15 comentários em “A batalha do Barbalhão (by Mário Quadros)

  1. Sinceramente gostei do esforço e da atuação do jovem Djalma, mas prefiro o gaibú de titular, como o Lecheva é o tecnico e escala, merece se respeitado nessa questão.

    Já o Iarley não pode ser banco. Neste caso penso que o Lecheva falha. Deveria barrar o Neto ou Rafael.

    O Iarley entro faltando 12 minutos, fez duas jogadas, em uma delas foi o lance do penal depois de servir o companheiro com um toque de calcanhar.

  2. O LANCE DO PENALTY, NÃO HÁ O QUE DISCUTIR, o zagueiro vem por trás e derruba o Pickachú, penalty e pronto! esse negócio de ficar dizendo que o zagueiro tocou na bola primeiro é conversa de perdedor pois a regra é clara, derrubou adversário dentro da grande área é, e sempre será penalty, enquanto não mudarem a atual regra.

  3. O Paysandu apresentou-se ,principalmente no primeiro tempo,impondo-se e comandando as ações da partida,além de criar e,ao mesmo tempo,desperdiçar inúmeras oportunidades que,ao final dos 90 minutos,poderiam ter dado maior tranquilidade à equipe.

    Enfim,um triunfo incontestavelmente merecido,porém,o Lecheva apenas errou ao querer fechar o time,pois poderia ter sido fatal ,em virtude da pressão imposta pelo time Santareno,mesmo que desordenada.

  4. Silas , como ex-árbitro profissional é o que eu postei em outro tópico.Atitude temerária colocando em risco a integridade física do jogador adversário, é assim que aprendemos no curso.Por trás então é passível de cartão.Eu teria dado o penal e o cartão.Foi bem o Dewson que é experiente e vem apitando muito bem há um bom tempo.É meio arrogante , mas é o estilo dele.

  5. Concordo com os testemunhos acima. Também achei pênalti, e muito pênalti. O zagueirão dá um tesoura e por trás no Yago. E enquanto chega voando no lateral bicolor a bola bate em sua perna esquerda, não o contrário. Imprudência que incorreu em risco da integridade física do adversário.

  6. Depois esses apitadores não gostam quando chamam eles de safados, meteram a mão no S. Francisco, até o técnico ele expulsou.

    1. Heleno, acredito que a não escalação do Iarley é mais uma forma do Lecheva querer demonstrar autonomia no comando da equipe, escalando quem ele quer e não quem a diretoria, a torcida e o resto do mundo acha que deva ser escalado.
      O mesmo está acontecendo com o Gaibu e não demora ele barra o Raul para colocar o Tiago Costa. Da mesma forma como ele só coloca o Billy em último caso.
      É bom que ele lembre que como treinador ele nunca foi campeão de nada, tendo apenas o acesso à B que na minha opinião foi por PURA SORTE. Já vi treinadores mais vitoriosos dançarem por força da teimosia.

Deixe uma resposta