Chifre em cabeça de cavalo

Por Gerson Nogueira
bol_ter_120213_11.psO técnico Lecheva tem sido patrulhado incessantemente por setores da torcida do Paissandu desde o começo da temporada. Apesar de ter sido o condutor da campanha do acesso à Série B, seus passos são acompanhados de perto, com aquela desconfiança que costuma cercar o trabalho de profissionais caseiros. Depois de enfrentar um princípio de fritura depois da derrota no Re-Pa, passa a sofrer questionamentos sobre suas decisões, por mais acertadas que sejam. Sua opção preferencial pela manutenção de Djalma como titular é alvo de debates acalorados, como se fosse o tema mais importante da vida do Paissandu – e não é.
Djalma agarrou com unhas e dentes a oportunidade que lhe sorriu no segundo tempo da partida contra o Cametá, quando substituiu a Alex Gaibu e acabou marcando o gol da vitória alviceleste. Seu comportamento em campo mostrou amadurecimento e determinação. Além do apoio ao ataque, atuou muito bem na armação de jogadas, entrosando-se com Eduardo Ramos. No jogo seguinte, contra a Tuna, foi mantido e voltou a fazer uma exibição primorosa, apesar dos altos e baixos do time naquela tarde.
Diante disso, não restou outro caminho a Lecheva a não ser prestigiar seu jovem meia-armador. Contra o Santa Cruz, na última quinta-feira, Djalma teve atuação impecável e ainda marcou um dos gols da vitória do Paissandu. Pessoas que acompanham os treinos observam que a boa forma do meia já se evidenciava mesmo entre os reservas. Tal condição não passou despercebida à observação do técnico.
Ironicamente, Lecheva passou a ser cobrado por parte da torcida, que prefere a volta do antigo titular. Alega-se, em defesa dessa tese, que Gaibu foi peça de fundamental importância na Série C. É verdade. O futebol, porém, vive do presente. De mais a mais, o papel do treinador é escolher os melhores para montar um time. Quando sua aposta se revela acertada, os questionamentos perdem sentido.
Há muito tempo que a ideia de que existem donos de posição caiu em desuso. Ocupam funções na equipe os jogadores que estejam em pleno exercício de suas habilidades e recursos técnicos. É o caso de Djalma, que, além disso, é um atleta revelado pelo Paissandu e que pertence ao clube. Nosso futebol costuma ser ingrato com suas próprias revelações e é sempre alvissareiro que um treinador valorize talentos nativos.
O que seria de Pikachu se não tivesse merecido chance entre os titulares, pelas mãos de Nad e do próprio Lecheva? Djalma ajusta-se perfeitamente nessa filosofia. O técnico está certo em utilizá-lo e merece aplausos pela iniciativa. Caso o jogador deixe de responder às exigências do time, deve abrir espaço para o antigo titular. Por enquanto, porém, faz por merecer a titularidade. Qualquer análise em outra direção é querer inventar chifre em cabeça de cavalo.
———————————————————-
Acreanos na geladeira
O trio de jogadores recrutados pelo Remo no futebol acreano – o meia Josy, o volante Tragodara e o atacante Eduardo – segue sem oportunidades no time de Flávio Araújo. Além de não terem sido indicados pelo comandante, pesa contra o trio o sistema adotado por Araújo, que privilegia força e velocidade, apostando alto na marcação. Fisicamente, Josy e Tragodara são jogadores franzinos, embora dotados de boa técnica, referendados por.
O meia ainda teve chance na estreia, diante do Santa Cruz, mas acabou penalizado pelo desentrosamento que o time apresentava. Quando a equipe foi ganhando confiança e acumulando vitórias, não teve mais oportunidades. O caso mais curioso é o de Tragodara, atleta que foi insistentemente buscado pelo Remo. Perdeu espaço até para quem chegou muito depois, como Gerônimo, que em dois jogos conquistou a titularidade. No Baenão, já há quem aposte na liberação do trio antes mesmo do fim do Parazão.
———————————————————-
 
Sobre as gratuidades
O leitor Edílson Araújo, a respeita da coluna “Os gargalos do clássico-rei” (edição de sábado), observa alguns pontos relacionados com a gratuidade para idosos nos estádios de Belém. Esclarece que esse tipo de benefício não contempla apenas pessoas idosas. Vale também para aposentados e portadores de necessidades especiais, em cumprimento à Lei Estadual nº 6.739, de 12 de abril de 2005, isentando essas três categorias do valor do valor do ingresso “em divertimentos públicos, nos cinemas, museus, galerias de arte, casas de espetáculos, ginásios poliesportivos e estádios de futebol pertencentes ao Estado do Pará, bem como suas fundações e às entidades de caráter privado”. Edílson considera inapropriado que a gratuidade nos estádios seja atribuída apenas a idosos, como escrito nos ingressos, assim como questiona o termo “cortesia” usado nos ingressos dos cinemas. 
———————————————————–
Vassourada em Cuiarana
Quando perdeu a decisão da Segundinha para o PFC Paragominas, o Santa Cruz dispensou oito jogadores, entre os quais o artilheiro Rafael Paty. Já no começo do Parazão a vítima foi o técnico Mário Henrique. Agora, por causa da derrota para o Paissandu, nova vassourada agita Cuiarana. Nove atletas foram dispensados, incluindo a dupla de ataque, Fábio Oliveira e Jailson. Como de hábito, o clube não dá explicações para mudança tão radical, mas a sinalização é de que o novo técnico, Sinomar Naves, teria condenado atuação e comportamento dos jogadores afastados.
Os métodos empregados pelo Santa Cruz repetem perigosamente antigas práticas da dupla Re-Pa, com sérias consequências na esfera da Justiça. O tempo vai mostrar se a natureza singular de gestão que o clube exercita é o caminho mais apropriado.
(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO, edição de terça-feira, 12)

27 comentários em “Chifre em cabeça de cavalo

  1. Te dizer….

    – O mais engraçado é que mesmo o Djalma arrebentado nos treinos, como dito, ele só foi entrar no lugar do Gaibú, quando este se machucou….Te contar…

    – Na pior das hipóteses, vamos analisar que o Djalma tenha melhorado, mesmo, mas aqui pra nós, não tem futebol para colocar o Gaibú no banco…

    – O caso do Yago, é de um em Mil, amigos.. É um jogador diferenciado e como tal, é capaz de jogar bem, até em times desorganizados taticamente, salvo quando, do outro lado, tem um técnico que enxerga o jogo e decide que ele não vai jogar e o anula..Simples…

    – No jogo contra o Cametá, o Djalma só fez o gol, com toda jogada do Eduardo Ramos e, contra a Tuna, só veio melhorar, não só ele mas como quase todos os jogadores, no 2º tempo, quando a Tuna apagou e só Deus sabe o quanto Gaibú fez falta nesse jogo (isso era dito a toda hora pelo narrador e pelo comentarista da Tv), até a marcação do Pênalti que resultou no 2º gol do Papão..
    – Outra coisa pra enganar o torcedor que o Lecheva fala, é que o João Neto está mal, mas funciona taticamente….Então tá…

    Como diz o final de uma estorinha… Acredite, quem quiser… Eu não..

    É a minha opinião.

  2. O Paraense Giovani, ex Seleção brasileira, que por aqui era dado como craque, pois se analisava o jogador com a bola nos pés, quando chegou no Santos, passou quase 3 meses se preparando para, só então, se tornar um bom jogador, não só com a bola nos pés, mas com fundamentos e saber jogar taticamente…

    – Esses jogadores, são bons jogadores, mas estão sendo preparados. Vale ressaltar, que o meia Josy, foi comprado pelo América-RN(Ele pertence a esse time), foi colocado ano passado no time profissional, jogou alguns jogos e a comissão técnica resolveu que ele precisaria rodar mais para ganhar experiência, até porque não tinha tempo para preparar esse jogador(imaginem.. O dono do jogador). Ele voltou ao Atlético-AC e agora veio ao Remo, para ser preparado, para voltar ao América, já pronto… Precisamos pensar nisso, também…Aliás, não só o Josy, mas os outros citados também, e que não vão ficar no Remo…

    Penso que o Flávio faz o correto em dar oportunidades, primeiro a quem vai ficar no clube e quem pertence ao clube, como o Biro, Endy, Diego Ratinho, Jhonatan,…e outros do sub 20… Isso é pensar, primeiramente no que seja melhor para o clube…

    É a minha opinião.

  3. Vale lembrar nesse episódio de Cuirana, que eu (tá gravado no blog) falava a toda hora que, com Mariozinho, o trabalho não seria bem feito…Mas ele vinha invícto(imaginem), entrou na segundinha, ganhando tudo, entrou na 1ª fase do Parazão, ganhando tudo… E eu sempre falando… Agora, não se fala mais em Mariozinho…. É assim que as coisas caminham…

    Bom, pelo menos hoje, já não se fala em Charles Guerreiro, Samuel, Sinomar e Valtinho nos 2 grandes. Agora temos que nos livrar somente do Lecheva… Não tá difícil não… Anotem.

  4. Repetir os métodos praticados por direções de Remo e PSC não me surpreende. Acaso a direção do SC é profissional, devidamente remunerada ou as decisões são impostas “goela a baixo” por seu capo?

  5. Claudio, erros e acertos na profissao de treinador sao comuns…no domingo pós RE X PA, o que eu mais ouvi, li e vi, foi torcedor dizendo q ele tinha errado na mexida quando da troca do cabeça de area, por um atacante…muitos falaram q a derrota se deu por causa dessa mexida…ora, quando aconteceu a alteracao, o placar era 1×0 Remo, logo a alteracao foi acertada em minha opiniao…já o técnico do Clube do Remo, jogou com o Endy, varias vezes improvisado, e sempre saiu vencedor…teria ele sido competente em improvisar o jogador ou apenas contou com a polivalencia do jogador ??

  6. Se não tivesse o dedo do técnico, amigo Edmundo, ele não teria melhorado seu futebol. Vale dizer que o Endy foi jogador do Nad e do Lecheva no Paysandu, e foi dispensado…

    É verdade,O Paysandu estava perdendo o jogo, mas ele poderia ter dado todo esse poder de fogo ao time, sem se livrar da proteção da zaga. É bom lembrar que Leandro Cearense perdeu um gol, logo após essa mexida, que era 2 x 0 ali, e as coisas poderiam ficar complicadas mais ainda..Logo, na minha opinião, a mexida foi equivocada, no jogador que saiu..

    Isso não me espanta, pois não é a 1ª e nem será a última vez que ele mexerá mal… Anote

  7. Se não der para utilizar esses jogadores, o Remo deveria ao menos emprestá-los.
    Os acreanos são jovens. Tragodara, por exemplo, tem 20 anos. Acho que seria uma decisão acertada do Remo prolongar o contrato com os rapazes e emprestá-los ao Águia para a série C, por exemplo.
    Então eles seriam testados e ganhariam rodagem, sem necessariamente onerar o clube.
    É minha opinião.

    Estava vendo esse vídeo…

    http://www.youtube.com/watch?v=30mEhaRzyDY

    Será que o Josy joga menos que o Edilsinho ou o Diego Ratinho?

    1. Josy é bom jogador e mostrou qualidades até mesmo na estreia contra o Santa Cruz. Precisa de continuidade, como outros (Endy, por exemplo) tiveram.

  8. Amigo Thiago, esses jogadores não pertencem ao Remo e estão emprestados ao Remo, por seus clubes ou empresários… O Remo busca um campeonato brasileiro em 2013, pois não tem, é líder e tudo mais e alguns torcedores estão preocupados com esse ou aquele jogador que não vem sendo aproveitado… Te contar… Vamos pensar mais no clube e no bom trabalho feito pelo Flávio Araújo, até aqui… Penso que seja por aí…

  9. Só acho uma pena a existência de jogadores subutilizados no clube. Que treinam mais de mês e ainda não atuaram.
    Todos eles deveriam, além de passar pela avaliação do treinador, passar, também, pela avaliação da torcida.

    Eu ficaria muito triste em saber que teve jogador dispensado pelo Remo, por falta de oportunidades, despontando em outro clube.

    Ademais, dar chances ao trio também é bom para a equipe inteira, amigo Cláudio. Você já pensou como deve ficar a cabeça de um atleta que treina mais de mês, que “come a grama” nos treinamentos, e nem mesmo é relacionado ao banco?
    Pior…Como é que este mesmo jogador vai reagir ao ver seu colega, que chegou em menos de duas semanas, ser relacionado para o jogo e atuar? (Foi assim com Gerônimo e Ramón).
    Eleger privilegiados e segregar o restante são atitudes que causam desunião no grupo. Daí surgem os “rachas”, a insatisfação, o “corpo mole”…
    Agora se todos tem chances, quem estiver no time titular vai suar pra continuar lá, e quem estiver fora brigará para entrar. É a famosa “competição saudável”, válida em toda equipe que se preze.

    Outra: O Remo não deveria nem cogitar uma “vassourada” agora. Isso acabaria com o clima bom do clube. Creio que isso só seja válido frente a um revés muito grande (Como a perda do título) ou após o final da competição.

    É o que penso.

  10. Cláudio, você e muito engraçado amigo! Você criticou o Lecheva pelo mesmo ter escalado e efetivado o Djalma no time bicolor, somente após a “contusão” do Gaibu. Te pergunto, qual seria o melhor momento pro Lecheva ter colocado o Djalma no time?

    Outra coisa, você tá dizendo que o Flávio Araujo tá fazendo o certo em “barrar” a turma do Acre, para por no time azulino os jogadores da base, Endy, Biro, Jonathan e Diego Ratinho, mais em compensação, o Lecheva não pode dar chance ao Djalma no time bicolor por que o Gaibu e o melhor jogador do futebol paraense! Te dizer, não se pegue nas próprias palavras Cláudio, você tá cada vez mais se enrolando em suas justificativas em expressar as suas convicções.

  11. Toda vez que o Remo contrata um treinador de fora do estado, o Remo tem um “bom técnico”, mais quando o próprio Remo e Paysandu possuem em seus comandos gente da terra, os mesmos não possuem treinadores e sim treineiros? Te dizer!

  12. Thiago Corrêa, por este vídeo postado por você, vejo que o treinador azulino não entendo de “P. nenhuma” esse JOSI joga demais, mais ele prefere por em campo o tal do Gilsinho que não resolve nada, só vive se atirando dentro de campo, o famosos jogador nadador, bem ao estilo Neymar.

  13. Calma, amigo André…rsrs
    Eu entendo a opinião do Cláudio e vejo como saudável o confronto entre pensamentos diferentes.

    Mas eu, particularmente, gosto do futebol do Josy e o defendo por isso. Desde que anunciaram o retorno dele ao Atlético-AC, venho acompanhando sua trajetória. Sempre torci que o Remo o contratasse.

    Agora que ele está no clube, quero que todos percebam o potencial do menino. Se ele for trabalhado, o Remo contará com um Maestro – Que não tem desde os tempos de Gian.

    Por isso tenho tentado abrir os olhos da torcida azulina. Não tenho nada contra as oportunidades dadas ao Diego Ratinho (Que tem 26 anos e veio do futebol Amapaense), de Endy (Refugo do Paysandu) ou Edilsinho (Já veterano) oportunidades. Só questiono a falta de chances que o trio do acre tem amargado.

    Espero que isso mude.

  14. Sinceramente Édson, você também e de um negativismo tamanho! Não e a toa que você não gosta do futebol do Seedorf em seu Botafogo, é prefere o tal do Locco Abreu.
    Amigo, se o Lecheva tá deixando ambos (Gaibu e Iarley) e porque eles não devem está muito bem, ate por que meu amigo, os jogadores que vem jogando, vem dando conta do recado, o único que caiu um pouco de rendimento foi o João Neto e só mano. Você tem que ter mais calma camarada, quando acontecer uma contusão, ou uma suspensão na equipe, com certeza a dupla “desprezada” irá adentrar no time e não saíra mais da equipe, mais você tem que ter calma, senão daqui a pouco você vai ta pedindo o retorno do – Zé Augusto no time, ai vou te dizer! kkkkkkkkkkkkkkkk

  15. Perdão Cláudio, mas o Djalma é mais útil pro Papão do que o Gaibu, este perde a bola e vira có,arbitro; enquanto aquele aparece no ataque e defende com competência e o fôlego que o pernambucano não demonstra ter.
    Desde o primeiro jogo, quando Lecheva tirou o Djalma e botou o E. Ramos, achei um erro, tinha que teer tirado o Gaibu, já com um palmo de língua pra fora. Aos poucos, conforme vai adquirindo confiança e ritmo de jogo, Djalma vai mostrando ser o companheiro ideal do Ramos

  16. Concordo Jorge, enquanto o Djalma abre espaços e se oferece pra receber lançamentos, o Eduardo Ramos cadencia o jogo e distribui o jogo e faz lançamentos e da passes precisos, no meu entender um completa o outro. Não que o Gaibu tenha desaprendido, ou seja mal jogador, mais as atuais condições do Paysandu, não lhe permitem mais ser o escolhido pra ser titular nesta equipe.
    O Lecheva acertou na Mega-sena em por ele (Djalma) no time titular, ele ajuda na marcação pelo lado direito, auxiliando os avanços do Yago Picachu quando este se atira ao ataque sem que sua retaguarda fique descoberta, ainda conta com o auxilio do Capanema por aquele lado.

    – Amigos e aquela estória, se tenho em uma equipe dois bons jogadores, sendo um velho e um novo, e preferível manter no time o novo, pois o velho não conseguir render no mesmo nível do mais novo jamais.

  17. Coletivo do Remo acabou a pouco. Reservas venceram os Titulares por 2×0, galera.

    Gols de Branco (Cara de pombo) e Ramón (Golaço de falta).

    Só uns “pequenos” detalhes:

    – Galhardo e Ramón jogaram no time de baixo.

    – O meio campo titular foi composto por Endy e Diego Ratinho (Corram para as colinas…).

    – Endy não jogou nada, e Ratinho quase leva a perna do Galhardo com um carrinho. Te dizer…

    – Olha, o Eduardo (Um dos acreanos) arrebentou. Será que o Flávio vai deixar de teimosia e levar o cara para o banco, pelo menos?

    Agora deixa eu tomar uma ducha. Esse clima de Belém não tá fácil…

  18. Pelo video postado pelo Riago, parece que o Josy realamente joga bola, mas so com camisa alvi celeste, porque no primeiro jogo do Remo a camisa azul marinho pesou para ele. De qualquer forma eu daria outra chance ao rapaz porque o Edilsinho ainda nao jogou nada.

  19. Jorge Paz, quem fazia muito isso (perdia a bola e virava pro arbitro reclamando) era o Tiago Potiguar..rssr

  20. Não é que o Gaibu tenha desaprendido. Me parece que ele ainda não entendeu que, na posição em que joga, não pode querer só bola no pé. De resto, muito bem lembrado, André, a caída do Djalma pela direita ajuda em muito o desempenho do Pikachu.

Deixe uma resposta