O voo triunfal da Águia

Tuna Luso comemora classificação para a final do Campeonato Paraense 2021

POR GERSON NOGUEIRA

Com arrojo, determinação e atitude vencedora, a Tuna se classificou ontem à noite para decidir o título estadual da temporada. Foi um jogo disputado em altíssima voltagem. Depois da vantagem inicial do Remo, a igualdade foi arrancada pelos cruzmaltinos nos instantes derradeiros. Nos pênaltis (6 a 5), a estrela da Águia brilhou garantindo a passagem à grande final.

Desde o começo, a Lusa procurou se impor ganhando a maioria das divididas e distribuindo-se em campo com gana e obstinação. O problema estava nos erros de passe, que comprometiam as investidas tunantes e permitiam aos azulinos uma superioridade momentânea, que se consolidou com o gol contra de Dedé aos 11 minutos do 1º tempo.

Uma rápida tabela entre Felipe Gedoz e Marlon confundiu a marcação. No cruzamento baixo, Dedé desviou para as próprias redes. Apesar das reclamações em relação ao lance, o esbarrão do zagueiro no árbitro no começo da jogada não configura irregularidade. A pressão da Tuna, porém, surtiu efeito. As marcações começaram a se inverter, refletindo a insegurança do apitador.

O Remo criou boas situações com Lucas Tocantins e Dioguinho, mas falhava na definição. A Tuna brigava pela bola e subia em bloco, sempre em velocidade. Quase chegou ao gol com um chute de Renan na trave. Depois, obrigou Vinícius a uma grande defesa em cabeceio de Artur.

Na virada para o 2º tempo, o jogo seguiu equilibrado, mas o Remo teve logo uma grande chance com Cariús, aos 6 minutos. Ele passou pela marcação e, diante do goleiro, bateu cruzado, facilitando a defesa.

Vibrante, mas com excesso de vigor por parte da jovem equipe tunante, a partida prosseguia com a Tuna buscando o empate. O Remo contribuiu bastante para isso. O técnico Paulo Bonamigo tirou Dioguinho, Lucas Tocantins e Cariús, lançando Erick Flores, Vinícius Kiss e Renan Gorne. Com isso, enfraqueceu o ataque e permitiu a pressão lusa.

Aos 38’, em cobrança de escanteio, Dedé subiu e tocou para o gol vazio, redimindo-se do gol contra. A zaga remista falhou e o goleiro Vinícius ficou pelo caminho, trombando no tunante Alexandre Pinho. Nos acréscimos, Gedoz bateu falta, Gabriel espalmou, Fredson aproveitou o rebote e o goleiro voltou a defender. Renan Oliveira ainda chutou para as redes, mas estava impedido.

Nos penais, Léo Rosa começou errando, mas a Tuna conseguiu fechar na frente, contando mais uma vez com excelente performance de Gabriel Bubniack, que pegou duas cobranças. O resultado, além de garantir a condição de finalista, dá à Tuna o direito de disputar novamente a Copa do Brasil 2022 – a última que disputou foi em 2008.

Muito além dos erros remistas – que não foram poucos, começando pelas substituições infelizes –, é preciso ressaltar os muitos méritos da Tuna, que cresceu nas últimas rodadas e foi obstinada nas semifinais contra o então favorito (e invicto) Remo. Classificação justa.

Papão supera Japiim e vai em busca do bi

Terminou sob forte emoção um jogo que foi fraco tecnicamente na maior parte do tempo. O empate em 1 a 1 nos 90 minutos, depois que Nicolas perdeu um pênalti, levou a disputa para a série de penalidades aumentando a angústia do torcedor. O Papão foi mais preciso na série extra e derrotou o Japiim por 4 a 2. O resultado, mesmo sofrido, garante a presença dos bicolores na decisão do Parazão 2021.

O primeiro tempo teve muito esforço e pouca inspiração, vários cruzamentos do PSC na área e muita cautela por parte do Castanhal. Com um trio de meio-campo formado por Denilson, Paulinho e Ratinho, o time de Itamar Schulle buscava o gol, embora criando pouco.

A coisa esquentou na etapa final. O Papão foi à frente e passou a pressionar com mais intensidade. Chegou ao gol após um vacilo de Cabecinha, que perdeu a bola na entrada da área para Ari Moura. O atacante dominou e disparou um chute certeiro, no canto esquerdo de Axel Lopes.

O Castanhal mexeu na equipe, colocou Fidélis aberto pela direita e Pecel na esquerda. Após uma sequência de bons ataques, o empate veio pelos pés de Fidélis, aos 15’, que aproveitou uma rebatida errada da zaga bicolor.

Denilson ainda foi expulso, o Japiim aumentou a pressão contra um PSC desarvorado e sem qualquer organização. Nos acréscimos, porém, um passe longo para Ari Moura terminou em pênalti, que Nicolas mandou no travessão. Nas penalidades, o Papão levou a melhor, marcando 4 a 2.

Mesmo com os problemas notados nos 30 minutos finais, quando cedeu espaço ao Castanhal e não teve qualidade na articulação de jogadas, o PSC exibiu um comportamento de time cascudo, que vai em busca de seus objetivos. Superou o trauma do penal perdido por Nicolas e mostrou força emocional para assegurar presença na decisão.

Tese de mestrado mapeia violência nos estádios de Belém

A advogada e desportista Vanessa Egla obteve ontem aprovação no mestrado de Segurança Pública, da UFPA, defendendo um tema muito atual: “Violências nos Estádios de Futebol em Belém do Pará, Brasil: insegurança e implicações para a mulher torcedora”. A pesquisa buscou construir um panorama nacional das mulheres torcedoras e identificar as principais violências sofridas pela mulher nos estádios de futebol.

Algumas constatações do trabalho de Vanessa: 40% da violência sofrida é de natureza sexual; 40% é moral; 15% é patrimonial e 5% é violência física. Além disso, 100 % dos agressores são homens e a totalidade das vítimas não registra Boletim de Ocorrência – 33% por achar que a denúncia não resultaria em nada. 

(Coluna publicada na edição do Bola desta quinta-feira, 12)

3 comentários em “O voo triunfal da Águia

  1. Só sei de uma coisa é infelizmente o time do Remo, é fraco para a disputa da série B, precisa melhorar e muito principalmente nas contratações, que até agora não acrescentou nada ao time, não desmerecendo os times emergentes, mas o Remo teve muitas dificuldadescom nível de qualidade infeiror desses times, fico imaginando o Remo pegando times ques caíram da 1a divisão, alô diretoria acorda enquanto é tempo, precisa trazer jogadores de qualidade urgente, quanto ao Paulo Bonamigo, precisa ter alterações táticas, já estanjado que o Remo só ataca pelas laterais, isso já está manjado os times marcam esses setores e não tem outra opção de jogadas, principalmente pelo meio. Acorda Fábio Bentes ainda dá tempo de arrumar a casa.

    Curtir

  2. O gol do Remo saiu por acidente. Jogo fraco e por isso deixei de vê-lo todo o segundo tempo. O Remo, mais que a Tuna, tinha por obrigação melhorar o nível, considerando que está com elenco constituído para disputar a Série B. Por isso mesmo torna-se preocupante sua participação nesse campeonato que, tudo indica, será um dos mais difíceis dos últimos tempos.

    Curtir

  3. Tanto o gol do Remo, como o do Paysandu, foram frutos de acidentes de percurso. A rigor, pelo que apresentaram nesta semi-final, nenhum dos dois merecia chegar à final. São dois times burocráticos, com jogadores que se nivelam tecnicamente por baixo, sem força atlética, e maiores motivações. Não justificam os equivocados, e recorrentes, “investimentos” das diretorias nas contratações de elencos e comissões técnicas, muito menos satisfazem suas torcidas.
    As perspectivas de ambos para as participações nas próximas Séries B e C, é deveras preocupante, onde a principal meta será brigar pelo não rebaixamento !!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s