Sem motivos para foguetório

De saída do estádio Ellis Park, tentando resistir bravamente à temperatura de 2 graus, converso com vários colegas e o sentimento expresso é unânime: o Brasil ficou devendo uma estreia mais condizente com sua história de conquistas e tradição de futebol-arte. Penou para garantir o triunfo, com direito a alguns sustos. O gol da modesta equipe norte-coreana nos instantes finais pôs as coisas em perspectiva: a Seleção passou com dificuldades por seu primeiro desafio na Copa. O dado preocupante é que a Coréia do Norte é o mais fraco de todos os 32 times disputantes – pelo menos, segundo o ranking da Fifa.

Há, portanto, um longo caminho a percorrer, que passa principalmente pela recuperação técnica de Kaká, que demonstrou falta de confiança para comandar as ações criativas do time. Robinho precisa de mais liberdade para ousar e talvez aos poucos ganhe o papel de verdadeiro líder em campo, por mérito. Duro é constatar que os reservas imediatos não têm sequer a confiança do treinador. Júlio Batista seria o substituto natural de Kaká, mas Dunga optou por Nilmar. Kleberson entraria no lugar de Elano, mas o treinador decidiu improvisar Daniel Alves.

A explicação de Dunga, na coletiva pós-jogo, para a dificuldade de enfrentar retrancas não merece ser levada a sério, por óbvia e inconsistente. Afinal, ao longo dos anos, sempre foi assim: o Brasil, temido por todos, obriga qualquer equipe a se acautelar. Já é tempo de arranjar meios de saber atacar em situações assim. Ficar tocando bola e esperando o tempo passar não é estratégia; trata-se apenas de falta de ideias.

Mas muitos vão comemorar os três pontos e ninguém pode dizer que estão errados. Claro que há valor na vitória, mesmo magra. Valeu a liderança provisória do grupo. Os mais observadores, porém, certamente ficaram com a pulga atrás da orelha. O velho temor de que o pragmatismo de Dunga pode nos deixar a pé está mais forte do que nunca. A não ser que ocorra um milagre, torcer pelo escrete será um exercício de sofrimento.

17 comentários em “Sem motivos para foguetório

  1. Na próxima rodada Portugal vai jogar mais cedo e, se golear essa Coréia, o Brasil não pode nem pensar em empate devido ao saldo de gols e já vai sentir uma pressãozinha, assim como a C. do Marfin, sob pena de pegar logo a Espanha, ou até mesmo de cair fora. Acho que o gol deles foi fruto de pura displicência, típica de quando se pensa que o jogo acabou, principalmente de G. Silva, que deixou o cara receber livre após um lançamento longo e um passe de cabeça e nem deu o combate, talvez com medo de tomar amarelo, e também do Lúcio, que não fez a cobertura – ou seja, não houve combate, nem cobertura e numa equipe que valoriza o sistema defensivo isso é imperdoável.

    1. Será uma rodada perigosa para o Brasil. Há a possibilidade de empate tríplice e saldo de gols será muito importante – como sempre é, aliás, em torneios curtos como a Copa.

  2. Não há motivo para foguetório e nem para surpresas. Decididamente, não dá para se esperar show de bola da Seleção de Dunga, até porque essa equipe vem jogando assim há séculos, ou seja, tem muitas dificuldades quando enfrenta retrancas.

    Não há jogadas táticas para abrir a zaga adversária e fica nesse bate e volta.

    Resultado válido pela vitória, mas acredito que tenha valido como alerta.

    1. Concordo, Diogo. É tão previsível o jeito desta Seleção jogar que qualquer time (até a Coréia) consegue anular as principais jogadas.

  3. Eia aí minha preoucupação se confirmando. O Brasil não sabe sair de retrancas,pois é um time armado para jogar exclusivamente nos contra ataques.

    Contra a Costa do Marfim será um jogo durríssimo, pois esta seleção não poderá aprtir para cima do Brasil, ja que correrá risco de ser eliminada precocemente.

    Analisando o melhor que temos na África (ja que os melhores não foram convocados e ainda convocaram o Kaká bichado, como o próprio Dunga admitiu na entrevista), nosso melhor time seria:
    Julio César, Maicon, Lúcio, Ruan e Michel Basto (ainda prefiria o Roberto Carlos, incrível que pareça, basta o ver jogando no Corintians), Gilberto Silva, Elano (poderia ser Ramires), Kaká, Robinho, Nilmar e Luis Fabiano.
    Técnico: O povo Brasileiro.
    Abraço!

  4. Alguém viu uma seleleção brasileira por aí?

    Se virem, por favor, me digam! Porque o que eu vi hoje, foi um time “europizado”, joando igualzinho a eslováquia!

    O Dunga descaracterizou totalmnte o futebol brasileiro!

    Agora entendi porque o Ganso foi “limado”!

    1. O grande problema, meus caros, é que Dunga, à frente da seleção, não traiu suas próprias convicções sobre o futebol. A equipe é o retrato fiel do seu “magister”. Dunga, quando jogador, possuia parcos recursos técnicos, e os compensava com muita entrega, cobrança junto aos companheiros e disposição dentro das quatro linhasa. Era o volante-volante, e como tal, pensa e molda a Seleção segunda sua visão futebolística, oriunda dos tempos “volantescos”. Times e jogadores que possuissem ofensividade, qualidade técnica e dribles sempre foram vistos por ele como inimigos, algozes que precisavam ser eliminados na primeira tesoura ou no próximo carrinho sem bola. Esqueceu, portanto, que as vitórias dependem mais da presença do que da destruição e da ausência desses atributos.

  5. Nunca vi uma seleção brasileira tão ruim. Entre todas as favoritas, a do Brasil é a pior, disparadamente.

    Só ganhou porque o time amador da Coréia, composto de nanicos e que sequer têm preparo físico para correr noventa minutos, morreu em campo no segundo tempo.

    De quebra, essa seleção horrível do Dunga conseguiu tomar um gol da Coréia, time que será goleado impiedosamente pelos adversários. O mais ridículo foi ver o narrador global bobalhão torcendo pro juiz terminar o jogo, temendo que a Coréia empatasse!

    Sério risco de ficar pelo caminho ainda na primeira fase!

  6. Fiquei imaginando, Gerson, vc num jogo desse, vc tem Ganso e Neymar no banco e, os coloca em campo e faz uma frente com os dois e o Robinho. Amigos, te dizer, era um abraço. Apesar de ser o 1º jogo, mas fiquei preocupadíssimo com a nossa seleção e, principalmente poque Kaká está jogando só com o nome e, Robinho precisa render mais para o time e não só pra ele. Essa seleção me fez lembrar aquela do Lazaroni. Te contar.

  7. A largura do Dunga tem impedido que se faca uma analise mais critica, por parte de setores da imprensa. Ganhou tudo entao ta tudo bem. Quem viu a copa america, sabe disso. Jogamos mal todo o torneio e por sorte fomos pra final, enquanto a Argentina arrebentava. Na final, os alvi-azuis nao jogaram nada e o Brasil ganhou o titulo. Se prevalecesse o que ambos apresentaram durante a competicao, o Brasil seria impiedosamente goleado, o que nao ocorreu. E agora?

  8. Copa América, Copa das Confederações ……. Campeonato Paraense, há muito não servem de parâmetro para nada. Este último quando o Remo foi Bi sofreu duas quedas e o Paysandu é Bi e não consegue sair da terceirona. Precisamos acordar !

  9. O Brasil sai como líder desse grupo sem maiores dificuldades.
    Já o segundo colocado, esse sim, será conhecido no saldo de gols.

  10. Ganhei no bolão, palpite certo!!! Não esperava mais. Agora torcer pra que passemos nas quartas, o que acho dificil.
    Agora de tudo que vi ontem o que mais chamou minha atenção foi aquele bbzinho lindinho, Jong Tae-Se, esse camisa 9 da Coreia puro choro…me lembrou os jogadores do botafogo rsrsrrssr

Deixe uma resposta