No limite da segurança

POR GERSON NOGUEIRA

Marlon

O Remo estacionou nos 38 pontos e parece travado, sem conseguir avançar rumo à faixa dos 40, que dará tranquilidade para consolidar a pontuação mínima necessária à permanência na Série B. Pelas mãos de Felipe Conceição, a campanha é positiva, o time saiu do limbo para se posicionar no bloco intermediário.

Não há dúvida, a conquista da meta estabelecida desde o começo do campeonato está próxima. O clube se planejou para ficar na Segunda Divisão, de preferência sem sustos ou aperreios. O problema é que, a cada rodada sem evolução na tabela, surgem as aflições naturais geradas pelo equilíbrio da competição.

É cada vez menor a distância para os times que estão na parte inferior da classificação. Há quatro rodadas, o Remo mantinha folga de 11 pontos em relação ao primeiro da zona de rebaixamento. Hoje, essa diferença caiu para oito pontos – o Londrina (17º) tem 30 pontos.

A distância ainda é confortável, mas não há mais limite para vacilos. Por uma questão prática: caso não pontue amanhã, diante do Brusque, o Londrina pode alcançar 33 pontos e a vantagem cairá para cinco pontos.

Os riscos existem, embora ainda controlados. O Remo terá ainda quatro jogos em casa, com apoio do Fenômeno Azul, para garantir os 44 pontos apontados como necessários para a permanência. Sigo acreditando que a linha de corte será mais baixa, 43 ou 42 pontos.

No Baenão, o Leão terá pela frente Ponte Preta, Londrina, Goiás e Confiança. É perfeitamente possível que o time consiga pelo menos 10 pontos nesses quatro confrontos, além de outros bons resultados que podem ser obtidos fora de casa.

É justamente a performance do Remo como visitante que desperta críticas pelo excesso de relaxamento no começo das partidas, fato mencionado aqui a respeito dos jogos com Guarani, Sampaio Corrêa e Vila Nova.

A volta de titulares indiscutíveis, como o volante Anderson Uchoa, podem calibrar ainda mais a campanha no chamado último quarto da competição – os nove jogos finais. Além disso, já para o confronto de amanhã, Felipe Conceição volta a ter opções na defesa, podendo escolher entre Kevem, Jansen e Marlon, além de Edu, que ainda nem estreou.

O retorno de peças importantes vem na hora certa, pois a partir de terça-feira (19) o Leão inicia campanha na Copa Verde. Para o primeiro jogo, contra Galvez (AC) ou Ipiranga (AP), o time terá que ser mesclado, a fim de não comprometer a campanha na Série B.

Castanhal faz estreia categórica na Copa Verde

Como a dar uma resposta pela precoce eliminação na Série D, o Castanhal estreou em alto nível na Copa Verde 2021 superando o Fast Club, em Manaus, ontem, por 2 a 0. Fez um gol logo no início da partida, com Luquinha, e complementou na etapa final, através de Leandro Cearense.

Lembrou o Castanhal ousado e bem articulado dos melhores momentos da Série D. Time trocou passes, foi inventivo nas jogadas de aproximação e aproveitou bem as chances criadas.

É bem verdade que o Fast entrou com um time quase todo formado por jogadores sub-23, mas ainda assim é justo destacar a atuação do Castanhal, que se redime com o torcedor e abre a perspectiva de avançar na CV.

Papão une forças em torno do grande objetivo

Um pacto foi firmado entre comissão técnica, atletas e diretoria do PSC durante encontro realizado na terça-feira à noite, na Curuzu. A reunião foi fechada, sem presença de figuras estranhas ao futebol do clube. A ideia é fortalecer emocionalmente o grupo para os confrontos decisivos diante do Ituano, dentro e fora de casa.

Há a convicção de que, a exemplo de outras vezes em que o PSC conquistou o acesso, o time tem dificuldades técnicas e do ponto de vista coletivo, mas mantém boas condições de garantir a vaga à Série B.

O esforço para unificar o discurso em torno da causa maior partiu da percepção de que o empate com o Botafogo, na segunda-feira, havia deixado uma sensação de fracasso no ar. Não por acaso, ontem mesmo o goleiro Victor Souza, um dos líderes do elenco, não hesitou em afirmar que acredita firmemente no acesso. Confiança é tudo.

Pikachu, certeiro, garante vitória para o Fortaleza

O jogo era complicado, avançava sem grandes chances para o Fortaleza, apesar do esforço e dos ataques em sequência. O gol veio pelos pés do paraense Pikachu, que foi lançado com perfeição por Romarinho, que havia acabado de entrar em campo. A vitória recoloca o tricolor cearense no G4 da Série A.

Aos 34 minutos, a bola alcançou Pikachu livre no lado direito da área, descolando-se da vigilância dos zagueiros do Grêmio. Ele recebeu, girou rapidamente e acertou um disparo rasteiro, sem chances para o goleiro.

Gol com a marca de Pikachu, sempre preciso e implacável nas finalizações desde quando dava os primeiros passos defendendo o PSC. Foi o sexto gol dele na Série A e o nono na temporada.

Sob o comando do argentino Vojvoda, Pikachu reencontrou a paz e o bom futebol, passou a se posicionar como ala ofensivo e se reinventou, depois de ser surpreendentemente descartado do Vasco, onde cumpriu brilhante trajetória como um dos principais goleadores do time.

(Coluna publicada no Bola, edição desta quinta-feira, 13)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s