O passado é uma parada…

554062_10151309967276172_668077021_n

O compositor Antonio Carlos Maranhão, o poeta João de Jesus Paes Loureiro e o maestro Waldemar Henrique abrilhantam o carro abre-alas do Império de Samba Quem São Eles, no carnaval de 1986, na avenida Doca de Souza Franco. O Quenzão trouxe o enredo “Pai D’égua” e fez um desfile inspirado diante de arquibancadas e camarotes superlotados. Belém ainda tinha um dos carnavais mais bonitos do Brasil. Bons tempos. (Foto do arquivo do amigo Tito Barata, via Facebook) 

17 comentários em “O passado é uma parada…

  1. A boatos, não sei né? Mas falaram que o Berg tava no começo da avenida na hora do desfile da Imperatriz e não deixou a ala do papaum passar! kkkkkkk

  2. isso sim era carnaval , organizado e belo , agora é um desfile de pobresa sem tamanho , bem que o dinho meneses tentou iludir os torcedores do payssandu , dizendo que a imperatriz ia homenagear o mesmo , mas o payssandu foi sim homenageado, sabe aonde ? na PREDREIRA. rsrsrs

  3. Gerson e amigos, no desfile desse ano, o campeão foi o Arco Iris. Houve um problema, um atraso muito grande e Dominguinhos do Estácio, interprete do Rancho teve de deixar o desfile na Doca às pressas pois tinha de retornar ao RJ onde a noite desfilaria pela Imperatríz Leopoldinense. Por conta desse atraso, o pessoal do Rancho jogou toda a culpa em cima do pessoal da prefeitura. Nesse tempo, realmente Belém tinha um ótimo carnaval, com as principais escolas Arco Iris, Quem São Eles e Racho apresetando desfiles que não deixavam nada a dever às escolas do RJ

  4. Adriano, você deve ser daqueles torcedores que sonhavam ser bicolor, mas o pai não deixou. Você só posta comentários sobre o maior clube do Norte do Brasil, que coisa ! Ah ia esquecendo: POBREZA é com Z, e Paysandu, com y a grafia correta é com apenas um S. Estava jogando peteca no dia dessa aula, e faltou né ?

  5. “Estrelas semeadas no infinito,
    Cobrem pastores da noite,
    Olha o “Quem” vem tão bonito,
    Faz o samba anoitecido amanhecer”
    Belíssimo samba do ‘Quenzão’, que tinha o mestre Edyr Proença entre seus autores. Isto, sim, era carnaval.

  6. Li, na coluna do Edgar Augusto que o ex dirigente do Paysandu Luis Otávio foi eleito presidente do Quem São Eles. Esse carnaval que já foi apontado como o terceiro do Brasil tinha grandes dirigentes: Bosco, Luis Guilherme, Fiock, etc. que faziam a gente ficar orgulhosa com o nosso desfile. Dirigir uma escola de samba, que é uma sociedade civil de natureza cultural, exige um bom conhecimento, assessoria de marketing, para buscar os recursos orçados para o carnaval do ano seguinte. No Rio tivemos verbas dos governos estaduais do Pará, Mato Grosso, Rio de Janeiro, Coreanos residente no Brasil. Criadores do cavalo manga larga marchador, etc. etc, no carnaval de 2013 e sempre eles sabem onde buscar esses recursos para o ano seguinte.Acredito que o Luis Otávio haverá de inspirar outros empresários a voltarem ao carnaval porque o Pará, com sua fronteira internacional já foi e poderá a voltar a ser, o destino de turistas que gostam desse modelo de carnaval de rua que ainda fazemos por aqui.

  7. Enquanto o Jatene preferir torrar o osso dinheiro na escola de samba do bicheiro Carlinhos Drumond, nao teremos o carnaval dessa época de volta. Interessante que a Liberal asta um programa todo do seu jornal para fazer propaganda do carnaval carioca e não tem coragem de fazer uma cobertura digna do carnaval paraense, principalmente o de Vigia que é um dos melhores do estado e este ano foi esquecido pelos meios de comunicacao.

  8. Gil .,

    o teu paí devevia ser professor e passava o dia inteiro te enssinando as coisas e pelo jeito , fez tú ficar um lunático por ortografia e detalhes , imagino que voce deve ser um procurador federal , escritor ou algo parecido , para prestar atenção em erros de ortografias em blog ou email não é ?

    sinceramente se eu fosse prestar atenção em erros de escrita aqui no blog , sinceramente encontraria varios mas seria um desrrespeito aos leitores eu criticalos , porque sei que isso escapa sem moderação , agora se eu toquei em seu ego sentimental clubistico é melhor tú aproveitar á época de carnaval e verti uma saia e desfilar no RANCHO que vai elogiar o teu clube.

    como dizia o seu madruga. ” não falei com a mula e sim com seus carrapatos “

  9. A tempos atrás o carnaval de Belém era e terceiro melhor do Brasil, hoje tems um carnaval falido, na verdade em Belém não existe mais os carnavais, temos que ir brinca nos interiores de estado, isso é uma vergonha para os administradores que deixam cada ano nossa cultura sumir.

  10. Ei Gil, poderia dormir sem essa. Tenho sérias dúvidas se o carnaval de Belém já foi o terceiro melhor do Brasil. Mas isso não importa. já foram belas épocas de Rei Momo local. Além de Rancho e Quem São eles, lembro do Xavantes, Vila Farah e outros. Mas, como já dito mais em cima, o governo gasta milhões para patrocinar uma escola no Rio, que por sinal, deixou muito a desejar. A cúpula no Teatro da paz foi uma verdadeira vergonha. A música paraense não é só tecnobrega. O Arraial do Pavulagem poderia estar lá, represntando o que de melhor temos na cultura local. Faltou incluir uma ala homenageando Remo e Paisandu, as torcidas mais apaixonadaas do Brasil. Enfim, ficou devendo, e muito.
    Grande abraço a todos.

    Jorge Alves.

  11. se possível gostaria de rever fotos de carnavais da década de 80, quando tínhamos um dos melhores carnaval do pais, procurei na net, mas não consigo nada do rancho ou arco ires ou quem são eles,a não ser esta raridade sua aqui postada, se puder me dar uma dica onde achar fotos da época, quando a Doca era o
    nosso grande palco e cenário de batalhas entre Rancho e Arco ires, ficaria muito grato. Abs Alexandre, aqui do Rio de Janeiro. alexandrewfa@uol.com.br

  12. se possível gostaria de rever fotos de carnavais da década de 80, quando tínhamos um dos melhores carnaval do pais, procurei na net, mas não consigo nada do rancho ou arco ires ou quem são eles,a não ser esta raridade sua aqui postada, se puder me dar uma dica onde achar fotos da época, quando a Doca era o
    nosso grande palco e cenário de batalhas entre Rancho e Arco ires, ficaria muito grato. Abs Alexandre, aqui do Rio de Janeiro. alexandrewfa@uol.com.br

Deixe uma resposta