O brilhante bicampeonato de Nelson Piquet

piquet83-544x340

Por Fred Sabino

Na última terça-feira completaram-se trinta anos de uma das mais importantes conquistas do automobilismo brasileiro. No dia 15 de outubro de 1983, Nelson Piquet faturava o bicampeonato mundial de Fórmula 1 com a terceira posição no Grande Prêmio da África do Sul, no saudoso circuito de Kyalami.

Lembrar da conquista nunca é demais, ainda mais em um país em que os feitos dos nossos ídolos costumam ser esquecidos. Ainda mais um campeonato tão brigado, com voltas e reviravoltas. Vale os mais jovens entenderem o que se passou há três décadas.

Foi uma conquista memorável sob vários aspectos. Primeiro, pelos adversários: Alain Prost e seu consistente Renault, e René Arnoux e Patrick Tambay (este alijado da briga na penúltima prova) e suas poderosas Ferraris. Segundo, pela incrível reação de Piquet nas provas finais. E terceiro, pelas inúmeras variáveis daquele campeonato.

1983-PiquetVale lembrar que, a exemplo do que acontecerá em 2014, a Fórmula 1 passou por uma grande transformação no regulamento. Os carros-asa e suas minissaias foram proibidos e os projetistas tiveram de se desdobrar para construir bólidos com fundos planos, de acordo com as novas regras.

Em uma época onde a tecnologia era bem inferior à de hoje, a mudança teve um impacto absurdo e isso atrapalhou as equipes, que já estavam em andamento nos projetos para 1983 quando a Federação Internacional de Automobilismo anunciou as alterações.

Uma das equipes mais afetadas foi justamente a Brabham de Nelson Piquet. O brilhante projetista Gordon Murray precisou refazer o projeto às pressas. E o resultado foi o lindíssimo modelo Bt52, com o fortíssimo motor BMW, que em condições de classificação ultrapassava com facilidade os 1000 cavalos.

Na primeira corrida, no absurdamente desativado autódromo de Jacarepaguá, as equipes ainda estavam acertando os novos carros (a Renault ainda nem tinha lançado o seu) e Keke Rosberg surpreendeu ao cravar a pole com a Williams de motor aspirado. Mas na corrida, Piquet deu show e venceu com facilidade (foto ao lado).

A segunda prova, disputada nas ruas de Long Beach, mascarou o potencial dos carros e ainda permitiu aos aspirados brilharem. John Watson, largando de 22º aproveitou o melhor desempenho dos pneus Michelin e levou o McLaren-Ford à vitória, com o companheiro Niki Lauda em segundo. O austríaco naquele momento era o líder da tabela.

Mas logo a força dos turbos prevaleceria. Na terceira corrida, na França, Prost e a Renault conseguiriam a primeira vitória, com extrema facilidade. Piquet, constante, terminou em segundo, ciente de que os franceses tinham o melhor carro naquele instante, e reassumiu a ponta na tabela.

As provas seguintes veriam uma Ferrari dominante com René Arnoux e Patrick Tambay e uma Renault ainda forte com Prost. Enquanto isso, Piquet ia catando pontos, à espera de melhorias no modelo BT52. Também venceram corridas Keke Rosberg (Williams) e Michele Alboreto (Tyrrell) em circuitos de rua, nos quais o motor Ford ainda tinha chances.

Nelson-Piquet-Foto-Divulgacao_LANIMA20120817_0032_1

No GP da Holanda aconteceu o lance que mais tarde seria considerado decisivo para o campeonato. Com evoluções no Brabham, Piquet fez a pole e liderava com Prost nos calcanhares. Numa enorme bobagem, o francês tentou uma ultrapassagem suicida sobre Nelson e acabou batendo no brasileiro, que ficou fora (foto abaixo). Pior, o Renault ficou danificado na asa e Prost não percebeu, o que rendeu um acidente que também o tirou da prova.

Caso tivesse feito a ultrapassagem sobre Piquet ou percebesse o problema para ir aos boxes trocar a asa danificada, Prost quase que certamente marcaria os pontos necessários para ser campeão no frigir dos ovos.

Mas Prost bobeou e a melhora da Brabham foi suficiente para dar a Piquet duas vitórias consecutivas, em Monza e Brands Hatch. O brasileiro então chegou a 55 pontos contra 57 de Prost, enquanto Arnoux ainda tinha chances remotas com 49 pontos.

Com a Brabham forte, Piquet e Murray optaram por uma estratégia diabólica na última corrida do ano, na África do Sul. Cientes de que os rivais previam uma corrida tática por parte do brasileiro, os dois decidiram que Nelson largaria com pouquíssima gasolina para abrir muita vantagem no começo da prova e tentar voltar do pit stop na frente.

Dito e feito. Enquanto o companheiro Riccardo Patrese virava tempos bem mais lentos e segurava o pelotão atrás dele, Piquet disparou na frente e manteve a ponta na saída dos boxes. Prost e Arnoux forçaram o ritmo com os carros mais pesados e abandonaram com problemas.

Piquet ainda permitiu a ultrapassagem de Patrese e de Niki Lauda, e se posicionou em terceiro, resultado que lhe daria o campeonato já que Prost estava fora. Lauda depois parou e Piquet cedeu passagem a Andrea de Cesaris (Alfa Romeo). O terceiro lugar, de fato, garantiu o bicampeonato (foto abaixo).

E também garantiu o cumprimento de uma profecia, já que, mesmo quando estava atrás na tabela, o próprio Piquet previu o título quando Murray fez as mudanças no carro da Brabham. Arrogância? Não! Apenas confiança na própria capacidade e na inteligência na leitura de uma corrida e de um campeonato.

Um feito para poucos.

(Fotos: Getty Images e BMW)

61 comentários em “O brilhante bicampeonato de Nelson Piquet

  1. Piquet sempre foi meu ídolo na F1, amigo Valentim. Perdi interesse pelas corridas depois que ele se aposentou.

    Curtir

  2. Cara, eu tinha seis anos, a idade da minha filha hoje. Foi a primeira corrida de F1 que prestei atenção e tenho vaga memória. Pessoal de casa discutindo: “Turbo é melhor!” “Porra nenhuma, melhor é aspirado”. Piloto tinha que ter braço mesmo. Depois disso nunca mais deixei de torcer por Nelson Piquet. O Senna era bom, empolgava quando tava na Toleman e na Lotus, no início. Mas a TV enchia o saco com esse lance de herói brasileiro e então eu torcia mais pelo Piquet.

    A Formula 1 ficou mais sem graça com a tal suspensão ativa e com a aposentadoria do Piquet.

    Curtir

  3. Eu nasci nesse ano… em dezembro, já campeão!!!rsrsr
    Por isso, mesmo só tenho lembranças do Piquet na Williams (muito vagas, lembro mais do FW em miniatura…hehe), e dele na Lotus e Benetton (aqui já mais claras e entendendo o que eram as corridas). Mas, já li horrores em vários livros e revistas das diabruras que ele aprontou pelas pistas do mundo.
    Meu velho, por sua vez, é um fã do azedo (rs) e testemunhei ele vibrar ao ver Piquet e Moreno cruzarem vitoriosos com dobradinha no Japão em 90, bem como na vitória derradeira no Canadá em 91. Quando o Mansell….kkkk Esse Leão… só fazia m…rsrsr
    Aliás, meu pai sempre achou Piquet melhor que Senna… Mas, esse é outro assunto, muito mais polêmico.
    No meu panteão dos maiores, ambos estão muito bem obrigado!

    Curtir

  4. Puts, relato genial sobre um gênio do automobilismo mundial (para mim melhor que Senna). Como você, Gerson, Piquet sempre foi o meu preferido. Era o cara que, como diz Zagalo, a Globo tinha que engolir.

    Curtir

  5. ESCALAÇÕES:

    PAYSANDU: Matheus, Yago, Fábio Sanches, Raul e Pablo. Vanderson, Zé Antônio, Diego Barbosa e Eduardo Ramos. Careca e Marcelo Nicácio

    Técnico: Vagner Benazzi

    Banco: Marcelo, Max, Dirceu, Leonardo, Artur, Alex Gaibu, Jailton, Cássio, Aleilson e Dennis e Héliton

    ABC/RN: Wilson Júnior, Bileu, Rogélio, Lino e Wesley Bigú. Serginho, Daniel Paulista, Erick Flores e Júnior Timbó. Gilmar e Rodrigo Silva

    Técnico: Roberto Fernandes

    Banco: Rafael, Toty, Thiaguinho, Rodolfo Testoni, Gilson, Leandro Santos, Alvinho, Schwenck e Maurinho.

    Árbitro: Felipe Gomes da Silva – RJ

    Aux. 1 – Marcelo Bertanha Barison – RS
    Aux. 2 – Clóvis Amaral da Silva – PE

    Curtir

  6. Yago sempre ele. Lembre-se da minha previsão. Yago será o melhor lateral do Nrasil dentro de dois ano se mantiver essa vontade de melhorar.

    Curtir

  7. Gerson e demais, vejam só, que PAI D’ÉGUA, esse pequeno trecho de um programa que rememorou essa última corrida e, segundo
    ouve-se aí, foi Piquet e seu engenheiro quem inventaram, naquele
    ano, a parada no box !

    Curtir

  8. Foi o tempo em que 70% era o puro talento do piloto, e só 30% era a maquina. Os verdadeiros pilotos mostravam seu talento de verdade, tinha que ser bom para entrar na F1. Hoje, se tirar a tecnologia dos carros só restam os 30% de talento do piloto, ai os caras ficam perdidos, sem saber o que fazer com o carro. Valeu Piquet! Cabra bom.

    Curtir

  9. Meio que estragaram o post sobre o Piquet…. pensei que o povo tinha surtado pela F-1 ou que o Senna tinha ressuscitado ao ver 58 postagens!!!!! rsrsrsrsr

    Piquet era exímio acertador de Carros, da metade de 90 pra hoje a F-1 virou jogo de vídeo game, o título é 80% conquistado pelo carro e engenheiros. No tempo dele era no Braço!!! levou o tri indo contra tudo e contra todos, principalmente a Willians cujo acidente do Frank atrapalhou o acerto do Piquet ser o número 1, ralou contra o “Idiota veloz” mas no fim venceu, e não foi só por causa da tal da “porca”. Hoje deixei a F-1 de lado, não por causa de Brasileiros mais por ver que os gênios de verdade nesse “esporte” são os engenheiros.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s