Pikachu na encruzilhada

Por Gerson Nogueira

O jogador não sabe se vai ou fica. O Paissandu não sabe se ele está aqui ou com a cabeça longe. Mazola Junior não sabe se pode ou não contar com ele. Há muita indefinição ainda e persiste o impasse em torno da situação de Pikachu. O futuro do melhor do Papão ainda é incerto e as negociações podem se arrastar pelas próximas semanas.

unnamed (73)Reuniões sucessivas aconteceram durante toda a semana, sem qualquer resolução prática. O fato novo, surgido ontem, é que o próprio Pikachu teria afirmado aos dirigentes do Paissandu que não tem interesse em ficar mais uma temporada em Belém. Pretende sair, respirar novos ares e disputar a Série A.

Suas pretensões são mais do que legítimas, mas surpreende a maneira como expõe os planos de mudança. Como profissional, não pode perder de vista a avaliação do torcedor, que não reage bem a esse tipo de declaração.

O Goiás, que acena com proposta de R$ 900 mil pelo empréstimo de um ano, é o destino mais provável, mas Palmeiras, Vasco e Atlético-PR continuam no páreo. O empresário e os representantes do jogador já buscam obter dinheiro para negociar com o clube, que aceita liberá-lo até por R$ 3 milhões.

O posicionamento da diretoria do Paissandu é compreensível, na medida em que procura auferir alguma coisa com a transferência de seu melhor jogador. O pagamento de R$ 700 mil pela liberação do jogador, feita ao antigo presidente, até hoje não beneficiou o clube.

Pai e procurador do atleta também estão certos em lutar por vantagens para Pikachu, que se valorizou muito nas últimas temporadas, mas corre o risco de ter a ascensão profissional travada por conflito entre as partes envolvidas. Jovem ainda e atravessando excelente fase técnica, precisa aproveitar o momento para fazer um bom acordo financeiro.

A cobiça por seu futebol, manifestada por vários clubes da Primeira Divisão, indica que é chegada a hora de partir. É aconselhável, porém, evitar abrir feridas. O melhor mesmo é partir em clima de paz, deixando portas abertas. Afinal, nunca se sabe o que o futuro nos reserva.

———————————————————– 

Novo capítulo da novela Lusa-CBF

Sobre o imbróglio Portuguesa-STJD-CBF, que ganhou novo capítulo na tarde de ontem, fico com o parecer do advogado tapajônico André Cavalcante, para quem a liminar concedida à Lusa dificilmente será cassada – por falta de tempo para esgotamento da ação nas vias judiciais –, preservando-se então a classificação original do Brasileiro da Série A 2013. Com isso, o Fluminense, que havia sido beneficiado com a punição aplicada à Portuguesa pelo STJD, volta à condição anterior e cai para a Série B em 2014.

Segundo André, o STJD tem status de tribunal administrativo e suas decisões podem ser revistas pela Justiça comum. É o presente caso. Com isso, deve prevalecer a decisão da justiça paulista, que recolocou a Lusa na Série A baseando-se no fato de que a Lei manda publicar decisões do tribunal no site da CBF para ter eficácia, o que não ocorreu no caso da suspensão do jogador Héverton.

Com isso, segundo ele, a hipótese de uma mega virada de mesa, como se especula, fica cada vez mais distante, pois a liminar apenas reordena a classificação. Como o Estatuto do Torcedor proíbe modificação na forma de disputa das competições, é certo que não haverá aumento de participantes na Série A deste ano, como também serão mantidos acesso e rebaixamento.

A conferir.

———————————————————-

Direto do blog

“Atualmente, desejo que ambos, Remo e Paissandu, ou melhor, seus dirigentes, cometam menos absurdos possíveis e possibilitem a nós, paraenses e torcedores desses clubes, um futuro de glória ao nosso futebol. O fato de a molecada do Remo estar se sobressaindo nos campeonatos, deveria ser somente um fato, mas sabendo das condições a que estão sujeitos temos mesmo que celebrar. O time que não investe na base tende a ter problemas. Isso ocorre no país todo. Espero que esses moleques tenham sorte e resgatem o futebol paraense. O mesmo desejo ao nosso eterno rival. Espero um dia ainda ir ao Mangueirão assistir um Re-Pa de Série A!”.

De Marcos Paulo, expressando todo o seu paraensismo. 

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO deste sábado, 11)

19 comentários em “Pikachu na encruzilhada

  1. Sinceramente, Gerson e amigos, mas o que Vandick está fazendo com esse empresário, que comprou o Yago, não é uma coisa correta… É como se você, a quando de um aperreio financeiro(como aconteceu com o LOP), consultasse quem de direito(no caso do Yago, o CONDEL aprovou a venda por esse valor) e me vende um determinado jogador por 700 mil e eu, confiando em você, pago(até porque o PSC teria que pagar a folha no dia) e depois você chega comigo e diz: “Tens alguma coisa assinada que comprove que eu te vendi?” .. Amigos, estamos falando de HOMENS… só não me venham com aquela frase, que a meu ver, foi criada por um dos maiores caloteiros existentes na terra: “Palavras o vento leva”… Te dizer..

    Yago não pertence mais ao Paysandu… Isso, é calote, Vandick..

    – Claro, que eu e os torcedores do Papão, queremos sempre ver o Yago jogando pelo Papão.. Temos que pensar sempre, no bem do clube, mas não podemos nos aliar a coisas erradas, para que ele permaneça no Papão… Ah, isso não.

    É a minha opinião.

    Curtir

  2. Nesse caso da Lusa, vou colocar um pé atrás, até porque a opinião é de um dos mais consagrados causídicos do Pará, o Dr. André Cavalcanti. Agora, como cada um interpreta de um jeito…Vou preferir aguardar..
    Vejam o caso Naviraiense. venceu em todas as instâncias e perdeu no Supremo… interpretações diferentes…

    Vou ficar 90% com o Dr. André e vou colocar um pé atrás e dar 10% às manobras…

    É minha opinião.

    Curtir

  3. Sinceramente eu não iria tocar no assunto, porém ao abrir o blog, deparei com uma informação do bicolor Silas Negrão, que fez uma colocação de que o bom zagueiro Paulo Lumumba , fez definhar o estoque de gols do gigante Alcino. Meu caro Silas Negrão, Lumumba chegou ao Paysandu quase no final do campeonato paraense de 1972, junto com o lateral direito Mura. No seu jogo de estreia em um clássico, ele perdeu para o Remo por 2 x 1, em 13 de junho de 1972, com a vitória o Remo ganhou o direito de decidir com a Tuna o segundo turno do campeonato e ao perdeu o jogo e por conseguinte a chance de se tornar campeão. Veio o terceiro turno e o famoso jogo Remo x Paysandú, quando o seu time venceu e conquistou o terceiro turno, com o goleiro Celso e as traves fazendo a diferença. O jogo terminou 1 x 0 para o listrado com um golaço do Alfredinho.e nada mais nada menos, de que 05 bolas se chocaram contra as traves bicolores e não 07 como fantasiaram alguns jornalistas e torcedores ao longo dos anos. Veio o super campeonato com Remo,Tuna e Paysandú se enfrentando para se conhecer o campeão, O Remo perdeu para a Tuna por 3 x 2, o bicolor venceu a Tuna por 1 x 0 e decidiu o campeonato contra o Remo em um jogo que terminou empatado em 1 x 1, resultado que deu o título de campeão paraense ao Paysandú. Entenda portanto, que Paulo Lumumba, enfrentou o Remo somente em três oportunidades, perdeu o primeiro jogo por 2 x 1 em 13/06/1972, venceu outro por 1 x 0 em 13/081972 no famoso jogo das 05 bolas na trave, e empatou em na decisão no dia 03/09/1972 no famoso jogo que desligaram os refletores, tiraram as redes e muitas outras confusões 1 x 1 foi o resultado final, e o Paysandú tornou-se campeão paraense de 1972. Em seguida, 09/09/1972 o Remo começa a disputar o brasileiro jogando em Salvador contra o Vitória empatando em 0 x 0, e o Paysandú sem calendário, começa a realizar jogos pelo interior paraense. No ano seguinte 1973, o Remo começa a sua trajetória que lhe levaria a conquistar o tri campeonato invicto 73/74/75 com um total de 49 partidas sem conhecer a derrota, marco histórico durante todos esses anos de disputa, Alcino torna-se artilheiro do campeonato em 1973 com 07 gols, em 1974 com 12 gols e em 1975 novamente ele se torna artilheiro com 21 gols no melhor momento da sua carreira no Remo. E em 1973 para o seu conhecimento Lumumba não estava mais no Paysandú, portanto meu caro Silas Negrão, o grande Paulo Lumumba, não teve nem tempo, nem partidas suficientes contra o Remo, para travar com o negão esse duelo, que secaria para sempre o estoque de gols do negão.

    Curtir

  4. Yago pertence ao Paissandu Cláudio, em virtude do jogador não ter mais passe preso, ou seja, o que o prende ao PSC é o contrato até 2015, com multa, por quebra de contato, estipulada em 4 milhões.

    Sobre a virada de mesa ainda acho que ocorrerá. Como? A CBF vai abrir mão de organizar o Campeonato, ja que ferirá o estatuto se organizar, assumindo a responsabilidade uma liga de clubes. Se isto ocorrer, não haverá ilegalidade.

    Curtir

  5. A inabilidade da diretoria em gerenciar conflitos é imensa e a inépcia visível; também escancara a má vontade de valorizar os regionais, se fosse um atleta DIFORA, já teriam oferecido até o que não podem pagar, exemplos recentes estão aí os Jaltons, d’agostinis, eduardos, diegos barbosas e nicácios futebol clube.
    O Goiás, segundo divulgado, oferece salários de R$ 40.000,00 e claro uma vitrine maior, a série A, a contraproposta do Vandick fopi aumento de 50% no atual salário, penso que tal reajuste não igualará o salário do atleta, ao proposto pelo Goiás.
    O Vandick está tentando economizar palitos, só pode.
    A relação custo X benefício, não está sendo considerada, isso é inépcia.

    Curtir

  6. Quanto ao Picaxu a situação é delicada. Acho que o rival está certo. Não pode liberar seu melhor jogador por uma ninharia. Mas, não pode descartar o fato de que o jogador está insatisfeito e deliberadamente ou não pode não render tudo o que o seu potencial permite que ele renda. E aí não terá nem a ninharia e nem a plenitude do jogador. Ao que parece, a saída será dar ao jogador o que ele receberia no clube goiano.

    Curtir

  7. O Yago Pikachu não quer mais jogar no papão e quando um jogador se mostra irredutível não tem jeito a não ser negocia-lo.

    Curtir

  8. Isso é o mais plausível Antonio Oliveira, só a diretoria do Grande Bicolor Amazônico não percebe.

    Curtir

  9. A questão do pikachu é simples: cobre a proposta do Goias, se é 40 mil, oferece 42 mil, e aumenta a multa rescisória, o jogador vale o custo. Seria um grande agrado a torcida. Alem do mais o paysandu pagava esse valor a jogadores que renderam bem menos que o pikachu em 2013, mas que eram “difora”. Mas, precisamos considerar o fato de ainda assim o jogador querer sair pra uma vitrine maior, nesse caso prevalece a vontade do jogador, n adianta ele ficar insatisfeito, e atrasar a carreira do mesmo que sempre honrou a camisa. Nesse caso empresta o jogador por um ano e fixa um valor alto do passe se o Goias quiser comprar ao fim do contrato de empréstimo, um valor que permita uma grande margem de negociaçao ao bicolor.
    A questao da portuguesa nos tribunais é óbvio que ainda terão muitas batalhas, mas acredito que ao fim prevalecerá a decisão da justiça comum que no fim fará justiça a queda do fluminense dentro de campo.

    Curtir

  10. Jogador quando está insatisfeito sempre dá um jeito de sair de graça, Pikatchu ainda vai sair de graça da curuzu. Anotem

    Curtir

  11. rocildo oliveira, não importa o quantum, enquanto o Lumumba jogou,. o negão não se deu bem, ponto final.

    Curtir

  12. Alcino saiu do Remo por conselho do Paulo Amaral que sabia como o negão se preparava pra jogar. Tanto que depois que saiu nunca foi o mesmo.

    Curtir

  13. Uma coisa intriga bastante foi o fato do tal investidor ter deixado o Pikachu no Paysandú em 2013 sem receber nada em troca, ainda não entendi o que ocorreu. Eu se tivesse investido todo este montante certamente já o teria cobrado juridicamente o valor ou o atleta para negociá-lo com outra agremiação.
    No atual momento o atleta se manifesta já sem vontade de continuar no Papão, mal sinal pois pode vir, como consequência, uma queda de produção deste, o que seria pior para ele mesmo.
    Também acho a proposta de 900 mil muito baixa pelo atleta que é novo e pode deslanchar em boas mãos.

    Curtir

  14. Os torcedores do rival listrado da torcida de curuzu podem não gostar. Mas há de se tirar o chapéu para as informações históricas prestadas por Rocildo Oliveira.

    De fato, citando detalhes, Rocildo demonstra com propriedade que o zagueiro Paulo Lumumba, que, salvo engano meu, chegou quase ao mesmo tempo que Pedro Pradera, foi mais um que não páreo para o Gigante Alcino, o Negão Motora, maior (em valor, e até mesmo mais que Dadinho, que tem dois gols a mais pelo Remo que o Negão) centroavante que o futebol paraense já teve.

    Quanto ao valor de Picachú, ele tem de vez uma grande oportunidade para convencer se realmente é toda essa bola que dizem, porquanto finalmente terá um adversário forte, o seu arquirrival azulino de Antônio Baena.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s