagina se fosse a Dilma que fizesse todo esse teatro? a mídia com certeza ía investigar a fundo as pessoas envolvidas, o Dr Jacob Kligman que fez a falsa tomografia, ía ter sua vida vasculhada. Fora os 2 mensalões tucanos que foram arquivados, ninguem foi julgado e a mídia se cala

    Curtir

  11. Como disse, Daniel, insisto nisso, não apoio a corrupção que existe no Brasil, como não apoio o oportunismo político, que também não deixa de ser uma forma de corrupção. A frase é certeira quanto ao objetivo da mídia. Analise o objeto cobiçado, a presidência da república, e considere todo o poder associado. Há um grande interesse em jogo, não? Para mim é lógico que a mídia migrou para o lado que promete mais em troca…

    Curtir

  12. Sabe?, não é o caso de ser comunista ou não, como sou, e votei em Dilma sim, se interessa ou vem ao caso. Esclareço uma coisa, aproveitando a oportunidade. O marxismo vem sendo sistematicamente discriminado como sendo sinônimo de comunismo. Isso é um grande erro. Marx narrou um ponto de vista sobre a história, concluindo que as revoluções são momentos históricos em que há mudanças profundas na estrutura de poder de uma sociedade, num tempo, sempre motivadas por aqueles que almejam o poder. A fonte histórica e inspiração de Marx, a revolução francesa, se deu pela disputa entre a nobreza e a igreja de um lado, e os burgueses e o proletário, de outro. A igreja detinha o poder de legitimar o poder do rei, pela divindade, como hoje o povo tem o poder de legitimar o poder do presidente, pelo sufrágio. A mudança da velha estrutura de poder para a atual se deu com a revolução francesa. Na conclusão, Marx previu (previsões podem falhar) que o proletário seria traído pela burguesia e que, insatisfeito, tomaria o poder dos burgueses. Marx cunhou a frase: “Trabalhadores do mundo uni-vos”, o que certamente diz muito sobre o manifesto comunista, em parceria com Engels… Quero dizer, o comunismo nunca foi uma ameaça concreta para a economia por uma razão simples e objetiva: o comunismo é um processo histórico, e não a pura e simples realização da vontade de uma geração. Assim como a revolução francesa é o produto de um desenvolvimento histórico, o comunismo também o será. Simples assim. Ou nem tanto. A revolução bolchevique não foi uma farsa, mas serviu para provar o quanto é necessário desenvolver historicamente o ser humano para que possa haver o comunismo. Sabemos que o ser humano é um indivíduo histórico… Então por que sou comunista? Por que há princípios e valores possíveis para nosso momento histórico, como o próprio sentido que a palavra comunismo expressa, do governo dos comuns, dos iguais. Nossa constituição reconhece que o poder emana do povo, mas não percebe que o poder não retorna para ele, mas para uma classe mais poderosa economicamente, a burguesia, por assim dizer… Quero dizer que a corrupção é parte do desequilíbrio social que afasta a realidade daquela sonhada pelo constituinte, da paz social… Por mais incrível que pareça, embora, talvez, você discorde de mim, quem tem mostrado como heróis aqueles (ex?)políticos condenados é a mesma mídia que sataniza o PT. É parte do jogo, da sutileza de jogar um contra o outro, como já ocorre há séculos. Note, quem mais ouviu falar dos anões do orçamento? Ou do SIVAM? Não é só o denuncismo da mídia que é seletivo, mas também o silêncio.

    Curtir

  13. Andrea, o que a mídia deixou de publicar sobre o “trensalao” não transforma em inverdade as malfeitorias cometidas na Petrobras ao longo destes últimos 12 anos, muitas das quais já foram admitidas pelo próprio governo (o governo foi obrigado a admitir).

    Curtir

  14. Pois é Oliveira, o problema é que a frase fala da vontade de Xico Sá, de punir corruptos, e da vontade da mídia, de ser beneficiária do próximo etapa do “esquema”, como já fora beneficiada, de alguma forma. O silêncio de antes é o sinal da conivência que tem um preço, certamente. O discurso explícito na frase é muito mais voltado ao segmento do jornalismo, que deveria ser imparcial e não é, que ao cidadão e, ao mesmo tempo, uma crítica à vontade de influir no resultado do processo da Petrobras, aproveitando a oportunidade para fabricar um golpe sobre a presidenta reeleita, o que é algo muito claro. Por isso se diz da imprensa partidarizada e da oposição, que sejam lacerdistas. O discurso da imprensa atrela Dilma ao escândalo, mas o inquérito policial, não. Isso não é só um cuidado que se deveria ter para com a imagem da presidenta e que foi acidentalmente deixado de lado, não. Todo o discurso tem o propósito de atingi-la em cheio e deixar bem claro o poder da mídia sobre a política. É claramente uma disputa pelo poder de decidir políticas que influenciam o caminho do dinheiro, para decidir para que cofre ele irá. O fato de a Petrobras passar por investigação da polícia federal e Ministério Público não me incomoda, nem me surpreende, espero mesmo que culpados sejam punidos e torço para que os preços dos combustíveis e outros derivados de petróleo caiam após o escândalo, o que, provavelmente, não acontecerá, sendo realista, dada a presença das sete irmãs no mercado brasileiro e participação de algumas delas na empresa pública. Enfim, há muito que cogitar ainda sobre os caminhos da lava jato, pois ela tem tido um papel fundamental sobre o preço das ações, o que tem levado pequenos investidores a vendê-las, aumentando a participação dos grandes cartéis do petróleo na Petrobras. A disputa está nos bastidores, o papel da mídia é levar ao público uma realidade estereotipada, com notícias e fatos selecionados, cuidadosamente produzidas para não atingir a oposição.

    Curtir

  15. Lopes, uma coisa é a voracidade da mídia, outra coisa são as malfeitorias dos governantes. Às vezes, os vorazes atacam as malfeitorias do governo, e silenciam ou falam pouco sobre os demais, como atualmente fazem os “jornais” de que fala o XS; às vezes, os vorazes estao do lado do governo, e silenciam ou procuram justificar, ou transferir para outrem, as malfeitorias do governo, como atualmente faz a midia chapa branca. Com o governo é que parece que nao tem “às vezes”. Ele é que, sempre, independentemente do partido, dá motivos aos vorazes. Cabe a nós refletirmos criticamente, e, admitirmos ou não, aquilo que até o próprio governo ja foi obrigado a admitir e efetivamente admitiu.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s