Caboclo é afastado e Coronel Nunes assume interinamente presidência da CBF

Antônio Carlos Nunes de Lima, que assume a presidência da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) após o afastamento de Rogério Caboclo, recebia até o ano passado uma indenização próxima a R$ 15 mil reais do governo federal, como anistiado político da ditadura militar. Coronel Nunes, como é conhecido o cartola, não aparenta ter sido perseguido pelo regime: ele era membro da Polícia Militar do Pará, e chegou a ser prefeito de Monte Alegre, sua cidade-natal, em 1977.

CPI do Futebol realiza reunião para oitiva do presidente em exercício da CBF, Antônio Carlos Nunes de Lima. Logo após, apreciação de requerimentos. Em pronunciamento, presidente em exercício da CBF, Antônio Carlos Nunes de Lima. Foto: Geraldo Magela/Agência Senado.

Nunes foi considerado “anistiado” em maio de 2003, durante o primeiro mandato do governo Lula. De acordo com a Lei de 2002 que regulamenta o regime político do anistiado, a ele caberia além do título “reparação econômica, de caráter indenizatório, em prestação única ou em prestação mensal, permanente e continuada, asseguradas a readmissão ou a promoção na inatividade”. O Portal da Transparência, no entanto, não indica como o coronel da PM recebeu tais valores.

Foi apenas em junho do ano passado que, entre centenas de revisões, a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, revogou o benefício dado ao dirigente do futebol. Nesta data, ele já havia deixado o comando da principal entidade do futebol no Brasil, que havia dirigido entre 2017 e 2019.

A história foi revelada em 2016 pelo repórter Lúcio Castro, então na Agência Pública. A descoberta veio após o governo liberar a lista de anistiados políticos que recebiam indenizações dos cofres públicos.

Caboclo é afastado da presidência da CBF

O então presidente Caboclo foi afastado do cargo neste domingo, após o site ‘Globo Esporte’ expor uma investigação contra o dirigente por assédio, movido por uma funcionária da confederação. Após o Conselho de Ética da CBF pedir seu afastamento e após pressão de patrocinadores, Caboclo cedeu seu lugar por 30 dias. Desta forma,  Coronel Nunes – que aos 82 anos é o mais velho dos diretores – passa a comandar interinamente a organização.

A crise ocorre às vésperas da Copa América, programada para iniciar no país em 13 de agosto.

(Transcrito do Congresso em Foco)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s