Confronto de artilharias

POR GERSON NOGUEIRA

Neste começo de Série C, de equilíbrio entre os times e acentuado nivelamento por baixo, poucos clubes se destacam pela  quantidade de gols marcados. Os dois mais competentes quanto a gols marcados se enfrentam hoje, na Curuzu. PSC e Volta Redonda é o confronto que pode definir a  liderança quanto o desempenho ofensivo – ambos têm 12 gols marcados. Os times ocupam posições distintas na tabela. O Voltaço é o terceiro colocado, o Papão está na 10ª colocação.

Para sair da posição intermediária e voltar à zona de classificação, o time de Márcio Fernandes deve voltar a imprimir um jogo de pressão no ataque, sustentado por grande movimentação e rodízio de jogadores do meio para a frente. O retorno do meia José Aldo é motivo de esperança quanto à reabilitação dos bicolores, que sofreram a primeira derrota na rodada passada, diante do S. José, for de casa.

Com José Aldo, o PSC ganha em mobilidade e capacidade criativa, contando com o auxílio direto do volante Wesley e de atacantes rápidos, como Robinho e Marlon. No comando do ataque, Danrlei tem chances de retomar a titularidade. Quando ele joga, o time é mais forte nas ações de área. Marcelo Toscano, que tem a preferência de Márcio Fernandes, movimenta-se bem, ms não é um centroavnte de ofício.

Apesar do bom desempenho quanto à capacidade de fazer gols, o PSC convive com outro problema: obter um ajuste definitivo para o sistema defensivo, que sofreu cinco gols e oscila bastante. Algumas opções foram tentadas, mas um único zagueiro se manteve sem sofrer contestação: Genilson, que também é capitão do time, se mantém absoluto e é o único jogador dos considerados titulres que jogou todas as partidas até agora.

A dúvida é quanto ao seu parceiro de zaga. Lucas volta a ser considerado para a  função, após apresentações pouco consistentes de Bruno Leonardo.

Bola na Torre

Guilherme Guerreiro comanda o programa, a partir das 21h, na RBTV, com participação de Giuseppe Tommaso e deste escriba baionense. Em destaque,  a campanha dos clubes paraenses nas séries C e D. A edição é de Lourdes Cézar.

Fim de novela: Leão descarta proposta de SAF

O assunto só iludiu incautos, mas, para não deixar dúvidas, o Remo se manifestou oficialmente na sexta-feira sobre a  polêmica proposta de aquisição da Sociedade Anônima de Futebol (SAF). A nota oficial resume bem o posicionamento do clube:

“A propósito das notícias veiculadas nos meios de comunicação, acerca da proposta de aquisição da Sociedade Anônima de Futebol (SAF) do Clube do Remo, realizada por VL Gold Lux LLC, informamos que nosso setor de compliance e nossa assessoria jurídica analisaram detidamente a oferta e constataram que as condições envolvidas não conferiam segurança jurídica ao Clube. Entendemos que a SAF, enquanto modelo para gestão do futebol, pode ajudar os clubes brasileiros em seu processo de evolução e de solução de pendências trabalhistas e fiscais, sobretudo se conduzida com seriedade, comprometimento e com a visão para além do retorno financeiro.

Da mesma forma, consideramos natural que, fruto de um trabalho coletivo, uma agremiação esportiva tradicional, consagrada, que tem como maior patrimônio sua história vencedora e sua imensa e apaixonada torcida, desperte a atenção de investidores. Contudo, todas as propostas apresentadas devem ser avaliadas com muita prudência, serenidade e responsabilidade, sem qualquer precipitação, tendo em vista o compromisso de sempre buscar o melhor para o Clube do Remo”.

Direto do blog campeão

“Preocupa-me nessa oportuna e necessária reforma e adequação do Mangueirão ao conceito de ‘arena’, não ter lido ou visto nada que se reporte à melhoria e ampliação do sistema viário do entorno. Se com capacidade de 35.000 espectadores já era um sufoco chegar e sair do estádio, o que se pode projetar com 55.000 (+ 57,14%), se nada for melhorado na logística viária? Lembro, por duas ocasiões em que o PSC disputou finais da Copa Verde, contra Gama e Luverdense, ter me decepcionado; em uma adentrei o estádio já decorridos 30 min do 1º tempo, e na outra, voltei prá casa na altura do Conjunto Catalina.

Os acessos atuais, pela Augusto Montenegro (com chegada/saída em nível, disputado com fluxo contrário, vindo de Icoaraci) e pela Independência (através da estreita e conturbada Transmangueirão) precisam ser considerados com a mesma prioridade dos demais itens do projeto, sem o que o torcedor não terá a motivação e conforto ampliados, para contribuir com a evolução de nosso futebol”. George Carvalho

Marcha inglória da Águia Guerreira na Série D

A trajetória tortuosa da Tuna no Campeonato Brasileiro da Série D, com dois pontos conquistados em seis jogos disputados e lanterna de seu grupo, não configura um vexame apenas dos cruzmaltinos. É mais que isso. Representa um sinal preocupante da capacidade competitiva do futebol paraense em competições nacionais, mesmo que seja na mais fraca de todas.

Esperava-se um recuperação do time de Josué Teixeira no jogo de sexta-feira contra o Pacajus, no Ceará, ms o resultado voltou  ser frustrante. Com gols marcados no segundo tempo, o time da casa venceu por 2  0 e assumiu a liderança provisória do grupo 2.

Com o novo tropeço, a Lusa chegou à quarta derrota no campeonato e soma dois pontos em 18 disputados, com aproveitamento de 11,11%. Como restam 24 pontos em disputa, o desfio tunante em busca de uma recuperação adquire contornos de missão quase impossível. 

(Coluna publicada na edição do Bola deste domingo, 22)

Um comentário em “Confronto de artilharias

  1. Realmente a pífia campanha da Tuna me deixou bastante decepcionado.
    Criei expectativas de que a eu iria ver um time lutando pra se classificar logo nas primeiras rodadas uma vez que é o único time de “tradição” diante de tantos nubentes.
    A alcunha de Águia Guerreira não faz jus ao atual elenco Cruzmaltino, infelizmente!

Deixe uma resposta