Che Guevara, o guerrilheiro heróico e romântico

O líder guerrilheiro Ernesto Che Guevara é lembrado nesta segunda-feira (8), aniversário de 45 anos de seu assassinato por forças reacionárias na Bolívia. Em Cuba, a data é lembrada em toda a ilha, segundo noticiado no jornal Gramna – Che foi ministro da Indústria e dirigiu o Banco Nacional. Professores, estudantes e artistas renderam homenagens com discursos, música e lembrando seu pensamento crítico. Guevara foi morto em 8 de outubro de 1967 quando lutava na Bolívia depois de voltar do Congo, África, onde também lutou ao lado do povo. Em 1997, seus restos mortais foram trasladados para a cidade cubana de Santa Clara, onde ganhou um mausoléu. Na ilha, o “Guerrilheiro Heróico”, como é chamado, é lembrado em símbolos pátrios e monumentos. No mundo inteiro, a imagem e a história de Che tornaram-se ícones da cultura pop, ilustrando roupas, painéis e até bandeiras de torcidas nos estádios de futebol.

Che não foi apenas um heróico guerrilheiro, um lutador que entregou sua vida pela libertação dos povos da América Latina, um dirigente revolucionário que fez algo sem precedentes na história; deixou todos seus cargos para retomar o fuzil contra o imperialismo. Ele foi também um pensador, um homem de reflexão que nunca deixou de ler e escrever, aproveitando qualquer pausa entra duas batalhas para ter à mão caneta e papel. O seu pensamento faz dele um dos mais importantes renovadores do marxismo na América Latina, talvez o mais importante desde José Carlos Mariátegui

É importante observar que, na América latina, durante anos e décadas, o marxismo serviu como justificativa a uma política reformista de subordinação do movimento operário à aliança com uma suposta “burguesia nacional”, com vistas a uma suposta “revolução democrática, nacional e antifeudal” ([Victorio] Codovilla, para mencionar apenas um nome simbólico de todo um sistema político de corte stalinista).

Em sua “Mensagem à tricontinental” (1966), Guevara cortou o nó górdio que atava pés e mãos dos explorados: “As burguesias autóctones perderam toda sua capacidade de oposição ao imperialismo – se alguma vez a tiveram – e constituem apenas sua retaguarda. Não há mais mudanças a serem feitas: ou revolução socialista ou a caricatura de revolução”.

Todos os escritos e discursos marxistas de Che, de 1959 até sua morte, seja sobre a realidade latino-americana, sobre a guerra de guerrilhas, sobre a luta internacional contra o imperialismo, sobre os problemas econômicos de Cuba, possuem um objetivo central, concreto e urgente: a transformação revolucionária da sociedade. Insistiu-se muito sobre a teoria do foco guerrilheiro nos escritos de Che. Mas ele sabia que a revolução social é uma tarefa não apenas de uma – indispensável – vanguarda, mas das grandes maiorias: são “as massas (as que) fazem a história como um conjunto consciente de indivíduos que lutam por uma mesma causa (…) que lutam para sair do reino da necessidade e passar ao reino da liberdade”. (Com informações do site Militância Viva e da Folha S. Paulo)

25 comentários em “Che Guevara, o guerrilheiro heróico e romântico

  1. Leram a Veja desta semana?Estraçalharam com recém falecido Hobsbaw.O jornalista da revista dos Civita praticamente despejou no lixo a obra do historiador marxista inglês,faltou só comemorar a sua morte.Porque será que isto não me surpreendeu?

    Curtir

  2. Por outro lado amigo confrade Rafael, historiadores, pensadores e cientistas sociais diletantes mas arautos das “liberdades parciais” (as do mercado, da imprensa megacorporativa, dos bancos e que tais) são celebrados como grandes contribuintes da “democracia”. Já Paul Johnson, Olavo de Carvalho, Carlos Alberto Sardenberg e que tais, com uma produção intelectual minúscula se comparada à do historiador britâncio, por outro lado, são santificados de forma condescendente. Te contar…

    Curtir

  3. Che Guevara foi um dos maiores assassinos da história da humanidade. Rivaliza com monstros do calibre de Hitler. Mas como era uma personagem da esquerda, até hoje militantes flertam com sua maldita memória.

    Curtir

  4. Na mosca, amigo Daniel. Esqueceu de incluir o bufão do Jabor, que tem um brilhante passado como cineasta mas se acomodou na lambeção de saco aos poderosos…

    Curtir

  5. Lá na Veja há um departamento exclusivo para pregar com base na mais reacionária retórica possível, apedrejando reputações que tenham qualquer ligação com o pensamento de esquerda. Civita deve ser um adorador enrustido de Hitler, Mussolini e outros bárbaros.

    Curtir

  6. É Gerson, o Jabor é o famoso “rebelde à favor”. É ainda o crítico/ensaísta “sirí na lata”: faz muito barulho, grita e esperneia, mas logo se acomoda na acomodação, sossega… rsrs

    Curtir

  7. Não é mole, não, amigo Daniel… E reacionarismo quase sempre tem origem na lavagem cerebral dos 20 e tantos da ditabranda, como a Folha SP gosta de chamar os anos de chumbo.

    Curtir

  8. Confrades Gerson e Daniel,deixo claro que não vejo problema no fato da revista Veja adotar um posicionamento direitista na sua linha editorial.Da mesma forma que o jornalismo da Caros Amigos é direcionado para o pensamento político de esquerda,esse é um direito que cabe à revista dos Civita. O que não dá para aceitar é a comumente falta de respeito da Veja com pensadores de esquerda.Os “jornalistas”dessa publicação já chamaram o linguista Noam Chomski de destrambelhado,disseram que o Hobsbaw está no inferno ao lado de Hitler e Stalin(havia esquecido dessa no primeiro post)entre outras demonstrações de enorme falta de respeito.

    Curtir

  9. O interessante do Jabor, é ele falar mal de qualquer coisa relacionada a esquerda brasileira, se é que isso existe, mas não abre mão dos incentivos e verbas públicas para patrocinar seus filmes, que diga-se de passagem, são umas merdas!

    Curtir

  10. Alberto, é por isso que mereceu a alcunha de rebelde a favor, sapecada pelo humor demolidor de Jaguar. Aliás, poucas coisas são mais ridículas que ex-esquerdistas preocupados em serem aceitos pela direita bovina. Jabor se assemelha a Roberto Freire, que se locupletou na burocracia tucana em São Paulo e virou as costas ao passado de lutas.

    Curtir

  11. Gerson, penso que a imprensa deve ser sempre de oposição, só assim ela veste a roupa necessária e correta para perscrutar os porões dos governos. A Veja quando agiu do lado dos interesses petistas, como por exemplo, cobriu a crise no governo Collor, tinha sua capa estampada por militantes do PT nos protestos.

    Como ela é sempre oposicionista, também (e acertadamente) denunciou vários escândalos, inclusive o que é apontado como o pior de todos que é o mensalão.

    Há uma tentativa espúria de convencer o povo de que os corruptos que foram condenados ontem, o foram sem provas. Façam-me o favor…

    Agora depois dessa digressão, permitam-me dizer que, por ir atrás de informações em diversas fontes, não me pautar em apenas uma fonte (no caso Veja), pude constatar que Che Guevara foi sim um grande facínora, comandou inúmeras execuções a quem achasse contra o novo regime revolucionário. Nunca pensou duas vezes quando tinha que mandar bala, como pode exemplificar o diário do próprio Che que assim diz (sobre uma de suas vítimas: “Acabei com o problema dando-lhe um tiro com uma pistola calibre 32 no lado direito do crânio, com o orifício de saída no (lobo) temporal direito. Ele arquejou um pouco e estava morto. Ao tratar de retirar seus pertences, não consegui soltar o relógio”.

    Para ilustrar o que falo vai a lista de vítimas direta ou indiretamente ligadas ao “grande revolucionário”:

    A LISTA DOS MORTOS COM ENVOLVIMENTO DIRETO DE GUEVERA
    Executados pessoalmente por Che em Sierra Maestra entre 1957 e 1958:
    1. Aristio – 10-57
    2. Manuel Capitán – 1957
    3. Juan Chang – 9-57
    4. “Bisco” Echevarría Martínez – 8-57
    5. Eutimio Guerra – 2-18-57
    6. Dionisio Lebrigio – 9-57
    7. Juan Lebrigio – 9-57
    8. El ” Negro ” Napoles- 2-18-57
    9. “Chicho ” Osorio – 1-17-57
    10. Um professor não identificado (“El Maestro”) – 9-57
    11-12. Dois irmãos considerados espiões -9-57
    13-14 Dois camponeses não-identificados -4-57

    Executados pessoalmente por Che ou sob suas ordens durante seu breve comando em Santa Clara (entre os dias 1º e 3 de Janeiro de 1959)
    1. Ramón Alba – 1-3-59**
    2. José Barroso- 1-59
    3. Joaquín Casillas Lumpuy – 1-2-59**
    4. Félix Cruz – 1-1-59
    5. Alejandro García Olayón – 1-31-59**
    6. Héctor Mirabal – 1-59
    7. J. Mirabal- 1-59
    8. Felix Montano – 1-59
    9. Cornelio Rojas – 1-7-59**
    10. Vilalla – 1-59
    11. Domingo Alvarez Martínez 1-4-59**
    12. Cano del Prieto -1-7-59**
    13. José Fernández Martínez-1-2-59
    14. José Grizel Segura-1-7-59** ( Manacas)
    15. Arturo Pérez Pérez-1-24-59**
    16. Ricardo Rodríguez Pérez-1-11-59**
    17. Francisco Rosell -1-11-59
    18. Ignacio Rosell Leyva -1-11-59
    19. Antonio Ruíz Beltrán -1-11-59
    20. Ramón Santos García-1-12-59
    21. Pedro SocarrásS-1-12-59**
    22. Manuel Valdés – 1-59
    23. Tace José Veláquez -12-59**
    **Che ordenou a pena de morte antes de deixar Santa Clara

    Execuções documentadas na prisão Fortaleza de la Cabaña, sob o comando de Che, entre 3 de Janeiro e 26 de novembro de 1959
    1. Vilau Abreu – 7-3-59
    2. Humberto Aguiar – 1959
    3. Garmán Aguirre – 1959
    4. Pelayo Alayón – 2-59
    5. José Luis Alfaro Sierra – 7-1-59
    6. Pedro Alfaro – 7-25-59
    7. Mriano Alonso – 7-1-59
    8. José Alvaro – 3-1-59
    9. Alvaro Anguieira Suárez – 1-4-59
    10. Aniella – 1959
    11. Mario Ares Polo- 1-2-59
    12. José Ramón Bacallao – 12-23-59**
    13. Severino Barrios – 12-9-59**
    14. Eugenio Bécquer – 9-29-59
    15. Francisco Bécquer – 7-2-59
    16. Ramón Biscet– 7-5-59
    17. Roberto Calzadilla – 1959
    18. Eufemio Cano – 4-59
    19. Juan Capote Fiallo – 5-1-59
    20. Antonio Carralero – 2-4-59
    21. Gertrudis Castellanos – 5-7-59
    22. José Castaño Quevedo – 3-6-59.
    23. Raúl Castaño – 5-30-59
    24. Eufemio Chala – 12-16-59**
    25. José Chamace – 10-15-59
    26. José Chamizo – 3-59
    27. Raúl Clausell – 1-28-59
    28. Angel Clausell – 1-18-59
    29. Demetrio Clausell – 1-2-59
    30. José Clausell-1-29-59
    31. Eloy Contreras- 1-18-59
    32. Alberto Corbo – 12-7-59**
    33. Emilio Cruz Pérez – 12-7-59**
    34. Orestes Cruz – 1959
    35. Adalberto Cuevas – 7-2-59**
    36. Cuni – 1959
    37. Antonio de Beche – 1-5-59
    38. Mateo Delgado-12-4-59
    39. Armando Delgado – 1-29-59
    40. Ramón Despaigne – 1959
    41. José Díaz Cabezas 7-30-59
    42. Fidel Díaz Marquina – 4-9-59
    43. Antonio Duarte – 7-2-59
    44. Ramón Fernández Ojeda – 5-29-59
    45. Rudy Fernández – 7-30-59
    46. Ferrán Alfonso – 1-12-59
    47. Salvador Ferrero – 6-29-59
    48. Victor Figueredo – 1-59
    49. Eduardo Forte – 3-20-59
    50. Ugarde Galán – 1959
    51. Rafael García Muñiz – 1-20-59
    52. Adalberto García 6-6-59
    53. Alberto García – 6-6-59
    54. Jacinto García – 9-8-59
    55. Evelio Gaspar – 12-4-59**
    56. Armada Gil y Diez y Diez Cabezas- 12-4-59**
    57. José González Malagón – 7-2-59
    58. Evaristo Benerio González – 11-14-59
    59. Ezequiel González-59
    60. Secundino González – 1959
    61. Ricardo Luis Grao – 2-3-59
    62. Ricardo José Grau – 7-59
    63. Oscar Guerra – 3-9-59
    64. Julián Hernádez -2-9-59
    65. Francisco Hernández Leyva – 4-15-59
    66. Antonio Hernández – 2-14-59
    67. Gerardo Hernández – 7-26-59
    68. Olegario Hernández – 4-23-59
    69. Secundino Hernández – 1-59
    70. Rodolfo Hernández Falcón – 1-9-59
    71. Raúl Herrera -2-18-59
    72. Jesús Insua-7-30-59
    73. Enrique Izquierdo- 7-3– 59
    74. Silvino Junco – 11-15-59
    75. Enrique La Rosa- 1959
    76. Bonifacio Lasaparla- 1959
    77. Jesús Lazo Otaño -1959
    78. Ariel Lima Lago – 8-1-59- (Menor)
    79. René López Vidal -7-3-59
    80. Armando Mas – 2-17-59
    81. Ornelio Mata- 1-30-59
    82. Evelio Mata Rodriguez- 2-8-59
    83. Elpidio Mederos -1-9-59
    84. José Medina -5-17-59
    85. José Mesa 7-23-59
    86. Fidel Mesquía Díaz 7-11-59
    87. Juan Manuel Milián – 1959
    88. Jose Milián Pérez – 4-3-59
    89. Francisco Mirabal – 5-29-59
    90. Luis Mirabal – 1959
    91. Ernesto Morales – 1959
    92. Pedro Morejón – 3-59
    93. Carlos Muñoz M.D.- 1959
    94. César Nicolardes Rojas- 1-7-59
    95. Víctor Nicolardes Rojas- 1-7-59
    96. José Nuñez – 3-59
    97. Viterbo O’Reilly – 2-27-59
    98. Félix Oviedo – 7-21-59
    99. Manuel Paneque – 8-16-59
    100. Pedro Pedroso – 12-1-59**
    101. Diego Pérez Cuesta – 1959
    102. Juan Pérez Hernández – 5-29-59
    103. Diego Pérez Crela – 4-3-59
    104. José Pozo – 1-59
    105. Emilio Puebla – 4-30-59
    106. Alfredo Pupo – 5-29-59
    107. Secundino Ramírez – 4-2-59
    108. Ramón Ramos – 4-23-59
    109. Pablo Ravelo Jr. – 9-15-59
    110. Rubén Rey Alberola – 2-27-59
    111. Mario Risquelme – 1-29-59
    112. Fernando Rivera – 10-8-59
    113. Pablo Rivero- 5-59
    114. Manuel Rodríguez – 3-1-59
    115. Marcos Rodríguez -7-31-59
    116. Nemesio Rodríguez – 7-30-59
    117. Pablo Rodriguez – 10-1-59
    118. Ricardo Rodriguez – 5-29-59
    119. Olegario Rodriguez Fernández-4-23-59
    120. José Saldara – 11-9-59
    121. Pedro Santana – 2-59
    122. Sergio Sierra – 1-9-59
    123. Juan Silva – 8-59
    124. Fausto Silva – 1-29-59
    125. Elpidio Soler- 11-8-59
    126. Jseús Sosa Blanco – 2-8-59
    127. Renato Sosa- 6-28-59
    128. Sergio Sosa – 8-20-59
    129. Pedro Soto – 3-20-59
    130. Oscar Suárez – 4-30-59
    131. Rafael Tarrago – 2-18-59
    132. Teodoro Tellez Cisneros- 1-3-59
    133. Francisco Tellez-1-3-59
    134. José Tin- 1-12-59
    135. Francisco Travieso -1959
    136. Leonrardo Trujillo – 2-27-59
    137. Trujillo – 1959
    138. Lupe Valdéz Barbosa – 3-22-59
    139. Marcelino Valdéz – 7-21-59
    140. Antonio Valentín – 3-22-59
    141. Manuel Vázquez-3-22-59
    142. Sergio Vázquez-5-29-59
    143. Verdecia – 1959
    144. Dámaso Zayas -7-23-59
    145. José Alvarado -4-22-59
    146. Leonoardo Baró- 1-12-59
    147. Raúl Concepción Lima – 1959
    148. Eladio Caro – 1-4-59
    149. Carpintor – 1959
    150. Carlos Corvo Martíenz – 1959
    151. Juan Guillermo Cossío – 1959
    152. Corporal Ortega – 7-11-59
    153. Juan Manuel Prieto – 1959
    154. Antonio Valdéz Mena – 5-11-59
    155. Esteban Lastra – 1-59
    156. Juan Felipe Cruz Serafín-6-59**
    157. Bonifacio Grasso – 7-59
    158. Feliciano Almenares – 12-8-59
    159. Antonio Blanco Navarro – 12-10-59**
    160. Albeto Carola – 6-5-59
    161. Evaristo Guerra- 2-8-59
    162. Cristobal Martínez – 1-16-59
    163. Pedro Rodríguez – 1-10-59
    164. Francisco Trujillo- 2-18-59
    ** Che ordenou a execução, mas ela se efetivou depois que ele havia deixado o comando

    Curtir

  12. Cada um conta a história sob a ótica que lhe convém. Discussões sem fim sobre o que já passou. A imprensa por sua vez jamais será apartidária e cada um que leia o que quiser.

    Curtir

  13. De fato, amigo Mariano, a boa imprensa tem sempre um quê de oposicionista, por representar uma pedra no sapato dos poderosos. Ocorre que, infelizmente, a Veja não é a fonte de consulta mais equilibrada para qualquer assunto que diga respeito a movimentos de esquerda no mundo. Ela demonizou todos os revolucionários, incluindo Che Guevara, como se a luta que abraçaram não fosse digna. Foram guerrilheiros, sim. Mataram pessoas, certamente. Mas havia uma causa a norteá-los. No post sobre o Che não afirmei que ele foi um santo, apenas que foi um homem que lutou até o fim por suas ideias de igualdade social. Por isso, tem meu eterno respeito.

    Curtir

  14. Engraçado… por aqui são esquadrinhadas listas de assassinados por ordem ou feitura de Che Guevara ou assemelhados da esquerda. Por aqui pelo blog mesmo já vi desancarem a Comissão da Verdade por que os militares mataram e torturaram “terroristas” e agiram dentro da “lei” (aqui por mim entendida, na verdade, como a ausência dela, por isso as aspas). Curioso ainda é que não se faz o mesmo levantamento nominal de vítimas de regimes sanguinários simpáticos à causa conservadora. Por que será? Por que não se faz o mesmo “inventário” de massacrados pelo regime de Fulgêncio Batista, contra o qual lutaram Guevara e Fidel? Ou pelo regime de Ferdinand Marcos nas Filipinas? Ou do indefectível Pinochet no Chile? Ou quantos vietnamitas foram esmagados pelos norte-americanos no sudeste asiático?
    Desde criança sempre ouvi histórias e anedotas sobre comunistas “comerem criancinhas” e figuras como Lênin, Stálin, Pol Pot, Guevara ou Fidel serem “maus como o Pica-Pau”. Mas sempre questionei tais formulações. Algumas procedem (casos de Stálin, Mao, Pol Pot e quejandos). Mas e os contrários, significava então que baseados nessas formulações eram os super-heróis a salvar o mundo do “perigo vermelho”?
    Reconheço que muito da práxis das esquerdas bem como algumas de suas formulações teóricas se perderam no caminho; a experiência socialista concreta se mostrou equivocada; muitos crimes foram cometidos e autoritarismos foram ressaltados em nome do “bem coletivo” e da igualdade social, mas daí a desqualificar pura e simplesmente por ranço ideológico, pera lá…
    Quanto as mortes listadas acima gostaria que me apontassem um processo revolucionário sem mortes ou excessos.
    A diferença entre a esquerda (sobretudo a mais consciente) e a direita é simples: enquanto uma tenta adequar o discurso à prática – o que a faz até incorrer em impasses ideológicos mediante experiências anteriores (o socialismo soviético) -, a outra tenta perpetuar velhas práticas. Além do que a última conta com porta-vozes aquinhoados e massivos formadores de opinião (a grande imprensa mega-corporativa). Para tanto ilustro uma reportagem sobre o MST feita pelo JN há um certo tempo: para os camaradas do jornal, os movimento prega a violência no campo através de uma lavagem cerebral em seus membros, recorrendo assim a expedientes à margem da lei na luta pela posse da terra. Por outro lado, o mesmo jornal não diz que sob as asas da mesma legalidade por eles invocada, grileiros, fazendeiros e posseiros fazem o que querem (inclusive comandando mortes) com a complacência das autoridades. E para eles, isso não passa de uma “distorção” do sistema. “Distorção” que não se diz também que é secular. Francamente hei!?

    PS: Veja, de oposição? Só se for nos últimos 10 anos… rsrsrs.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s