Ideia simples, triunfo justo

Por Gerson Nogueira

Era a definição da semifinal, mas os festejos corintianos fizeram parecer que era quase a decisão do título. De qualquer forma, os ecos do empate que classificou a equipe à final da Taça Libertadores valorizam o duríssimo embate entre alvinegros brasileiros, seguramente os dois principais clubes nacionais da atualidade. A comemoração ressalta, acima de tudo, o esquema operário, quase à européia, do Corinthians de Tite, cuja origem está na campanha do título brasileiro do ano passado.
Na ocasião, a conquista foi vista com ressalvas pelos fãs do futebol ofensivo. Não era para menos. O Corinthians cultivou um impressionante esmero defensivo e, como se sabe, quem muito zela pela defesa quase sempre deixa o ataque em segundo plano.
As vitórias por escores magros tornaram-se uma espécie de característica corintiana desde então. Tite, corajosamente, não renegou essa estratégia. Muito pelo contrário. Diante dos resultados positivos ganhos a partir de uma sólida linha de zagueiros e volantes, passou a louvar esse estilo simples, guerreiro e eficiente. 
Diante do Pacaembu cheio de corintianos, o time jogou dentro de seu padrão habitual, desfilando o receituário que assegurou a caminhada ao longo da Libertadores. Marcação forte e pouquíssimo espaço para brincadeiras – suas e do adversário – na grande área.
O Santos, de estilo mais leve e ofensivo, parecia assumir o domínio das ações, ocupando o campo de defesa inimigo com passes rápidos e constante inversão de posicionamento. O gol saiu, mas o time desceu para os vestiários acreditando que estava com o jogo sob controle. Ledo engano.
A estratégia corintiana para empatar o jogo (e desempatar a disputa) foi centrada no próprio histórico do time. Bolas roubadas no meio-de-campo, contragolpes velozes puxados por Alex e Jorge Henrique e cruzamentos sobre a área. Logo de cara, esse expediente deu certo e o empate veio praticamente de mão beijada, com falha dos zagueiros do Santos e finalização precisa de Danilo.
Quem acompanha esse Corinthians forjado nas divididas e na batalha pela retomada da bola sabia que o Santos teria que mover mundos e fundos para reaver a vantagem. Missão prejudicada pelo rendimento discreto de Paulo Henrique Ganso e o visível esgotamento de Neymar, que chegou a voltar para buscar jogo quase na linha do meio-campo.
O tempo ia passando e deixando claro que a sorte pendia para o time que se baseia na fibra e na transpiração. Tite não gosta da comparação, mas nada lembra mais o jeito bate-estaca do Chelsea que essa esquadra corintiana. Com dois volantes à moda antiga, Ralf e Paulinho, postados quase como zagueiros extras, o técnico fechou os caminhos e tornou praticamente impossível a missão santista.
Antes que saia a repudiar as referências inglesas, Tite devia saborear o triunfo de uma idéia tática tão simples quanto precisa, responsável por colocar conduzir o time à grande decisão sul-americana. Isso é o que, de fato, importa.
 
 
Vale considerar que, do lado santista, a frustração pelo fim do sonho do bicampeonato continental vem junto com nova atuação irregular do maior craque do time. Neymar, apesar do gol e da movimentação nos primeiros 45 minutos, foi totalmente anulado na etapa final e sem ele toda a força do Santos cai por terra.
Muricy Ramalho, que nunca foi conhecido pela ousadia, parecia um peixe fora d’água ao lado do campo tentando fazer seu time ir à frente. Duro era observar que um time montado a partir de raros talentos não achava jeito de impor seu jogo.
Nos 15 minutos finais, tomado pelo desespero, o Santos passou a cruzar todas as bolas possíveis para o centro da área. Qualquer timeco de várzea age exatamente assim quando se esgotam os recursos técnicos. O Peixe precisa aproveitar essa lição para reencontrar seus próprios caminhos. Assusta também a constatação de que, nesses momentos, por força das circunstâncias ou por limitação individual, Neymar também fica nivelado a um jogador comum – o que não é.
 
 
A confirmação de que a bola vai finalmente rolar na Série D é um alento para os torcedores do Remo. Depois de 28 dias de indefinição, a CBF conseguiu finalmente desatar os nós jurídicos que inviabilizavam a competição. Não sem traumas. Com a quase confirmada inclusão do amotinado Treze (PB) na Quarta Divisão fica escancarada a porteira para a repetição do mesmíssimo imbróglio que atrapalhou a edição deste ano.
Foi assim que Ricardo Teixeira agiu quando o Rio Branco ameaçou parar a Série C 2011. Deu no que deu. Marin, cópia envelhecida do antigo chefão, trilha as mesmas ondas perigosas.
Enquanto o rival já entra em ação no próximo domingo, o Paissandu deve estrear a 1º de julho, caso o arranjo com o Treze realmente se confirme. No fundo, atletas, técnicos e torcedores já não agüentavam a situação. Que os times tratem de compensar em campo essa longa espera.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta quinta-feira, 21)

21 comentários em “Ideia simples, triunfo justo

  1. Perfaita a analise, acredito que o Santos deve rever a qualidade dos seus atletas que compõem a defesa, principalmente o Durval e o Ruam

  2. Acredito que esse “acordo” da CBF com o Treze, seja igual ao “acordo” que ela fez com o Rio Branco. Uma vaga na série D, ou C, mas em 2013 ou 2014.
    Se a CBF fosse incluir o Treze, na série D, desse ano, o correto era que não iniciasse a série D nesse fim de semana, para que desse tempo de se fazer essa inclusão. Elementar.
    – Com o Rio Branco, foi assim, onde a CBF pediu pra que ele desistisse da série C de 2011, mas que em 2012, estaria garantido, nessa série, como está.
    Acredito que hoje, tudo se resolva, e a série C deverá começar no sábado, 30/06. Anotem
    É a minha opinião.

  3. Melhor que a vitória do Timão é saber que não houveram registros de casos de infartos em torcedores São Paulinos e nem nos exaustados anti-corinthianos. O reconhecimento do mérito da classificação a final por muitos destes é a certeza que, como brasileiros, certamente torcerão pelo Timão rigorosamente trajados e embandeirados.

    Como estamos em plena quadra junina bem que poderia ser proposto um projeto de o dia 20 de junho ser comemorado o dia de São Jorge. He, he, he…..

  4. Nem RMP e JK escreveriam algo quase tao perfeito….é por aí mesmo…e digitando sobre a arbitragem, o trabalho do Vuadem passou desapercebido…agora o Altemir, he he he he …que foi aquilo meu pai ????

  5. Parece que finalmente uma parcela da torcida paraense vai começar a se engajar com o início da série D, mesmo sabendo que começa com aflição por ser uma estreia fora de casa. Haja coração…

  6. Muricy não tem um bom elenco. Analisando posição por posição, do 1 ao 11 como era antes, o Corinthians é superior no geral. Além do Ganso, baleado, e do Neymar, manjado, quem pode se destacar? Dracena, Danilo, os velhos Léo, Elano e Durval? O razoável mas lento Arouca, o pipoqueiro Juan, Alan Kardec??? O peso da obcessão da Libertadores com seu poder de abalar o emocional corintiano ficou lá pelas oitavas de final e se transformou em estímulo e força extras para um time determinado e combativo como poucas vezes eu vi. Começo a achar que o Boca deve se preocupar muito.

  7. E quando passam pela linha defensiva do Timão, ainda tem o goleiro Acássio para ser vencido. É cruel para os adversários. Este é um bom nome para figurar com a amarelinha em 2014

  8. Verdade, Diogo, Cássio tem atuado bem, mas é melhor elogiar o conjunto, pois a posição de goleiro sabe como é que é, né? Felipe naquela Copa do Brasil contra o Sport, Julio César contra a Ponte…Como diria o filósofo: não elogie o burro antes da subida hehehe

  9. Vamos por parte. Parabens ao gerson pela coluna, está 100%. O Claudio Santos fica chateado comigo, mas como disse, não temos bons treinadores no futebol brasileiros, temos alguns bens ruins e outros mais ou menos e por falta de opção até começamos a achar q são bons. O tite joga igual ao chelsea, só na retranca, mas nada diferente do que o Muricy fez com o São Paulo. Mas, quando ambos precisam sair da sua característica e atacar, não sabem nada. É só gol de bola parada.
    Já com o Edmundo, discordo que o arbitro foi bem, muito pelo contrario foi extremamente caseiro, apitou um monte de faltas, que ele mesmo não apita no campeonato brasileiro, para manter o jogo sempre travado o que era bom pro time da casa.
    Quanto ao Mauricio e Edmundo, o Cassio não fez uma defesa sequer, tirando a bola que foi no gol, que defesa ele fez?
    Quanto ao neymar, semana passada foi o cansaço, com certeza ele não diminui por conta das farras que faz e a midia e o santos não cobram nada, mas se fosse ronaldinho gaucho, adriano e vagner love, meu deus ia ser malhados o tempo todo. O Neymar foi contado em verso e prosa entre os melhores do mundo e ele cada vez se mostra bem distante disso. Acho até que ele nem engraxa a chuteira do cristiano ronaldo, do messi então nem se fala.

  10. Amigo Gerson,

    Observo atentamente o desenvolvimento deste time do Peixe, desde o surgimento de Neymar e Paulo Henrique Ganso. E depois de ontem, ratifiquei a conclusão que já vinha chegado há algum tempo: O Muricy Ramalho, dito o melhor treinador brasileiro no momento, presta um grande desserviço ao nosso futebol.

    Esse cidadão, meio bronco, de cara amarrado, poucos argumentos lógicos e intelectualidade duvidosa, simplesmente acabou de vez com time leve, de toques rápidos, dribles desconcertantes e envolventes, que fora construído magistralmente por Dorival Junior, sobre os sustentáculos destes dois inegáveis craques com a bola nos pés.

    A conquista continental do ano passado nunca me deixou enganar. Pouco a pouco, o futebol praticado pela esquadra santista foi ficando cada vez mais arrastado, travado, sem as variáveis e alternativas que dispunha antes da chegada deste sujeito, vindo do Fluminense aliás, após conduta ética bastante questionável.

    Está certo que alguns garotos bons de bola e futuro promissor como André e Wesley e também Robinho, não estão mais lá, porém os alicerces continuam os mesmo. E quem ousaria dizer que Arouca também não o é hoje, um dos melhores volantes em ação nos gramados deste país?

    Ramalho quis impor a estes e outros jogadores, de outrora futebol alegre, o mesmo padrão monótono e turrão do seu limitado São Paulo tricampeão brasileiro de passes laterais, muitas bolas alçadas na área e jogadas em bola parada. Não nos deixemos enganar por algumas bons lances que este time do Santos ainda é capaz de produzir. Estes são apenas cada vez mais raros resquícios do time moldado por Dorival.

    Hoje o Santos, vive a espera de uma arrancada fulminante e genial de Neymar ou do passe brilhante e luminoso de Ganso para ter uma chance objetiva e concreta de marcar. Uma grande pena. O pouco que tínhamos de bom futebol ainda vistoso praticado em nossos gramados foi jogado sem dó nem piedade na lata do lixo por este que muitos reverenciam como grande treinador. Sei… Seu antigo mestre e tutor, Telê Santana, deve estar se revirando no túmulo e se perguntado: De tudo que eu disse e ensinei, o que foi que ele não entendeu?

    Abraço forte!

  11. Futebol compacto, competitvo e desasombrado, assim é o timão na busca do unico titulo que lhe falta. Os critico dirão que o time joga na retranca, atras da linha da bola etc.. eu direi que é lindo ver a dedicação , futebol coletivo a forma corajosa que joga o timão com os dois melhores volantes do Pais e com o contra ataque veloz e certeiro. Gerson saber defender também é uma arte. A FIEL deveria cantra igual aos times da NBA (Defesa,defesa, defesa) essa é a nossa receita para o título que outros times ofensivos do Corinthians com marcelinho e outros menos votados nunca conquistram.

  12. A título de correção e consideração com nossa língua. Fui traído pela gramática e uma de suas armadilhas. Fiquei com a pulga atrás da orelha e fui conferir. Escrevi “obcessão” (grafia que não existe) influenciado por “obcecado” (que existe), quando o correto seria ter escrito “obsessão”.

  13. Caraca, mas o Jorge henrique virou volante.
    e o pior é que o cara faz muito bem a função e ainda puxa os contra-ataques.
    Eu acho que o que está fazendo a diferença nesse time é o preparo físico, pois os jogadores estão correndo muito, o que reduz muito os espaços e dificulta muito o jogo dos adversários.
    Os caras estão com preparo físico de time europeu.
    O jorge henrique por exemplo, o cara tava na marcando ali na entrada da grande área, e derepente o corintians rouba a bola e ele dá uma baita arrancada até a área adversária, quando é desarmado.
    O santos então engata o veloz contra-ataque pela direita e o cara faz um cruzamento pra área do corintians. E quem aparece pra cortar? ele mesmo o Jorge Henrique. Impressionante.
    Pensei: esse cara não vai aguentar o jogo todo. Mas por incrível que pareça ele foi até o fim e correndo e marcando o tempo todo.

    Quanto ao santos, acho que é hora de o Murici reestruturar a equipe, fazer novas contratações, e procurar encaixar o time novamente. O santos tá muito mal.
    O arouca ontem foi o único que jogou naquele time. o Neymar tava péssimo, a ganso se escondeu do jogo, o borjes parece que nem entrou em campo, os laterais fraquissimos, a zaga titubeante. Um horror.

  14. Gerson,
    ficou muito claro ontem que o Santos não tem elenco. Um time que quer ser campeão não pode ficar dependente de apenas dois jogadores (sendo que um só joga quando não tem marcação e o outro há tempos não brilha). Quando Neymar e Ganso ficam apagados, o Santos torna-se um time comum, daqueles que ficam no classificação intermediária do Brasileirão.
    Outro ponto é o nó que o Muricy levou no jogo anterior e que não conseguiu desamarrar neste último. Por inúmeras vezes o lateral Juan recebia a bola e não tinha como desenvolver jogada porque ninguém aparecia na lateral. O time ficou preso no meio e não conseugiu criar oportunidades.

    1. Concordo, Victor. Além dessa limitação de elenco, o time sofre nas mãos de um técnico pouco criativo.

  15. O que me preocupa e que a copa esta aí na porta, e nossas maiores promessas estão aquém daquilo que imaginávamos deles, penso que o problema de rendimento do Neymar esta relacionado aos compromissos extra campos, e tanto tchuca tcha que as pernas estão pesadas, quando ao Ganso precipitaram a volta dele, visivelmente fora de forma e sem mobilidade ficou parado no meio de campo esperando a bola chegar aos seus pés, aí virou presa fácil para aplicada marcação corintiana.

  16. São por colunas como essas que refuto o nobre escriba baionense como um dos melhores articulistas do país.Certeiro como flecha que acerta o alvo.Parabés pelo tiro no alvo quanto ao estilo feio do Coringa jogar.Só seus torcedores gostam.Se a zaga santista estivesse atenta não sairia o gol do empate .Pior do que aguentar esse estilo a la Dunga e Chelsea vencer é que já corre à boca pequena e com ajuda do Sanches, que se Mano cair quem sobe será o Tite,caso seja o campeão da Libertadores.Isso é que é preocupante.Muito preocupante.Quanto a Ganso ,postei no twitter que ele não foi escalado e não jogou devido a cirurgia recente.O Santos jogou com dez contra 12(assistente).Futebol brasileiro na contramão de seu próprio estilo ,criativo,artístico,corre risco de perder outra Copa.E quase ninguém faz nada.Por isso é que torcerei pelo Universidade do Chile.Se o estilo bate-estaca perder ,quem sabe apareça alguém para por as coisas no rumo certo.Quase dois anos ainda há tempo.

  17. Eu, enquanto brasileiro, tenho ojeriza e fobia ao futebol argentino mas dessa vez fiquei num beco sem saída porque a minha antipatia ao Corhinthians e a torcida dele chega a ser muito maior que qualquer raiva que eu tenha do futebol argentino e por isso sou Boca Junior para valer nessa decisão e tenho certeza que esse tal de Corinthians vai morrer na beira da Libertadores mais uma vez. É esperar para ver. Agora mudando para o assunto principal, as perguntas que não querem calar é onde está o LOP, por onde anda o LOP???? Onde está a diretoria e CONDEL Bicolor???Será que Paysandu está em berço de ouro??? digo isso porque o Paysandu Sport Clube está sendo sacaenado ( descupem a expressão) pela CBF desde de 2011 e ninguém da diretoria faz nada para impedir isso. Ta todo mundo mudo….. ou louco como diz aquele trecho de música antiga do Silvio Brito “‘ ta todo mundo louco oba”. Ora vejam só, ja vai iniciar a quarta divisão que não era nem para existir e está cheia de irregularidades mas terceirona onde se encontram muitos cllubes de tradição no Brasil ( Paysandu, Santa Cruz, Fortaleza etc) que investiram alto nessa competição, estão com despesas gigantescas com o plantel montado, não tem nem previsão de iniciar. E a diretoria do Paysandu está calada, calada. … parecem alices no país da maravilha. O clube está sem receita e ainda corre o risco de mudarem a tabela colocando o primeiro do bicola jogo para fora de Belém, e não vejo ou ouça alguem dessa diretoria fazer uma reclamação contra a CBF, não vejo uma so denuncia diretoria nos meios de comunicação que o Paysandu está sendo muito prejudicado pela CBF e ano passado foi praticamente tirado do acesso a serie B por essa CBF no caso Rio Branco o qual ja está aí novamente para pentelhar. O LOP quer falar e fazer o que não deve e o que não pode como paralisar a serie A como se ele tivesse cacife para isso. Ainda serve e faz o Papão servir de chacota para os outros. Reparem que quando tiver tudo normal, o Paysandu bem na competição, se Deus queiser, aí ele vai aparecer para falar asneiras ou atrapalhar. É sempre assim. Gerson Nogueira, eu não sonsigo mais digerir esse LOp, a diretoria e CONDEL bicolor. É de difícil digestão é osso duro de roer.

  18. Série C ficou mais complicada com o Rio Branco voltando a acionar a justiça comum. Ontem CBF foi mais uma vez derrotada pelo 13, a sétima consecutiva e o Brasil de Pelotas mantém processo fim ser ressarcido financeiramente. Dizem que CBF ofereceu vaga ao 13 na série D 2013 fim contornar situação recebendo como resposta NÃO.

    Já passou da hora do Paissandu acionar entidades e clubes envolvidos por reparos de perdas e danos

Deixe uma resposta