Um craque das letras visitando o Patropi

fidel_castro_garcia_marquez

Por Fernando Morais (via Palmério Dória, no Face)

Em setembro de 1978 Gabriel García Márquez decidiu passar uns dias em São Paulo, acompanhado de Mercedes, sua mulher. Não lembro se ele já conhecia o Brasil, mas era a primeira vez que ia a São Paulo.
Encarregado de ciceroneá-lo, levei o escritor (que ainda não havia recebido o prêmio Nobel, mas já era uma estrela internacional) para conhecer o Masp, acompanhei-o a uma reunião de estudantes do Centro Acadêmico XI de agosto e apresentei-o ao cardeal Paulo Evaristo Arns. Rodamos pela cidade, comemos sushi na Liberdade, lasanha no Giovanni Bruno e um inesquecível sarapatel na Freguesia do Ó. Tentei arrastá-lo a Sorocaba para a inauguração da praça “Alexandre Vannucchi Leme”, em homenagem ao estudante morto pelo Doi-Codi anos antes. García Márquez escapou da tarefa, mas datilografou e assinou uma mensagem que entreguei à família Vannucchi.
Uma semana depois Garcia Márquez partiu para Brasília, onde pedi a um amigo que me substituísse como cicerone. no dia seguinte, 28 de setembro, às cinco horas da madrugada, o telefone tocou na cabeceira da minha cama. Era ele, chamando de Brasília. Temi que o escritor pudesse ter sido vítima de alguma provocação política. A ditadura estertorava, mas ainda estava viva (meses depois a polícia federal prenderia em São Paulo o prêmio Nobel da Paz, Adolfo Perez Esquivel, sem nenhum motivo). Gabo me tranquilizou:
– Não é nada disso. estou te chamando para avisar que o papa morreu.
Não entendi o que ele dizia. Afinal, já fazia mais de um mês que morrera o papa Paulo VI, dando lugar ao sucessor, João Paulo II:
– Mas Gabo, essa notícia é velha. Já faz um mês que o papa morreu…
– Moreeu de novo, Fernando.
– Gabo, desculpe, mas só nos seus livros as pessoas morrem de novo.
– Se estou dizendo que morreu é porque morreu. ouvi agora, no rádio. O papa João Paulo II morreu de infarto esta madrugada.
Continuei sem entender nada:
– Mas por que você me chama às cinco da manhã para contar que o papa morreu?
– Fernando, temos que iniciar imediatamente uma mobilização internacional. Temos que eleger Fidel Castro papa. É agora ou nunca.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s