A frase do dia

“Esse é o padrão do Inter. Na semifinal tivemos esse padrão e não convertemos. Ese foi o padrão na Libertaodres, contra o Chivas, contra o São Paulo. Eu, quando comecei a entrevitsa disse que hoje não gostei da equipe. Fomos mais firmes contra o Mazembe, Hoje a equipe coreana, com todo respieto, nos facilitou. Obviamente trabalhar no Internacional é uma honra, uma grandeza. Se tiver a oprtunidade de continuar, continuarei. Ainda mais com as pessoas que estão me cercando”.

De Celso Roth, técnico do Internacional, depois da conquista do terceiro lugar no Mundial de Clubes.  

11 comentários em “A frase do dia

  1. Gerson,esse tipo de comentário é que não concordo. O Técnico dizer que quer continuar, após um fracasso desses. Tinha é que ficar calado e resolver internamente com a diretoria(desabafar, apenas com amigos e familiares. Aí, tudo bem). Depois mandam ele embora, taí, bonito pra cara dele. Me fez lembrar o Charles, que, após o fiasco e, os torcedores, grande parte da Imprensa e o Ricardo Rezende lhe culpando pelo fracasso, ele ainda dizia que estava com todo Gás pra continuar o trabalho, pois a “semente” tinha sido plantada (mas é muito cara de pau). Treinador de Futebol, tem que ter postura, assim como qualquer ser humano. Te dizer. Desculpe, mas é a minha opinião.

    1. Alto lá! Charles não foi na maioria culpado pelo fracasso e afirmo porque acompanhei de perto. No estádio após a derrota a revolta sobrecaiu sobre o técnico, como sempre acontece, mas depois que LOP abriu o jogo e negligenciou sua administração e a conduta de alguns jogadores mercenários os fatos ficaram bem visíveis.No outro lado da cidade, Giba passou o tempo todo engano com desculpas sem sentido, indicou reforços para a série C e pelo AK, caso continuasse na presidência, seria facilmenete convencido a continuar, porque lábia Giba tem. Outro culpado e esquecido neste episódio de fracassos do Remo é Caxiado que embora reconheçamos que queria levantar o ânimo da torcida, estava na verdade iludindo os torcedores e hoje constatamos que os erros são coletivos a começar pelo presidente que só pensava vender o estádio, o Condel que queria tirar o prejuízo na venda e Giba que passava manteiga no pão para a faminta torcida azulina . Descupe mais esta é a minha opibnião.

      1. coitado, não tira o Leão da cabeça kkk essa doença não tem cura ela começou no tempo do tabu 33 kkkkk coitado, eu tenho é pena do velho kkkkk

  2. Então, amigo, se o problema, mais tarde foi descoberto, como vc diz que não foi o Charles, então porque não continuou? Aliás, foi demitido por fim de contrato, logo não foi nem chamado para saber da decisão da diretoria.

  3. Questão de ética profissional. O Charles jamais continuaria e certamente com essas contratações que LOP está fazendo para 2011 nem pelo dôbro. É o que esperávamos de Celso Roth após essa vergonha internacional que o internacional aprontou. Giba com certeza tentaria mais uma vez.
    Outra, Charlhes teve inimigos internos, como lguns da diretoria e o Didi, muito diferente do Giba que ficou a vontade para manobrar e manobrou errado sem ter opções de quem culpar.

      1. O Cláudio é engraçado. No caso do Paysandu, por se tratar de charles, o ônus do fracasso deve ser totalmente depositado ao treinador bicolor. No caso azulino, por se tratar do ‘grande” “Arrigo GIBA Sacchi”, o ônus deve ser partilhado com todos (principalmente com Sinomar Naves, Abelardo Sampiao e outros menos votados), cabendo a AK, “o modernista”, e ao citado treinador (ou seria “enganador”?) uma ínfima parcela do fracasso, pois o primeiro era um “administrador nato” e o segundo o “melhor treinador do mundo”, que não logrou êxito por que “não tinha montado o plantel; não havia iniciado o trabalho; não havia indicado os reforços”…

  4. O Giba chegou prometendo tudo quanto era título.
    recebeu um monte de reforços, fez uma campanha pior que a do sinomar, não ganhou nada, inventou um monte de desculpas esfarrapadas, meteu a mão numa bolada e foi pra outro estado enganar mais um pobre clube do futebol brasileiro.
    não deixou nada que prestasse pro remo, pelo contrário queimou a maior promessa do Clube o HELINTON, que vinha rivalizando com o Moisés no paraense, e que foi vendido pro Santos.

    Enfim, Um fracasso total.

    E o mais engraçado foi o Cláudio concordando com as históricas desculpas das travas de plásticos e do clima de belém.
    impagavel. rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs

Deixe uma resposta