A surpreendente, triste e repugnante história do ídolo Gylmar dos Santos Neves

“Este é Gylmar Santos, o goleiro campeão de duas Copas do Mundo, 58/62, que arrastava suas glórias canarinhas pelos corredores sombrios do DOI CODI, ao som dos que agonizavam.

Leiam na sequência o relato do Blog do Juca Kfouri.

“Gylmar era despachante do DOI-CODI”, afirma Adriano Diogo. “Andava pelos andares da delegacia onde se torturavam e matavam presos.”
Gylmar foi o goleiro bicampeão mundial pela Seleção Brasileira, em 1958/62, pelo Santos, em 1962/63, e campeão do 4º Centenário pelo Corinthians.
Até hoje é considerado o melhor goleiro brasileiro e é ídolo tanto do Santos quanto do Corinthians. Morreu em 2013, aos 83 anos
“DOI-Codi foi o Destacamento de Operações de Informação – Centro de Operações de Defesa Interna, órgão do Exército, de inteligência e repressão nos tempos da ditadura. Nasceu em São Paulo, da chamada Operação Bandeirante, a Oban, que prendia, torturava e muitas vezes matava os opositores do governo militar na sua delegacia na rua Tutóia.
Adriano Diogo, 72 anos, passou 90 dias preso na Oban, onde foi barbaramente torturado, em 1973.
Com a redemocratização elegeu-se vereador e deputado estadual pelo PT e presidiu a Comissão da Verdade de SP.
“Ao ficar tanto tempo preso no mesmo lugar você cria proximidade com os carcereiros e eu vi o Gylmar nos corredores da delegacia muitas vezes. E perguntei: ‘Mas aquele não é o ex-goleiro Gylmar?’. Foi assim que soube o que ele fazia”.
“Ao sair da prisão, Diogo investigou mais a fundo o que significava ser “despachante do DOI-Codi”.
O que descobriu, além do que viu, é estarrecedor.
“Ele também esquentava a documentação de carros apreendidos em capturas de opositores pela Oban e vendia carros da GM, Opalas e Chevettes, para militares e delegados sem cobrança de impostos, por meio de autorização especial obtida por ele no governo federal.”
“Pelos bons serviços prestados à ditadura, e à General Motors, ganhou uma imponente concessionária da multinacional no Tatuapé 10/14 “…, por meio da qual favorecia amigos da repressão em parceria com Ricardo Izar, seu cunhado e deputado que apoiava a ditadura”.

Gylmar sempre revelou perfil conservador, embora só agora passado tão infame tenha vindo à luz, fruto da condenação de seu filho, Marcelo Izar Neves, 55, por injúria racial.

Ao discutir com um vizinho, Marcelo Neves, dono de camarotes em estádios de futebol, disse: “Por isso que os judeus se foderam na vida, Hitler estava certo, a raça de vocês, judeus, não presta”, e foi condenado a um ano de prisão, pena revertida para prestação de serviços à comunidade.

Gylmar também gostava de circular no andar de cima da cartolagem, tanto na FPF, que assessorou no começo da década de 1970, quanto na CBF. Doutor Sócrates contava que, em excursão da Seleção Brasileira, certo dia recebeu “visita surpresa” no quarto comandada exatamente por Gylmar: “Acho que ele esperava me encontrar sentado tomando cerveja e me encontrou deitado lendo. Ficou todo sem jeito e foi embora”.
“Nada que se compare a ter servido ao regime que matou 473 opositores sob proteção do Estado.”
Nunca esquecer.
• • •

Fonte do texto: https://blogdojuca.uol.com.br/2022/02/a-surpreendente-triste-e-repugnante-historia-do-idolo-gylmar-dos-santos-neves

3 comentários em “A surpreendente, triste e repugnante história do ídolo Gylmar dos Santos Neves

  1. Vejo sempre com muito cuidado essas acusações que aparecem do nada. Lembro aqui do que fizeram de mal com o grande Wilson Simonal. Para este, a injúria foi devastadora, pois acabou com a carreira dele. Gilmar, por sua vez, já morreu.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s