Parabéns para o infante João e o “velho” José

Agosto reserva dois dias particularmente felizes para a família Nogueira e por isso peço a paciência dos amigos para essa breve janela familiar. Em primeiro lugar, neste dia 17, comemoramos o aniversário do infante João Gerson. São 9 anos de idade, muita peraltice e alegria para todos que o conhecem (descontem, obviamente, a corujice empedernida do pai). No flagrante ao lado, em pose especial para o blog nesta manhã, o moleque ao lado de sua mascote Pipoca num momento de rara quietude. Amanhã, 18, é dia de homenagear meu “velho” pai José, vascaíno e tunante, ainda firme no trabalho diário aos 80 anos de idade. É o mais experiente (e competente) mestre de obras da região. Está lá em Baião, lógico, ao lado de minha mãe Benedita e minhas irmãs. Que Deus em sua imensa bondade guarde, governe e ilumine esses dois verdadeiros tesouros da minha vida.

16 comentários em “Parabéns para o infante João e o “velho” José

  1. Gerson, quero ter a primazia de parabenizar o João por esta importante data e a você pelo bom pai que é, não sendo necessária convicer mais de perto para saber disso, Ao seu Pai pelo dia de amanhã e que a sáude o conserve por muitos anos. E pipoca que teve a felicidade de te-los como companhia fiel. Comemorem bastante que é mérito.

  2. Fico a imaginar a emoção do Gerson, ao digitar o post. Sinceramente, amigos, mas pra quem é Pai de verdade, sabe o quanto ficamos emocionados no dia do Aniversário de um filho e, no seu caso,Gerson, o que é melhor,antecedendo o Niver de quem ajudou a lhe colocar no mundo, seu Pai, logo, a emoção é dupla. Parabéns ao João,pelo dia de hoje e Seu José, pelo dia de amanhã. Saúde e Muitas felicidades aos dois.

  3. Gérson, não precisa pedir licença aos baluartes para homenagear seu filho e seu pai. Ambos também estão de parabéns pelo Comendador de Baião em suas vidas. Abs.

  4. Gérson, quando nos referimos aos filhos e aos nossos pais a emoção fica a flor da pele e isso sempre vi em voce. Parabéns aos aniversarantes. Sempre que meus filhos aniversariam, ouso um versinho e com o mesmo carinho dedico ao seu menino. Parabéns a Familia Nogueira.

    “João Nogueira”

    Não te vi crescer no ventre de tua mãe
    Nem mesmo acompanhei teus primeiros passos
    Não vi nascer seu primeiro dentinho
    Mas percebo o momento de carinho

    Seus pais esperavam o ser amado
    Que recebido como um anjo foi
    O grande Deus pediu atenção
    Pois lá vinha o pequeno João

    E assim se fez o menino
    de amor, paixão e carinho
    A festa estava completa
    Agora é só trilhar o caminho

    Meus desejos são os melhores
    pro menino da cidade das mangueiras
    Tenho certeza de sua vitoria
    Eis aqui “João Nogueira”

  5. Um simples acróstico. Parabens ao infante e ao seu Zé

    Jogo feliz é jogar entre
    O filho e o pai
    Ambos fazendo o que gostam
    Obras e brincar

    Gerações diferentes
    Encaminhador e encaminhado
    Rejúbilo em Baião e Belém
    Serão sempre a tua razão
    Onde estiveres
    Não importa

    Nogueira, amigo virtual,
    O importante é que és feliz
    Girando entre
    Um orgulho e uma promessa
    E que amanhã tenhas certeza
    Inconteste do fruto que deste
    Reproduz o fruto que és
    Ao teu querido José

    1. Amigos de boteco virtual, meus sinceros agradecimentos a todos que se manifestaram a respeito do post de aniversário de João e José.

  6. Gérson, aproveito o ensejo para parabenizar o novo visú do Blog. Está moderno e globalizado. A foto também melhorou: saiu o Gérson da blusa quadriculada formal e entrou um Gérson sorridente, jovial, fashion com um tom azul bem trabalhado. Parabéns!

  7. Gerso san, familia e’ familia.
    Saudacoes cruamaltinas ao Joao san, um mestre desses so podia obviamente ser cruzmaltino dos bons.
    Quando falo que ha’ tunante nos quatros cantos do mundo, tem gente q duvida.
    Ao infante um grande parabens(omedeto) e que siga sua caminhada peralta, ao lado de seu fiel amigo pipoca.
    Abcs.

  8. Harold, minha numerosa família materna é composta por remistas e uma minoria bicolor, dentre as quais minha mãe. Entretanto, há uma pequena trincheira de tunantes por parte de minha falecida tia Lulu. Por conta deles, aprendi a respeitar os tunantes. A história dela foi muito bonita. Era uma das mais velhas de uma família tradicional de brancos descendentes de espanhóis e portugueses que se abrigaram na região do Salgado no final do século XIX, mais precisamente no município de Marapanim quando ainda era Vila de Bom Intento. O patriarca, meu avô Avelino Neves Franco (quer algo mais ibérico que esse nome?), falecido em 1987, foi Adjunto de Promotor Público naquela Comarca e chefiava numerosa prole, de onde saiu mamãe e tia Lulu. Pois bem, minha tia, ainda nova, rompeu com a tradição e o preconceito racial forte à época, fugiu de casa para casar com um negro devoto da forte religiosidade de matriz africana, chamado Raimundo Nantes, membro da Polícia Militar e enfermeiro durante muito tempo da gloriosa Tuna Luso Brasileira. Ambos já faleceram, mas deixaram a única filha, Nonata, prima com a qual possuo carinho especial, por tudo que ele representa para minha família e por ter nos ensinado basicamente duas coisas: superar preconceitos e gostar da Tuna. Meu tio era tunante até no nome e com ele aprendi a admirar craques como Jorginho de Castro, Quaresma, Darinta, Haroldo, Mesquita e outros egressos do esquadrão verde dos anos 70. Por isso, gosto da Tuna e fico triste com o desaparecimento desse grande clube do cenário futebolístico. Grande Tuna de meu tio Raimundo Nantes, conhecido somente pelo nome de guerra, “Nantes”. Tenho certeza que no mínimo chegaste a tomar boas doses de infravermelho do aparelho milagroso do tio Nantes. Rs.

Deixe uma resposta