Campanha pela paz e agressão em campo

REXPA Parazao 2013-Mario Quadros (16)

Antes do Re-Pa, os capitães Alex Gaibu e Carlinhos Rech (acima) posaram com a bandeirola distribuída pela Rádio Clube na campanha pela paz no futebol. Ironicamente, durante a partida, uma agressão do zagueiro Raul ao meia Tiago Galhardo (abaixo) foi o ponto destoante da festa no Mangueirão. Para piorar, a boa arbitragem de Dewson Freitas falhou ao não punir o agressor com a expulsão – Raul não levou nem cartão amarelo, apesar dos protestos dos demais jogadores e do técnico Flávio Araújo, do Remo, que avisou o quarto árbitro à beira do gramado.

REXPA Parazao 2013-Mario Quadros (7)

55 comentários em “Campanha pela paz e agressão em campo

  1. O juíz foi omisso na parte disciplinar em relação aos cartões para os dois lados.

    Esse lance do Raul com o Galhardo aconteceu depois do gol n° 2 do Remo, quando o mesmo quis enfeitar o pavão, aí o Raul de forma errada fez o que fez.

    Portanto os 3 erraram, juíz e os dois atletas. Num jogo nervoso as firulas não vistas como arte e sim com zombaria, como vemos aí na foto parece que o Galhardo é muito falastrão, esse gesto mostrando o placar do jogo para um reporter fotografico não é bom pra ele.

    Talvez seja bom ele bater um papo com o Adriano e o Diego Barros, aí ele saberá que o reorno disso é ingratidão.

  2. Amigo Edson, o Galhardo é um diblador nato, caso vc tenha assistido aos jogos anteriores do Leão deveria ter notado que o jogo dele é assim mesmo cheio de firulas.

    Concordo com vc que em um jogo nervoso como este RExPA estes tipos de lance não são vistos com bons olhos, mas oque vc quer que ele faça? Ele não pode mudar seu estilo de jogo só por causa disso.

    Dibles eu não vejo como provocação, provocação é xingar, menosprezar um simbolo de um time (Albertinho que o diga) ou colocar a bola nas costas como fez o Edilson um tempo atras em um jogo do Corintias e Palmeiras. Isso sim não pode.

    O que o jogador adversário deve fazer para evitar ficar constrangido é tentar tirar a bola dos pés do diblador de forma leal. Agora jogadores como o Raul que é um zagueiro limitadissimo sempre vão partir para a ignorancia nestes tipos de lance.

    A ultima foto talvez tenha sido uma provocação mesmo como vc falou, talvez até por culpa da agressão sofrida ou talvez não tenha sido nada demais, apenas estava comemorando a vitória.

    Na minha opinião errou o juiz e o Raul.

    1. É preciso entender de uma vez por todas que o drible (recurso essencialmente brasileiro no futebol) jamais pode ser encarado como desrespeito, Agenor. Existe, sim, a aceitação ou não da habilidade do adversário. Essa história de jogador que não aceita ser driblado é pura desculpa pra amedrontar atacantes. Ocorre muito com Neymar. Ora, o cara pode não gostar de levar um drible, é normal, mas reagir com agressão é insanidade. O assunto já foi discutido mil vezes e não há como entender isso com naturalidade.

  3. Discordo de você caro Édson, boa parte da graça do futebol está na brincadeira, na falação, na provocação. Não vejo como uma finta, uma demonstração de habilidade, pode ser negativa para o futebol, se o próprio torcedor vai a campo para ver isso. Algumas jogadas são tão bonitas que “valem o ingresso”. Particularmente no Brasil, onde o esporte é parte da cultura, o futebol não é visto como só mais um esporte, é uma paixão nacional. O futebol não é só jogado, é profundamente enraizado na cultura popular, é também uma linguagem. Sempre houve declarações polêmicas, de jogadores, dirigentes, torcida. Nem por isso o Sócrates é menos Sócrates ou o ZIco é menos Zico… O gesto de Galhardo, fazendo 2×1 com as mãos, e com algodão na boca, me parece mais a resposta dada em campo à violência praticada por zagueiros brucutus. A foto traz a sua mensagem, e ela não é de forma alguma provocativa, é um desabafo contra a violência em campo. Entendo que aquele que acha ruim levar um drible, um chapéu e sai de campo reclamando disso deveria ponderar se não está na hora de trocar de profissão. Não vivemos um tempo de intolerância (quem somos nós pra tolerar ou não tolerar certa mensagem, nosso estado protege a liberdade de expressão), o certo é que vivemos um tempo de incompreensão, um tempo em que as pessoas têm dificuldade de interpretar um texto tão simples quanto um bilhete. Não é a primeira vez que o Raul se mostra desequilibrado num RExPA e a torcida azulina pegou no pé do atleta porque ele fez besteira e agressão é sempre uma besteira, seja do lado azulino, seja do lado bicolor. Por favor, não proteja quem distoa da cultura de paz do esporte e defenda a ousadia do jogador habilidoso. O que seria da história do futebol brasileiro se não existisse um Garrincha, um Pelé ou aquela seleção de 82. A ousadia e a habilidade são as marcas registradas do futebol brasileiro e limitar isso é pedir que o futebol nacional desça ao nível do europeu.

  4. Achei a arbitragem um tanto perdida invertendo laterais e algumas faltas, inclusive até deixando de marcar algumas, o árbitro central não teve culpa o erro dele em não expulsar o jogador do Paysandú foi conseqüência da omissão do auxiliar que este sim de frente para o lance deveria ter acionado o árbitro para as devidas providências. Mas a arbitragem não influenciou em nada o resultado porém achei que ficou muito longe das boas apresentações feitas no brasileiro passado!

    1. Não mencionei o Dewson como culpado direto, apenas como chefe da equipe de arbitragem cabe a ele a responsabilidade final pela omissão, amigo Miguel.

  5. Fiquei sabendo que o pau comeu na entrada e saída do Estádio. Inclusive com Arrastão no Lider da Independencia.

    Enquanto houver torcidas organizadas haverá violência.

  6. Engraçado né Gerson, parece que não foi somente essa agressão que ocorreu na partida…Interessante é que você viu somente essa. Não esqueça que o nível da arbitragem foi baixo. Será que você observou, por exemplo, quantas vezes o lateral do esquerdo do Remo puxou a camisa do adversário? O erro ocorreu para os dois lados. Ninguém ficou satisfeito.

    1. A agressão citada certamente não foi a única, Sebastião. Não sejamos ingênuos. Puxar a camisa, aplicar tranco no adversário, dar trombada… tudo isso é lance de jogo, na bola. Estamos falando de soco na cara do companheiro de profissão. Essa agressão foi a mais explícita, daí não se entender a não punição. Não esqueçamos que a violência em campo tem correspondência direta com o comportamento da torcida.

  7. Pelo que leio, o proximo RE X PA é com arbitragem ”estrangeira”…o cara foi bem pra caramba, alguns lances sao tipicos de jogos disputados centimetros a centimetros e nos deparamos q ele errou ali, errou aqui…só falta eu ler que o clube vencedor fez mais goals (Grande Tavernard Neves) por causa do mediador…mais eu devia já estar acostumado: se a equipe vence o discurso é : ”vencemos apesar dele”…se perde, ”perdemos por causa dele”….vida q segue…faz parte…Obs: fora de campo foi bem pior …quem sabe nao é apenas a ”sensacao de insegurança”…

  8. A paixão é tão cega a ponto de ter aparecido aqui neste blogue comentarista para “justificar” a agressão do jogador do Águia ao Aldivan naquele jogo Águia e Remo no ano passado.
    Incrível!

  9. Exato amigo Gerson, além do mais como ja falei antes o Galhardo é um diblador nato e jamais deve mudar seu estilo de jogo por causa que o adverssário não vai gostar de “levar um dible”, concordo com tudo o que vc falou.

  10. Não gosto desse falso politicamente correto que virou moda, o Neymar sofre com as porradas que leva de brucutus que não jogam nada de bola, só dão chutões pra onde está virado seu nariz e sentem-se humilhados quando aquele os dribla mostrando todo seu talento e inspiração de gênio. Aqui no Pará são poucos que podem se dar ao luxo de praticar um futebol mais vistoso e alegre e quando aparece um jogador com essa característica já vêm o senhor Edson do Amaral dizer que os 03 erraram? Ora, faça-me o favor sr. Edson, Galhardo errou por driblar? Errou por mostrar seu futebol? Quero saber onde iremos parar com essa onda de falso politicamente correto. Coisa mais chata.

    1. Amigo Rogério e demais comentaristas, aproveito para alertar quanto a mensagens de alguns clones. São óbvias e fáceis de identificar, até pela forma grosseira. Fiquem atentos.

  11. Mesmo com a conivência do árbitro, ainda acredito fortemente na arbitragem paraense. Ou só tem direito a errar os de fora? Claro que não. A arbitragem paraense mais do que merece apoio e respeito.

  12. Sobre a habilidade de galhardo, discordo frontalmente de que ele tenha de alguma forma desrespeitado os jogadores ou a instituição Paysandu. Seu futebol contempla no repertório dribles e outros lances de habilidade. É um bom jogador sim! e fez o que sabe e o que é pago para fazer.

    Ao mostrar o placar do jogo com a boca cheia de algodão, fica claro que foi uma resposta ao gesto bestial de Raul que é um jogador tecnicamente limitado e que muito me surpreendeu (negativamente) sendo contatado pelos bicolores. Seu futebol não é digno da história do clube alvi-celeste.

  13. O problema é q esse Dewson é um babaca. Se conseguir entrar no quadro FIFA vai se achar mais importante que o espetáculo. Sendo aspirante ele ja se sente estrela, imagine se conseguir o escudeto. Certa vez em 2010, jogando o Campeonato Intermunicipal de Seleções por Marituba, o cara me deu cartão amarelo só porque entrei em campo com uma fita de Nossa Senhora de Nazaré amarrada ao pulso. E ainda disse q se eu não tirasse me daria o 2º amarelo. Se continuar com toda essa estrela não vai sair disso.

  14. Não é justificável agredir fisicamente qualquer pessoa por qualquer motivo a não ser para se defender, tudo bem errou o Raul, mas quando tava empate ele(o garganta/Galhardo) fez graça? E se tivesse perdendo faria graça? E na primeira já tinha tomado bronca dos companheiros de remo por tentar enfeitar então conclui-se sim que a intenção era provocar.

    No geral o Dewson foi bem só acho que inverteu muitas faltas e deixou de dar outras, invertia marcações e não entendi sinceramente com um gol que a comemoração durou quase 3 minutos, todas as substituições feitas e várias paralisações por cera ele deu só 3 de acréscimo e ainda terminou o jogo aos 47, sei não! Agora já acertou de cara o amarelo par ao goleiro acho que ele observou que em todo jogo é muita enceradeira só, caramba parece até o Wagner Xuxa, lembram da figura?

    RRamos

    1. Raimundo, penso que não se pode ser favorável a agressões de qualquer espécie, principalmente num jogo de futebol. Independentemente de cor de camisa, que quase sempre torna a discussão passionalizada, a questão é simples: conduta inadequada e agressiva deve ser punida com a exclusão do jogo. Simples. Se houve graça ou algo do tipo não se sabe, o fato é que alguém agrediu fisicamente alguém e isso está errado.

  15. Jogador limitado sempre reage com agressão a quem o dribla, apesar de achar o berg apenas um bom jogador marcou muito bem o pikachu sem agredi-lo, ao Raul fica um conselho, melhore fisicamente e treine os outros recursos do futebol, mas não agrida, ao galhardo, não pare com seus dribles pricipalmente porque eles são feitos sempre pra frente objetivando o gol ou o passe, é Gerson na terra do futebol de hoje, quem tenta ser Garrincha agora leva socos do João

  16. Thiago Galhardo grande jogador não precisa fazer isso como ficar mostrando o placar, pode ser que não tenha nada de mais, mas em caso de Re x pa tem que haver cuidado com tudo. O Remo tem que focar no principal objetivo, conseguir a vaga na série D e ficar entre os 4 nessa competição, o trabalho está sendo bem feito pelo Flávio Araújo, tá certo que ainda estamos no começo, falta entrosamento, falta a estreia de alguns jogadores que podem fazer a diferença, mas uma coisa temos que ficar satisfeitos, estamos bem servido de técnico que sabe mexer nas peças e sabe montar o time de acordo como a banda toca, não tínhamos o melhor meio de campo, então a melhor maneira foi deixar o adversário tocar a bola em “seu campo” e espera a hora certa para dar o bote certo, além disso o cara tem estrela de campeão e tem o controle do grupo e os pés nos chão, nada de empolgação, porque vencemos apenas uma partida, vamos comemorar mesmo quando o Remo garantir a vaga na série D e ficar entre os 4 primeiros na competição, EU ACREDITO..

  17. Não adianta a imprensa paraense tentar promover qualquer árbitro paraense para que alcance o escudeto da FIFA, são fracos de modo geral, e esse Dewson, que todos da mesma imprensa dizem ser o “melhor” mostrou-se muito fraco no RE X PA.

  18. Esse Re x Pa sem paraenses no Remo foi inflamado pela atual situação do bichano. Os jogadores desde a primeira partida incorporaram o compromisso de tirar o clube do ostracismo. Vão embalados pela galera e dão tudo q podem. A comemoração no final mostrou bem. Parecia Gre-Nal decisivo com 11 gauchos de cada lado. Até bonito isso. O comentário do amigo Anderson Leão vai ao encontro do que falo -” série D, EU ACREDITO.”
    Eu também acho que só um desastre tira o CR da D esse ano. Tudo conspira a favor e o técnico tá numa fase…Mas o Papão ainda vai melhorar muito. Esse campeonato tá muito bom.

    1. De pleno acordo, amigo Maurício. O jogo de sábado retratou bem esse bom momento dos dois times. O Paissandu, tecnicamente superior, foi vencido por um time mais determinado e disciplinado taticamente. Vem daí minha avaliação de que no Papão não pode haver precipitação em face do resultado do Re-Pa. O caminho trilhado é o mais correto, sem dúvida.

  19. Ps: os paraenses do CR não conheciam o clássico lá de dentro nem foram formados no clube. Os outros todos são forasteiros.

  20. Paysandu, tecnicamente superior?

    Neste ultimo RE X PA, o que nos foi apresentado, foi um Paysandu CISCA – CISCA. O que talvez tenha passado a idéia de falsa superioridade.

    Passados os primeiros 15 minutos do 1º tempo de jogo, tive a certeza de o Clube do Remo seria o vencedor do fronte.
    No inicio do 2º tempo, o bicola voltou no embalo do CISCA – CISCA, com a certeza da vitoria azulina, comecei a observar a arquibancada bicolor e vi uma torcida mentalmente inquieta, mas parada, com frio, salvo o momento do gol bicolor.

    Gerson, nunca tive 100% certeza de que o Clube do Remo seria vencedor de um RE X PA, com foi o caso deste ultimo.

    Como já disse anteriormente, o Clube do Remo tem que praticar um futebol objetivo e finalizador, deixando para o Paysandu, o tal do jogo “bonito”, CISCA – CISCA!! Mas nunca superior.

  21. O Val Barreto é um cara que merece ir longe na carreira, mostra que é um cara humilde, um cara que quer vencer na vida. Já fez 4 ou 5 gols e um deles no PaXRe e manteve a linha da ´simplicidade.

    Hoje num programa de esportes apareceu uma reportagem dele dizendo que a vitória era a única forma de retribuir o apoio da torcida, que enfrentou chuva e até disse que algumas pudessem até está com fome.

    Os jogadores não precisam ser iguais a ele, o Galhardo por exemplo, mas sabado foi a penas o 1° clássico e que o objetivo principal que é o titulo ainda será decidido.

    E se o Val Barreto continuar assim abre as portas para que qualquer clube que goste do seu futebol venha tentar contrata-lo, agora esse galhardo com essa marra dele já vai entrando p/ aquela lista famosa que tem Diego Barros e Adriano como os mais recentes componentes.

    Outra coisa, o ato do Galhardo, pelo pouco que ele já mostrou por aqui foi sim com intenção de menosprezar o adversário, lance em frente a torcida do Paysandu inclusive.

    O Raul errou e o juíz não expulsou porque ou não viu ou é ruim mesmo, agora podem passar a mão na cabeça desse Galhardo, pois se conhecemos os boleiros, ele na conquista futura do papão será lembrado nas reportagens de fim de jogo do próximo PaXRe que com certeza será decisisvo.

  22. Tentando olhar o jogo sem a paixão clubística, o Remo mereceu a vitória pela objetividade: entrou em campo com uma postura tática bastante definida: defender-se em bloco (às vezes com seus 11 jogadores no campo de defesa) e contra-atacar, e as jogadas foram executadas com rara felicidade nos dois gols e em pelo menos outras três outras oportunidades. O Pikachu terminou se apequenando diante da grande exibição do lateral esquerdo adversário, que além de marcar muito bem, ainda ensaiou algumas subidas ao ataque. Paulista e Galhardo foram muito bem na flutuação entre a defesa e o ataque remista, fazendo ligação de muita quallidade com o ataque. O goleiro do Remo mostrou que tem muita qualidade. No mais, o Remo apresentou um conjunto muito forte, unido, que resultou na merecida vitória, afinal, o que vale é bola na rede. Quanto ao Papão, precisamos urgente da volta do Paulo Rafael no gol (para dar a segurança necessária à zaga, inclusive falando com os jogadores de defesa), e um zagueiro consistente, como o Fábio Sanches. A avenida Pikachu ficou à disposição pelo lado direito. No primeiro gol do Remo, o cruzamento foi “balão”… o goleiro deveria sair na bola. Alguém tem que dizer ao Pikachu que todo jogo “vale um prato de comida” e a lateral esquerda do Papão não existe, pois o Pablo é um bom zagueiro e poderia ser melhor aproveitado na lateral esquerda. O equívoco do Lecheva foi tirar o Capanema, pois é um jogador imprescindível à proteção à zaga. Considero, porém, que o resultado, num clássico é absolutamente normal e não deve atrapalhar a formação da equipe. Um abraço a todos do blog.

  23. Amigo Gerson, foi o que falei, está claro no meu comentário que: agressão física não se justifica por qualquer motivo a não ser por defesa legítima.

    No entanto, o tal do Gagalhardo provocou sim, ai com os nervos a flor da pele já viu!

    Ele é um excelente jogador, mas REPITO, não pratica o tal futebol arte empatando ou perdendo o jogo ou você viu isso em todos os jogos do Remo?

    RRamos

    1. Amigo, não vou voltar mais ao assunto, por desnecessário. Não acho que o Galhardo seja craque ou fora-de-série. Refiro-me a qualquer situação que envolva atletas profissionais. Agressão física não faz parte do jogo. Falta violenta ou puxão de camisa, com bola rolando, é outra coisa. Ainda assim, cartões existem justamente para isso.

  24. Edson, olha seu coração! Parece que depois de perder o REXPA alguns perderam também a linha. Ninguém aqui no blog comparou em momento algum Galhardo com Neymar, apenas usamos o jogador do Santos como exemplo para lembrar que o futebol brasileiro é alegre por natureza, com dribles e jogadas de efeito tão característicos de nosso país e usar de violência por levar um drible ou ser “vítima” de uma jogada de efeito é fora de propósito e deve ser punido com severidade pela arbitragem. Imagine você punir com violência um Garrincha por driblar daquele jeito? E um Romário por ter dado um elástico incrível no Amaral contra o Corinthians? E os lençóis duplos e até triplos de Ronaldinho Gaúcho, na época áurea do Barcelona, também deveria ser punido?

  25. Gente o campeonato está apenas começando e a fase classificatória é aquela em que se observa o adversário para matar lá na frente!
    E isso vale para os dois times!

  26. Anos atrás, este mesmo RAUL que está hoje no meu Paysandu, desferiu um trampesco no ex-bicolor Thiago Potiguar em um RE-PA, mais a arbitragem naquela ocasião, não deixou passar despercebido e mandou ele mais cedo pro chuveiro. Isso e que e, ele RAUL já e reincidente neste mesmo tipo de atitude, será se o mesmo não evoluiu como pessoa? Pois ele ainda não compreendeu que futebol não e MMA? Te contar!

  27. Prezados, a saída do Capanema não foi um erro do Lecheva, antes foi um acerto. Como azulino, observei que ele, arrojadamente, e um pouco irresponsavelmente também – mas só um pouco -, quis imprensar o Remo na defesa e acabar com a sobra da zaga azulina. Esqueceu-se da própria falta de sobra, da própria falta de zaga. E não tinha outro remédio. Para ganhar, às vezes é preciso arriscar e não temer as consequências. Na minha opinião, foi um acerto pensar assim, ele tentou a vitória. Só que deu errado, mas podia ter funcionado, e a atitude dele foi coerente e dela veio o empate. O curioso é que nem assim o Paissandu se animou. Se ele tivesse colocado mais um zagueiro ou cabeça de área, teria errado, e o jogo terminaria no 1×0 mesmo, porque ainda não há criação no meio de campo do Remo. Se tivesse trocado um meia ou um atacante por outro,daria na mesma para ele, e para o time. A saída do volante para a entrada do Heliton privilegiou a ofensividade bicolor, mas os jogadores não se encontraram em campo nem antes e nem depois do empate… É fato que o contra-ataque azulino agradeceu com dois presentaços inesquecíveis. Coisas de futebol coletivo e objetivo. Lecheva pode fazer um bom trabalho no Paissandu, se tiver condições e elenco. Já Flávio Araújo não tem um elenco, tem um pelotão, disciplinado e bem treinado. Venceu a aplicação azulina.

  28. O Raul deveria ter sido expulso pelo Dewson,seria a atitude mais correta,pois,em meu modo de ver,o jogador remista,Galhardo,tendo feito firula ou não,utilzou-se de um recurso lícito,então ficou baratíssimo ao jogador do Papão.

    Os remistas têm mais é de comemorar,pois ganharam do maior time do norte e,para eles,é como se fosse um título.kkk

  29. Ah,sobre a atitude do Lecheva em lançar o time ao ataque,o fez corajosa e corretamente,mesmo que tenha pecado em não neutralizar com maior eficiência os contra-ataques eficientes e mortais(provaram-se com a vitória) do Clube do Remo,mas mostrou que armou o time pra vencer a todo o instante. O mesmo tem potencial como técnico,está apenas começando,porém,mostra-se sereno e tranquilo quanto às críticas,evidenciando pontual e honestamente,que deva apromirar-se taticamente,pois este é seu maior defeito,até então.

Deixe uma resposta