Brasil vacila e é derrotado pelos hermanos

O Brasil jogou como nunca e perdeu como sempre. Essa é, infelizmente, a história recente do basquete brasileiro e se repetiu nesta tarde de terça-feira no Campeonato Mundial, na Turquia. A seleção jogou uma grande partida, mas perdeu por 93 a 89 da Argentina, uma das potências do esporte. A Argentina, campeã olímpica em Atenas-2004 e bronze em Pequim-2008, enfrentará na quinta-feira a invicta Lituânia por uma vaga nas semifinais. Quem ganhar, jogará contra o vencedor de Estados Unidos e Rússia. Os outros duelos de quartas de final colocam frente a frente amanhã a anfitriã Turquia contra a Eslovênia e a Sérvia contra a Espanha, atual campeã do mundo.

A derrota de hoje amplia a recente freguesia do Brasil diante da Argentina, a quem só tem conseguido vencer em jogos de torneios menores, sem as seleções principais em quadra. No Mundial de 2002, nos EUA, os argentinos tiraram o Brasil também nas quartas, também em um jogo equilibrado. Em Istambul, a história foi quase a mesma. O primeiro quarto acabou empatado, e o Brasil foi para o intervalo vencendo por 48 a 46, após 18 pontos de Marcelinho Huertas.

No terceiro quarto, no entanto, foi quando a seleção teve sua maior chance. Mesmo sem Leandrinho em quadra, carregado com faltas, o Brasil abriu sete pontos de vantagem e chegou a ter duas posses de bola para ampliar o marcador. Desperdiçou ambas, e viu a rápida reação argentina. O período acabou com empate em 66 a 66. No início do último quarto, duas bolas de três de Leandrinho colocaram o Brasil com seis pontos de vantagem. Mas duas bolas de três de Jasen, coadjuvante do time rival, voltaram a deixar o placar igual.

A partir daí, o Brasil claramente se desesperou em quadra e passou a jogar de forma individualista e improdutiva. Luis Scola, o cestinha do campeonato e jogador do Houston Rockets, da NBA, tomou conta da partida e matou a defesa brasileira. Ele acabou o jogo com 37 pontos e 9 rebotes. Huertas foi o destaque do Brasil, com 32. (Da ESPN)

Cabe dizer, porém, que os argentinos lideram o ranking da FBA e têm Scola, que é um tremendo jogador de basquete – um dos melhores do mundo.

3 comentários em “Brasil vacila e é derrotado pelos hermanos

  1. Amigo Gerson,
    Mesmo respeitando a sua opinião, discordo que “entregamos” o ouro para os argentinos. Perdemos para uma equipe qualificadíssima vendendo caro a derrota. Não é a toa que os caras hoje ocupam o topo do ranking da Fiba, a frente até de americanos e espanhóis (http://www.fiba.com/pages/eng/fc/even/rank/p/rankMen.html).
    Temos de lembrar que estamos em um processo de resgate do basquete Brazuca, iniciando um ciclo de uma nova equipe para voltar a figurar com destaque na elite do Basquete mundial e acho que nosso primeiro passo neste novo ciclo foi gigantesco.
    Voltando ao jogo, faltou alguém que segurasse o Luis Scola que é um Monstro em quadra. Ele fez a diferença.
    Só nos resta seguir com o trabalho que está sendo feito pelo Magnano. Estou certo que a continuidade do trabalho nos levará de volta aos Jogos Olimpicos já em 2012, conquistando uma das duas vagas do Pré-olimpico de Mar del Plata.

    1. Cláudio, concordo, em parte, que o “entregar” foi exagerado, produto da irritação com a derrota e da percepção de que no terceiro quarto podíamos ter matado a parada.

  2. Pode até ser exagerado, mas explica uma boa parte do que ocorre na seleção brasileira. Enquanto Ginoble(que está contundido), Scola, Orta, Delfino e todos que jogam fora da Argentina sempre defenderam a seleção, só agora os brazucas, exceção feita ao Tiago Spliter, resolveram defender a nossa. Louve-se o trabalho do argentino Magnano que formou um bom time, mas não pode fazer milagres, assim, nossa seleção perdeu para suas próprias limitações, como você bem lembrou, na hora de suportar a pressão de um adversário em desvantagem. Paciência. Vamos ver se esse trabalho tem continuidade.

Deixe uma resposta