Jornalistas da Folha se posicionam contra “publicação recorrente de conteúdos racistas”

Do Comunique-se

antonio risério - carta contra conteúdos racistas na folha

Mais de 100 jornalistas da Folha de S. Paulo se uniram para, publicamente, criticar a conduta adotada pela direção da… Folha de S. Paulo. Em carta aberta enviada à secretaria de redação e ao conselho editorial do próprio veículo de comunicação, 186 profissionais criticaram o que definiram como “publicação recorrente de conteúdos racistas”. O grupo se diz preocupado com tal postura adotada pelo comando do jornal.

Na carta, os jornalistas revelam que a manifestação se deu por causa da divulgação do artigo intitulado “Racismo de negros contra brancos ganha força com identitarismo”. Assinado pelo escritor Antonio Risério (foto), o conteúdo foi publicado no último domingo, 16, chegando a ser compartilhado no perfil da Folha no Twitter, além de ganhar espaço na home do site do título.

O artigo de Risério não foi, no entanto, o único ponto mencionado no manifesto dos 186 jornalistas da Folha. O material entregue à direção do jornal afirma que colaborações de Leandro Narloch e Demétrio Magnoli já vinham cumprindo o papel de, segundo afirmação da carta, propagar “falácias e distorções” que “negam ou relativizam o caráter estrutural do racismo na sociedade brasileira”.

Com esses três articulistas mencionados, a carta em tom de repúdio à direção da Folha de S. Paulo questiona a estratégia por trás da veiculação de conteúdos desse tipo. O grupo indica, nesse sentido, que o objetivo da empresa de mídia seria meramente ganhar repercussão e audiência por meio de tais “polêmicas”.

“Acreditamos que esse padrão seja nocivo. O racismo é um fato concreto da realidade brasileira, e a Folha contribui para a sua manutenção ao dar espaço e credibilidade a discursos que minimizam sua importância”, afirmam os 186 jornalistas da publicação. “Dessa forma, vai na contramão de esforços importantes para enfrentar o racismo institucional dentro do próprio jornal, como o programa de treinamento exclusivo para negros”, prosseguem, em trecho do manifesto.

No caso do mencionado artigo de Risério, a própria Folha pulicou pelo menos outros três conteúdos relacionados ao tema. Primeiramente, em tomo de reportagem, afirmou que o texto questão provocou protestos. Depois, abriu espaço para dois artigos funcionarem como “respostas” ao escritor. Natália Silva, repórter da própria Folha, ironizou o que definiu como “privilégio negro“. O humorista — e colunista do jornal — Gregório Duvivier afirmou, por sua vez, que Risério defenderia o “racismo antibranco como um tio do Zap“.

m outro ponto do documento, os jornalistas analisam a conduta do veículo de comunicação em relação a outros assuntos. Afirmam, por exemplo, que o jornal não costuma dar espaço para textos que relativizam o Holocausto, “nem dá voz a apologistas da ditadura, terraplanistas e representantes do movimento antivacina”. “Por que, então, a prática seria outra quando o tema é o racismo no Brasil?”, questionam.

Ao tomar conhecimento da manifestação liderada por 186 jornalistas, ato que foi divulgado previamente por veículos como Brasil 247 e Poder 360, a reportagem do Portal Comunique-se enviou e-mail ao diretor de redação da Folha de S. Paulo, Sérgio Dávila. Ele não havia se pronunciado a respeito até o momento de publicação desta nota.

Citados nominalmente na carta entregue ao comando da Folha, Antonio Risério, Demétrio Magnoli e Leandro Narloch também não se posicionaram publicamente sobre o assunto — ao menos até o momento da publicação deste conteúdo.

A CARTA, NA ÍNTEGRA

Leia, abaixo, a íntegra do conteúdo formulado em conjunto por 186 jornalistas da Folha de S. Paulo.

19 de janeiro de 2022

Carta aberta de jornalistas da Folha à direção do jornal

Caros membros da Secretaria de Redação e do Conselho Editorial da Folha,

Nós, jornalistas da Folha aqui subscritos, vimos por meio desta carta expressar nossa preocupação com a publicação recorrente de conteúdos racistas nas páginas do jornal.

Sabemos ser incomum que jornalistas se manifestem sobre decisões editoriais da chefia, mas, se o fazemos neste momento, é por entender que o tema tenha repercussões importantes para funcionários e leitores do jornal e no intuito de contribuir para uma Folha mais plural.

O episódio a motivar esta carta foi a publicação de artigo de opinião intitulado “Racismo de negros contra brancos ganha força com identitarismo” (Ilustrada Ilustríssima, 16/1), em que Antonio Risério identifica supostos excessos das lutas identitárias, que estariam levando a racismo reverso.

Para além de reafirmarmos a obviedade de que racismo reverso não existe, não pretendemos aqui rebater o que afirma o autor —pessoas mais qualificadas do que nós no tema já o fizeram, dentro e fora do jornal.

No entanto, manifestamos nosso descontentamento com o padrão que vem se repetindo nos últimos meses.

Em mais de uma ocasião recente, a Folha publicou artigos de opinião ou colunas que, amparados em falácias e distorções, negam ou relativizam o caráter estrutural do racismo na sociedade brasileira. Esses textos incendeiam de imediato as redes sociais, entrando para a lista de mais lidos no site. A seguir, réplicas e tréplicas surgem, multiplicando a audiência. A controvérsia então se estanca e morre, até que um novo episódio semelhante surja.

Antes do artigo em questão, colunas de Leandro Narloch e Demétrio Magnoli cumpriram esse papel.

Acreditamos que esse padrão seja nocivo. O racismo é um fato concreto da realidade brasileira, e a Folha contribui para a sua manutenção ao dar espaço e credibilidade a discursos que minimizam sua importância. Dessa forma, vai na contramão de esforços importantes para enfrentar o racismo institucional dentro do próprio jornal, como o programa de treinamento exclusivo para negros.

Reconhecemos o pluralismo que está na base dos princípios editoriais da Folha e a defesa que nela se faz da liberdade de expressão.

No entanto estes não se dissociam de outros valores que o jornalismo deve defender, como a verdade e o respeito à dignidade humana. A Folha não costuma publicar conteúdos que relativizam o Holocausto, nem dá voz a apologistas da ditadura, terraplanistas e representantes do movimento antivacina.

Por que, então, a prática seria outra quando o tema é o racismo no Brasil?

Se textos como o de Antonio Risério atraem audiência no curto prazo, sua consequência seguinte é minar a credibilidade, que é, e deve ser, o pilar máximo de um jornal como a Folha.

Por esses motivos, convidamos a uma reflexão e uma reavaliação sobre a forma como o racismo tem sido abordado na Folha. Acreditamos que buscar audiência às expensas da população negra seja incompatível com estar a serviço da democracia.

Um comentário em “Jornalistas da Folha se posicionam contra “publicação recorrente de conteúdos racistas”

  1. Esperar o que de um jornal que deu apoio logístico e moral ao golpe de 1964 e foi pilar da imprensa ao golpe que destituiu a presidenta Dilma? Está no DNA desse jornal o golpismo e o apoio permanente às pautas da elite nacional, a mais deletéria do planeta, e particularmente da elite paulista.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s