Adeus a Nani, um militante do humor

O cartunista Nani Foto: Reprodução/G1/Acervo Pessoal

O cartunista Nani, criador da tira Vereda Tropical e um dos mais produtivos profissionais do traço, morreu nesta sexta-feira (8), em Belo Horizonte, segundo informações do G1. Aos 70 anos, ele foi vítima da Covid-19. Ernani Diniz Lucas nasceu em 27 de fevereiro de 1951 na cidade de Esmeraldas, na Região Metropolitana da capital mineira. Ainda segundo o G1, ele estava fazendo isolamento em sua cidade natal desde o início do ano, quando se mudou do Rio de Janeiro.

De acordo com a família, Nani estava internado havia uma semana, após o diagnóstico da Covid-19. Ele fazia parte do grupo de risco da doença, pois chegou a passar por três transplantes de fígado em apenas um mês, em 2004. Ainda não há informações sobre enterro e velório. Ele deixa dois filhos, Juliano e Danilo, uma neta, a Manuela, e a mulher, Inez.

Conhecido em todo o país pelo apelido, Nani começou a carreira em Belo Horizonte, aos 20 anos, publicando charges no jornal “O Diário”. Mas desde muito cedo já desenhava. Leitor de revistas de humor desde a infância, Nani “teve um estalo” aos 13 anos, quando fez seu primeiro cartum.

“Um desenho muito ruim de dois piratas com ganchos, um dizia para o outro: ‘conheço essa região como a palma da minha mão’. A partir daí, eu desenhava freneticamente nas horas vagas, bolando cerca de quarenta cartuns por dia”, contou Nani em uma entrevista concedida em 2008 à L&MP Editores. Seguiu desenhando sob a influência do Millôr, Carlos Estevão e do Henfil até conseguir seu primeiro emprego na capital mineira.

Charge de Nani publicada em sua página no Facebook Foto: Reprodução

Em 1973, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde colaborou com “O Pasquim”. Ali, junto com seis outros artistas, criou “O Pingente”. Foi também chargistas do GLOBO, colaborou para edição brasileira da revista “Mad”, no “Jornal dos Sports”, “Última Hora”, “Diário de Notícias”, “O Dia” e na “Tribuna da Imprensa”.

“O Nani foi um mestre. Sua capacidade de produção era espantosa, um chargista prolífico como nunca vi, além de grande redator. Sentirei falta de sua conversa de fala mansa e seus desenhos extraordinariamente engraçados”, diz o cartunista e escritor André Dahmer.

Nani ficou conhecido por ser o criador da tirinha Vereda Tropical, publicada em diversos jornais pelo brasil na década de 1980. “Precisamos do humor para não morrer de realidade”, dizia Nani. Suas charges satirizaram a situação política, econômica e social brasileira ao longo das últimas décadas.

Em sua página no Facebook, o cartunista seguia publicando seu trabalho até dezembro do ano passado. Em uma das últimas charges compartilhadas na rede social, celebrava a chegada da vacina contra a Covid-19.

Na TV Globo, Nani trabalhou ao lado de Chico Anysio por 20 anos, como roteirista em Chico Total e Escolinha do Professor Raimundo. Ele também escreveu textos para os programas Casseta & Planeta, Sai de Baixo e Zorra. Com uma dezena de livros publicados, seu trabalho também lhe rendeu prêmios em Salões do Humor em Montreal, Niterói e Piracicaba. (Com informações de O Globo)

O blog lamenta a perda de Nani e se solidariza com seus muitos fãs. Seu traço singular, de humor fino e politizado, ilustrou dezenas de páginas deste espaço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s