Torneio Pará-Alagoas

POR GERSON NOGUEIRA

Remo 2×2 Independente (Felipe Gedoz)

Os jogos da quinta rodada do Parazão seriam oportunidades preciosas para que os técnicos Paulo Bonamigo e Itamar Schulle dessem os últimos retoques em seus times para encarar a duríssima 2ª fase da Copa do Brasil naquele que poderia ser descrito como um torneio Pará-Alagoas. O Remo vai enfrentar o CSA, em Maceió; o PSC receberá o CRB, em Belém.

A partida com o Independente serviu como alerta a Bonamigo, principalmente quanto aos problemas defensivos que seu time apresentou. Dois gols tomados em bolas aéreas. O primeiro foi em contra-ataque, que pegou a zaga completamente desarvorada. Erro clássico de falta de cobertura à frente dos zagueiros.

No segundo, a falha foi pontual. A repetição de várias jogadas que resultaram em prejuízo para o Remo. A bola foi erguida para o meio da área, passou pelos dois zagueiros e chegou ao cabeceador adversário, que não teve qualquer trabalho para tocar para as redes.

Isso tinha acontecido nas duas partidas finais da Copa Verde contra o Brasiliense, ocorreu também contra o Bragantino já no Parazão e diante do PSC no clássico de domingo, no segundo gol de Nicolas.

Corrigir isso em poucos dias, para evitar problemas no confronto pela Copa do Brasil, é tarefa das mais ingratas. Na verdade, o Remo não tem apenas problemas com seus zagueiros de área. Tem um buraco à frente da linha de defesa, sem um volante forte para dar o combate inicial.

Charles fez isso com extrema competência – embora sem o devido reconhecimento – na campanha da Série C. Era essencialmente marcador e alto o suficiente para se tornar um terceiro zagueiro quando necessário.

No momento, o Remo tem apenas Lucas Siqueira cuidando da proteção, pois Uchoa não consegue – nem pode – ser o volante-volante que Charles era. Para piorar as coisas, o ex-bicolor ainda não está inteiramente encaixado na equipe.

Como se vê, os problemas de Bonamigo são sérios, embora possa compensar isso com a força ofensiva indiscutível que o time tem, com a qualidade do trio de atancantes: Dioguinho voando, Renan Gorne entrosado e Wallace tentando voltar a ser o Wallace da Série C.

Já o PSC sofre pela falta de entrosamento visível em todos os jogos da equipe sob o comando de Itamar Schulle. A remontagem da equipe tem cobrado um preço muito alto. Em quatro jogos pelo Parazão e um pela Copa do Brasil, o melhor aproveitamento foi contra o Madureira, no Rio.

Imagem

Pelo Estadual, Schulle parece ter se atrapalhado com a chegada de tantos jogadores ao mesmo tempo, a maioria longe do condicionamento ideal. Isso transpareceu em cores vivas contra Castanhal, Paragominas, Carajás e Remo, principalmente.

Para tornar as coisas ainda mais difíceis, o jogo com a Tuna foi adiado devido à forte chuva e ao acidente com o placar eletrônico da Curuzu. Seria uma oportunidade preciosa para observar o novo ataque idealizado por Schulle, com Ari Moura, Nicolas e Igor Goularte.

Ruy se efetiva como o organizador no meio-campo, mas demonstra sempre precisar de um outro meia (João Paulo?) para dialogar ou mesmo de um volante/barra meia, como Jhonnatan. Há dúvida se conseguirá esse ajuste a tempo do embate com o CRB, antecipado para terça-feira à tarde.

Azulinos e bicolores têm problemas desiguais e urgências óbvias para tentar resolver a tempo. Desafios de alta complexidade.

Bola na Torre

O programa começa às 21h45, com apresentação de Valmir Rodrigues (estúdio) e participações de Guilherme Guerreiro, Giuseppe Tommaso e deste escriba de Baião, em home office. Em pauta, o Campeonato Estadual e as projeções para os jogos da dupla Re-Pa na Copa do Brasil. A edição é de Lourdes Cézar.

Exemplos de empatia que o futebol precisava dar

Veio de duas atletas da Seleção Brasileira feminina o primeiro sinal claro de empatia com a dor alheia em meio à pandemia-genocídio que o Brasil enfrenta hoje. A meia-atacante Andressa Alves e a zagueira Rafaelle se manifestaram firmemente contrárias a uma eventual prioridade a atletas na vacinação contra o vírus antes da Olimpíada de Tóquio, no Japão. A possibilidade é debatida em alguns países e chegou a ser aventada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI).

“No meu ponto de vista, os atletas têm que ser os últimos a serem vacinados. Há pessoas que precisam mais que a gente neste momento. Há outras maneiras de se preparar e chegar em Tóquio com segurança”, disse Andressa.

“Acho que a maioria das atletas gostaria de tomar a vacina, para ter essa segurança, mas é uma coisa que, hoje, tem que ser dada prioridade para quem precisa mais e corre mais risco. Não é por sermos atletas que devemos ter privilégio. Tem que pensar mais na população em geral. Há várias maneiras para chegarmos lá (em Tóquio) bem”, referendou Rafaelle.

Que lição de integridade e respeito pelo próximo. Talvez as mulheres venham nos restituir a glória e a dignidade perdidas, principalmente pelo posicionamento obtuso e negacionista dos chamados astros do masculino. 

(Coluna publicada na edição do Bola deste domingo, 11)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s