Por que Lula?

Por Marcelo Ramos (*)

Pré-candidato a presidente pelo PT, Luiz Inácio Lula da Silva quer revogar a reforma trabalhista. Eu discordo. Lula é contra a independência do Banco Central. Os deputados do PT se opuseram ao projeto. Eu votei a favor. Lula é contra a capitalização da Eletrobras. O PT votou contra. Eu votei a favor. Em 2019, presidi a Comissão Especial da reforma da Previdência. Não medi esforços para que ela fosse aprovada. O PT votou contra.

A visão de mundo do ex-presidente Lula e a minha são diferentes, sobretudo em relação à economia. Muitas de nossas posições são antagônicas nesse campo tão essencial. Mas concordamos em algo ainda maior: a democracia. E é por isso que estarei com Lula nesta eleição.

Lula é um democrata. Nos seus oito anos no Palácio do Planalto, ele conviveu com uma das oposições mais aguerridas da história republicana. Enfrentou oposição no campo político, nos meios de comunicação e em poderosos setores econômicos. Mas não desistiu da democracia.

Esta é a história. Lula foi impedido de tomar posse como ministro por um áudio captado e divulgado ilegalmente —e continuou acreditando na democracia. Lula assistiu ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, sua aliada —e continuou acreditando na democracia. Lula recebeu ordem de prisão em um julgamento hoje reconhecido como viciado e se entregou para cumprir pena diante de uma multidão que queria que ele resistisse —e continuou acreditando na democracia. Lula não negociou a pena que lhe imputaram, aceitou o martírio até ser solto nos marcos do Estado de Direito —e continuou acreditando na democracia. Lula esperou a devolução dos seus direitos políticos antes de voltar ao combate pelos corações e mentes dos brasileiros —e provou que vale a pena acreditar na democracia.

Essas já seriam razões mais do que suficientes para apoiar Lula, mas há ainda outras. Vamos olhar a eleição pelos verdadeiros dramas dos brasileiros: a fome, o desemprego e a inflação. Sob essa ótica, a disputa se dará entre quem combateu a fome e quem promoveu a fome, quem combateu o desemprego e quem promoveu o desemprego, quem combateu a inflação e quem promoveu a inflação.

O Brasil pós-Covid tem fome. O desemprego atinge 12 milhões de brasileiros e brasileiras. Isso não é uma estatística. É uma tragédia na vida de cada pai e mãe de família que acorda de manhã sem ter trabalho, incapaz de, com o suor do seu rosto e o calo das suas mãos, colocar um prato de comida na mesa dos seus filhos.

Quando a inflação voltou à casa dos trabalhadores por uma porta, a carne saiu por outra. Depois foi o frango e o ovo. A inflação tira dos mais pobres o direito de cozinhar, porque muitos têm de escolher se vão comprar o botijão de gás ou a comida. Tira o acesso à luz elétrica. Inviabiliza a viagem de carro para visitar um amigo ou um parente, porque é difícil encher o tanque com o litro de gasolina a mais de R$ 7.

O desafio desta eleição é não se deixar cair nas ciladas do presidente Jair Bolsonaro (PL), um mestre em criar polêmicas que pouco ou nada importam para que está lutando por sua sobrevivência. Gritaria, ameaças às instituições e atos que resvalam na ilegalidade são só armas para nos desviar do que importa de fato. São outros os dramas dos evangélicos, dos católicos, das adeptos de religiões africanas, dos ateus, do torcedor do Corinthians de Lula —que vai muito bem— e do meu Vasco —que vai muito mal.

O desafio é fazer uma cruzada por democracia, comida, emprego e renda. É hora de estendermos as mãos aos empresários e empreendedores deste país. Vamos oferecer ambiente regulatório sadio, segurança jurídica, responsabilidade fiscal, crédito, um sistema tributário justo e simples. Vamos dar as mãos aos trabalhadores que, mesmo diante de tantas dificuldades e injustiças, teimam em acordar cedo, pegar o ônibus, trabalhar duro e voltar cansado para casa com o sustento da sua família. Vamos dar as mãos aos jovens, que acreditam no país e carregam nos seus sonhos o futuro da nação.

Por mais que eu discorde dele, hoje essa cruzada é Lula.

(*) Deputado federal (PSD/AM), vice-presidente da Câmara dos Deputados

(Foto: Ricardo Stuckert)

Deixe uma resposta