As desventuras do senador valentão

A última pesquisa Ibope de intenções de voto para o Senado, no Amazonas, indica que o ex-governador Eduardo Braga (PMDB) aparece com 80% das intenções de voto. A deputada federal Vanessa Grazziotin (PCdoB) aparece em 2º lugar, com 39%. O senador Arthur Virgílio, do PSDB, tem 34%. O candidato do PDT, senador Jéferson Praia, ficou com 9% e a candidata do PT, Marilene Corrêa, obteve 5% das intenções de voto. Cabe observar que Virgílio é aquele boquirroto que, ao lado do netinho de ACM, ameaçou dar uns cascudos no presidente Lula. Vida que segue…

26 comentários em “As desventuras do senador valentão

  1. Gérson, deixa o Amazonas pra lá. Que tal falarmos (aqui) da pesquisa que Diário encomendou e ainda não divulgou? Não vai divulgar? Pensei que o seu jornal fosse e agisse com imparcialidade. Vejo que não; Conta aí vai.

    1. Denise, como diretor de Redação do jornal, não estou autorizado a falar sobre isso. Existem implicações jurídicas em curso, apenas isso. Assim que tudo estiver liberado, falarei com o maior prazer, como de hábito.

      1. Denise,
        Deixa prá lá. uma ova!
        Esse senadorzinho, boquirroto como muito bem posta o Blog, tem causado inúmeros prejuízos ao nosso Estado, sob a complacencia e permissividade dos tucanos de cá, parceiros de partido, só para impor desgaste ao governo petista local, esquecem eles que quem sofre somos nós o povo. que nao mais temos a memória curta, lembra?
        Chegou a hora da forra, de varrer do Congresso Nacional, essa tucanada que sempre tungou, e vilipendiou o erário público em benefício próprio.
        O que será que aconteceu com o processo originado da Operacao POROROCA, onde o atual senador tucano dono de uma construtora local, foi inclusive preso pela polícia federal, envolvido nas falcatruas(superfaturamento) que envolvem até hoje o porto de Santana-AP? ele est.a aí pedindo votos novamente, que tal discutir isso também; tem mais, um vereador de Belém, tenta voltar a Camara Federal, mas, quando presidente da CDP, foi preso pela Polícia Federal, também por falcatruas, lembra da OPERACAO GALILÉIA?
        Vamos lembrar isso, e varrer da vida pública essas sanguessugas.
        Olho vivo povo do Pará, e memória fresca!

    1. Não tem cojones para tal, caro Rick. O metalúrgico não é fácil, vai humilhar o bocudo amazonense nas urnas… hehe

      1. Rapá!
        vc’s não sabem o que essa “menina” faz no Amazonas!!..rsrsrs!

        Morei lá, e a boca pequena.. deixa pra lá! rsrsrs!!

  2. O problema é que dentre os valentões e bravateiros, Jereissati e Mão Santa podem voltar ao senado.. O coronel “moderno”do Ceará esconde, em sua campanha ,a oposição ao Lula. Estou curioso para saber como o Mão Santa está agindo no Piauí..

  3. Bem que o Senador Virgílio acertou vários bons “sopapos políticos” no Lula durante os diversos rounds que disputaram ao longo destes quase oito anos. Foi o que ocorreu p. ex., no caso do Waldomiro Diniz, no caso do mensalão, no caso do Roberto Jeferson, no caso do Pallocci , no Caso Renam Calheiros, no Caso Sarney, dentre outros, em que o ex-metalúrgico baixou a guarda e se expôs. Ocorre que as investidas não tiveram eficácia para levar à lona o oponente. E tal não ocorreu, porque, nada obstante tenham sido certeiros os golpes do senador amazonense, este não era o que se pode chamar de um pegador neste tipo de combate. Ao contrário, TAMBÉM tinha suas fragilidades, tanto que foi nocauteado devido a subsídios que concedeu à custa do Senado, a um tal pupilo para este ir estudar teatro na Espanha. Foi uma luta rápida, transmitida para todo o Brasil pela TV Senado. Ademais, o queixo do Lula está muito bem reforçado pelas muitas “bolsas” que ele costuma distribuir à grande maioria dos seus adeptos.

    1. Nao lembro de haver lido,neste blog, alguma reclamacao contra a doacao, e foram alguns BILHOES DE REAIS, feita aos banqueiros que nao podiam quebrar , lembram do PROER, aquilo também foi dinheiro público DOADO, para os RIQUINHOS DESTE PAÍS, nao ficarem tristinhos nem correrem o risco de ficar menos ricos; também nao me lembro de nenhuma reclamacao mui recente, agora no governo LULA, que liberou uma FÁBULA, prás montadoras de automóveis nao demitirem trabalhadores do setor, mesmo assim ocorreu desemprego.
      É sempre assim, quando se trata de bolsa família, muito s chiam, agora quando é prá estofare forrar as contas dos RICOS DESTE PAÍS, ninguém se manisfesta, por que?
      Até quando vai, essa manifestacao de subserviencia?

      1. Caro Silas,
        Não seja por isso, ALÉM DOS PROTESTOS QUE JÁ FIZ em postagens anteriores, subscrevo qualquer lista de reclamações ou protestos às desonestidades cometidas pelos Tucanos e Demos, todos eles, locais e nacionais, . Saiba que não voto mais no Lula, ou em quem ele indique, para continuar a sua obra, pelo simples motivo de considerar que ele se tornou tão ou mais Tucano ou Demo e RICO, do que o Fernando Henrique, o Serra e outros menos votados, mas não menos vorazes.

        De outra parte, se não estou enganado, subsídios para a indústria, seja lá quem for o autor da concessão, na declarada tentativa de frear o desemprego decorrente de uma crise mundial, não me parece uma medida demagógica e eleitoreira, merecedora de crítica. E até aqui não se tem notícias de que tenha se tratado de uma negociata, de uma simulação, enfim, de alguma falcatrua. Mas, se você tiver alguma informação consistente a tal respeito é só prestar aqui no blog que eu, de pronto, também me posiciono contrário aos subsídios fornecidos e faço o meu protesto. Saiba que atribuo muita credibilidade à sincera convicção de suas postagens, mesmo quando delas discordo.

        No mais, realmente tenho opinião contrária à bolsa família, não pelo programa propriamente dito, mas pelo uso demagógico e eleitoreiro que me parece lhe é dado pelo governo Lula. Confira as bases de minha opinião.

        O governo cobra tributos altíssimos não oferecesse os serviços públicos essenciais minimamente dignos para o cidadão de um modo geral, e nenhum para a classe menos favorecida, mas aí garante o seu curral eleitoral, mediante o engate do eterno cabresto representado pelas bolsas.

        E os resultados são, em apertada síntese: um número muito grande de pais que não trabalham e nem fazem questão de trabalhar, pois são sustentados pelos filhos através das bolsas; criminalidade entre adultos, crianças e adolescentes cada vez maior; mendicância e invasão dos logradouros públicos pelos informais cada vez maior; sinais de trânsito cada vez mais abarrotados pelos malabaristas, limpadores de pára-brisas, vendedores de balas e outras miudezas, a grande maioria crianças e adolescentes, que assim trabalham apenas financiar a aquisição da cola de sapateiro com a qual se entorpecem diante de todos; a morte em número cada vez mais elevado de adolescentes vítima do tráfico de drogas etc.

        E tudo isso já com quase oito anos das tais bolsas e a situação só piora. Ou seja, as bolsas não são utilizadas como um estágio inicial de urgência e emergência, para depois evoluir mediante outras ações sociais e econômicas mais abrangentes, para uma etapa de autonomia dos beneficiários.

        Como se tudo se resumisse em perpetua e exclusivamente dar dinheiro público para que ditas pessoas se alimentem e “abram crediário” para adquirir televisão, geladeira, aparelhos de som e outros bens desta natureza, como se a dignidade das mesmas estivesse vinculada perpétua e exclusivamente à satisfação da necessidade de consumo estimulada pela propaganda ou ao prazer de tomar aquela cervejinha gelada sem ter que recorrer ao ‘barbante para mergulhá-la na água do poço’ como o Lula diz que fazia quando era pobre.

        Deveras, a impressão que dá é que as bolsas são usadas propositadamente apenas para manter vivos os beneficiários, mas sempre naquela condição de dependência, de molde a que eles possam estar sempre em situação e condições de dar sua contrapartida nas urnas no momento oportuno.

        E isso não é coisa que eu tenha extraído deste ou daquele veículo da grande mídia. Trata-se de constatação feita na zona metropolitana e em alguns municípios do interior.

        Mas, também lhe garanto que se você tiver elementos diferentes destes que eu estou lhe passando, de preferência que não sejam provenientes das frias estatísticas oficiais, estou pronto para examiná-los e mudar de opinião, se for o caso.

        Com efeito, na parte que me diz respeito, posso lhe garantir que não se trata de subserviência. Trata-se de opinião (diferente da sua, é verdade; mas, tão sinceramente convicta quanto) calcada em elementos experimentados em meu cotidiano. Cordiais saudações.

      1. A natureza do ‘sopapo político’ e até a causa do insucesso na reeleição do senador amazonense, estão muito bem explicados no post respectivo, até mais do que seria necessário para alguém que, como você, me parece ser um arguto observador da cena política. Cordiais saudações.

  4. Sôbre as bravatas senatoriais, afirmo : ” o coronelismo ainda não acabou, apenas assumiu ares moderninhos “. Às vezes, por falta de humor na TV, assisto sessões da Camara e do Senado e divirto-me com os novos “coroneis”. Estes sem a autenticidade dos antepassados mas com “genialidade ” (a serviço próprio). O que não falta é dedo sujo apontando para todo lado e para toda cara mal lambida.

  5. Que ele é um fanfarrão eu não discuto. Porém, conseguiu juntamente com o governo e a bancada de deputados e senadores a copa para Manaus. Já a D. Júlia, os senadores paraenses e a bancada de deputados do Pará, dentre os quais o que está com a candidatura cassada, conseguiram o quê?

    1. Cara tu é um doido!!..rsrsr!1
      Tu mistura senador com gogerno!
      Diz pra gente quantos senadores do Pará são do PSDB??
      Dois, né? Ou melhor, duas bostas! Tô errado?

      “conseguiu juntamente co o governo”..kakak!!

      Tu não sabe é de nada!!
      o cara detonava a copa ir pro amazonas!! Só mudou de tom depois que a notícia vazou!!..Acorda seu alienado!!

  6. Gerson porque nunca vejo um comentario seu a respeito do indeferimento da candidatura do JADER BARBALHO?
    Gosto muito dos seus comentarios sobre futebol e musica, mas trabalhar em um jornal de um politico e vim falar de politica e um pouco demais não e?

    1. Sem problemas, Igor. Já informei aqui que me manifestarei sobre o tema assim que houver uma decisão definitiva sobre o caso, que aguarda julgamento do STF. Qualquer coisa dita agora pode perder sentido daqui a algumas semanas. Quanto ao legítimo direito de falar sobre o que bem entender, aqui no blog e fora dele, é questão de livre arbítrio, meu caro. Ou você, que parece tão democrático, é contra isso também? Recomendo calma e chá de erva cidreira, meu caro, pois isto é apenas roquenrôu.

  7. Ou seja, voce esta usando seu “livre arbitrio” quando so lhe convem, ou seja, parcialidade e com voce mesmo.
    falar de outros politicos sem vinculos com voce e facil, agora falar do politico que paga seu salario ja e complicado ne….
    Essa e a nossa imprensa!

    1. Esta é a sua opinião e eu respeito. Poderia dizer também, sobre você, que este é o tipo de crítico “imparcial” que nossa imprensa tem. Mas, não vou perder tempo analisando suas motivações partidárias. Estranho é você desprezar um aspecto: não me nego a opinar, camarada; apenas estabeleci uma data para isso a partir de uma razão concreta. Só não entendo (embora pouco me interesse) a razão de tanta urgência de sua parte.

  8. Opinião (a doxa dos tempos de Platão) é apenas uma impressão pessoal sobre alguma coisa ou fato – é uma manifestação sobre aparências, o visível, o superficial. Não tem nenhum valor objetivo, não obedece a nenhum princípio de racionalidade. A opinião está apenas no campo da emoção; contrariamente a teoria que está no âmbito da razão. Por ser de ordem pessoal a opinião (a doxa dos gregos) não pode ter qualquer caráter de imparcialidade.
    Não se exija jamais imparcialidade da opinião – isso seria uma aporia.
    O jornalismo trabalha diretamente com interesses específicos – no campo da opinião. A notícia é um construto, além de ser obviamente uma mercadoria negociada. Portanto, o jornalismo jamais, em tempo algum , será (ou poderá ser) imparcial .

  9. Gerson
    Nao tenho urgencia, vou aguardar pacientemente voce comentar algo sobre o indeferimento da candidatura do seu patrão.
    E principalmente: o conteudo!

Deixe uma resposta