Pelo sonho da liderança

POR GERSON NOGUEIRA

Derrotar o Botafogo-PB neste domingo dos namorados, às 19h, na Curuzu, pode dar ao PSC a liderança do Brasileiro da Série C. Isso se confirmará se o Mirassol perder, jogando fora de casa, contra o ABC-RN. Com o melhor ataque da competição (18) e maior saldo de gols (10), o Papão pode virar líder até se os paulistas ficarem no empate em Natal. 

É uma situação extremamente favorável ao time de Márcio Fernandes, e a torcida sabe disso. Por essa razão, o jogo deve marcar novo recorde de público do Papão no campeonato, superando a partida diante do Manaus, que levou quase 11 mil pagantes à Curuzu.

A lua-de-mel entre time e torcida é um dos pontos determinantes da boa caminhada do PSC na Série C. Ao contrário de anos recentes, o torcedor demonstra confiança. Acredita na classificação e aposta no acesso.

No ano passado, sob o comando de Vinícius Eutropio e Roberto Fonseca, o time teve trajetória caótica, quase sempre jogando muito mal e sem passar a menor confiabilidade. Desta vez, as coisas estão diferentes. O time vai bem até quando precisa improvisar ou substituir jogadores importantes.

É um sinal óbvio de que tudo está bem ajustado. Márcio Fernandes teve lá seus momentos de invencionice – como a preferência por Henan e por Bruno Leonardo na zaga –, mas, aos poucos, foi refazendo conceitos e hoje está inteiramente consciente sobre as melhores escolhas.

Como possibilidade de evolução, ainda é possível esperar que Marlon seja posicionado como atacante, sem obrigações de recompor ou articular jogadas. Mais hábil jogador da equipe, é também um dos principais finalizadores, mas seu aproveitamento é maior quando joga próximo à área adversária.

Até o final do campeonato talvez seja utilizado dessa forma, dando ao time muito mais do que já contribui. O meio-campo mais produtivo precisa ter sempre Mikael, Wesley e José Aldo, com Serginho ou João Vieira ou Gabriel Davis no suporte.

No confronto de hoje, será fundamental evitar as armadilhas do Botafogo nos contra-ataques. Não se trata de um adversário que abre mão do jogo ofensivo, ao contrário do Manaus, que veio exclusivamente para não perder. O Belo deve ser mais reativo, como foi o Volta Redonda.

É preciso estar atento a essas possibilidades e ao perigo representado pela inconstância da lateral direita, onde Leandro Silva substitui o titular Igor Carvalho. Do lado esquerdo, Patrick Brey (cujo acordo contratual expira no próximo dia 30 de junho) é garantia de qualidade no apoio ao ataque.

O ataque, como de hábito, depende imensamente do que a meia-cancha produzir. José Aldo, Marlon e Serginho são mais agudos que Pipico e finalizam melhor que Robinho. Não há, no sistema praticado pelo PSC, jogo ofensivo sem a presença dos meias mais habilidosos. É através deles que as vitórias têm sido construídas.

Bola na Torre

O programa vai ao ar às 21h30, na RBATV, sob o comando de Guilherme Guerreiro e participações de Giuseppe Tommaso e Laís Santos, do DOL. Em pauta, as rodadas das séries C e D do Brasileiro. A edição é de Lourdes Cézar.

Novo Mangueirão passa pelo primeiro teste

O longo imbróglio em torno da eleição do novo presidente da FPF pode atrapalhar a escolha de Belém como sede do último jogo das Eliminatórias Sul-Americanas, o clássico Brasil x Argentina, suspenso no ano passado e até hoje sem local definido. A CBF já sinalizou que o jogo será no dia 22 de setembro, por coincidência a data prevista para inauguração do novo Mangueirão (estádio estadual Jornalista Edgar Proença).

Além do jogo com a Argentina, a Seleção fará ainda um amistoso, previsto para 25 de setembro – última data Fifa antes da Copa do Catar. Para designar Belém como sede do clássico, a CBF levará em conta a situação institucional do futebol no Pará, apesar de ter assumido um compromisso com o governador Helder Barbalho ainda em 2020.

A novela do confronto adiado de setembro do ano passado pode ter desdobramentos no tapetão. CBF e Associação de Futebol da Argentina (AFA) pleiteiam os pontos da partida, protestando contra a partida às vésperas do mundial. O tribunal da Fifa julgará os recursos apresentados, mas é improvável que a partida seja simplesmente esquecida.

Como o local precisa ser anunciado, a CBF providenciou uma vistoria técnica, que acontece na quarta-feira (15), sob coordenação de Juninho Paulista, um de seus diretores. Do relatório dele vai depender a confirmação, sendo que o anúncio terá de ser feito até dia 22 de junho.  

Com mais de 70% das obras já concluídas, o Mangueirão renascerá na forma de uma arena moderna. Curiosamente, a última vez que a Seleção jogou em Belém, em 2011, o adversário foi a Argentina no Superclássico das Américas. Triunfo brasileiro por 2 a 0, com direito a um show especial da plateia no Mangueirão cantando o hino nacional à capela.

Para o jogo, se for confirmado, o estádio terá como principal novidade a capacidade ampliada, passando a receber 53.645 espectadores (35 mil anteriormente). O gramado também será inteiramente refeito e a iluminação estará à altura dos padrões da Fifa.

Até breve

A coluna entra em recesso de 20 dias para férias do escriba baionense e folga dos 27 baluartes. Até a volta.

(Coluna publicada na edição do Bola deste domingo, 12)

Deixe uma resposta