Expectativas para o clássico

POR GERSON NOGUEIRA

Edson Cariús

O clássico Re-Pa tão esperado, por ser o primeiro da temporada, deve marcar algumas estreias. No Remo, a expectativa é pela apresentação do centroavante Edson Cariús, contratado junto ao Fortaleza numa transação que envolveu transferência internacional. Do lado bicolor, um outro centroavante também pode ser uma das atrações do choque-rei da Amazônia: Gabriel Duarte, que já estreou no Parazão, marcando gol contra o Carajás na terceira rodada.

Cariús foi uma das contratações mais resenhadas da nova safra do Remo. Questões burocráticas retardaram sua apresentação oficial, depois veio a passagem pelo Núcleo Azulino de Saúde e Performance (Nasp) para reforço muscular e prevenção de contusões, o que atrasou ainda mais a estreia do atacante.

Quis o destino que a ocasião para sua estreia seja justamente o clássico. Por ora, não há certeza da escalação de Cariús. É mais provável que o técnico Paulo Bonamigo deixe para lançá-lo no segundo tempo, a fim de revigorar o poder ofensivo da equipe. Renan Gorne é o centroavante titular, um dos artilheiros do campeonato, com três gols marcados.

Curiosamente, Cariús (32 anos) já esteve bem próximo de vir defender o Remo em outras ocasiões, mas por um motivo ou outro o acerto não se concretizou. Finalmente, neste ano, os interesses se cruzaram e o jogador decidiu defender o Leão.

Na primeira entrevista que concedeu, destacou a torcida como fator decisivo para topar a oferta azulina. A perspectiva de jogar para uma torcida apaixonada e que segue o time incondicionalmente deixou Cariús entusiasmado. Teve conhecimento da força do Fenômeno Azul através de vídeos e acompanhando aos jogos do Remo pela TV.

Para Bonamigo, que já revelou que a fase é de “polimento final”, há a necessidade de rodar peças na busca pelo entrosamento ideal. Os dias de treinos em Castanhal serão complementados em Belém para que a equipe tente manter a invencibilidade no Estadual. O confronto com o maior rival, muito aguardado pela torcida, é tradicionalmente uma armadilha para técnicos em começo de trabalho.

Neste sentido, Bonamigo – que está no Baenão desde setembro do ano passado –, leva certa vantagem sobre o rival Itamar Schulle, que desembarcou na Curuzu há pouco mais de dois meses. Acontece que a pressão é igual. Os cuidados para dar uma cara definitiva ao time depende do equilíbrio de forças nas competições em andamento – Copa do Brasil e Estadual.

Nesse sentido, o técnico azulino deixa claro que não pretende ficar dependendo de peças, daí a insistência em dar ao grupo de jogadores um ordenamento técnico e físico que deixe todos em igualdade de condições.

Cariús ganha a chance de estrear justamente porque já treina no mesmo nível dos demais e pode vir a ser testado como substituto ou parceiro de Gorne na linha de ataque. A permissão de cinco substituições oferece aos técnicos a chance tão destacada por Bonamigo de rodar atletas.

O Re-Pa é importante, afinal é o auge da tradicional rivalidade, mas a preparação azulina mira no futuro próximo: a Série B do Campeonato Brasileiro. Tudo o que for feito agora, envolvendo o aproveitamento e as opções por atletas, tem a ver com o objetivo principal. (Foto: Samara Miranda/Ascom Remo)

Gabriel Barbosa, atacante do Paysandu — Foto: Jorge Luiz/ Paysandu

Uma chance para quem pede passagem

Gabriel Barbosa estreou contra o Carajás e foi logo o carimbador do placar, marcando o gol que garantiu a virada e a vitória por 2 a 1. Era um confronto complicado, contra um adversário aguerrido, e o PSC precisou buscar forças para reverter um placar adverso na reta final. Com estatura que lembra a de um jogador de basquete, o centroavante usou justamente a facilidade para o jogo aéreo na hora de finalizar para as redes.

O jovem atleta, cedido pelo Palmeiras a custo zero (o PSC banca as despesas com moradia e alimentação), entrou nos 20 minutos finais e não perdeu a oportunidade de mostrar serviço para o técnico Itamar Schulle.

Da mesma forma como ocorre com Cariús no Remo, não há confirmação de que Gabriel entre jogando, mas é muito provável que apareça na etapa final, a fim de ajudar a aproveitar os cruzamentos sobre a área.

Como o reforço azulino, ele tem declarado a tristeza de não ter chance de jogar com estádio cheio, com incentivo da Fiel torcida bicolor. Gabigol da Curuzu, por ser homônimo do artilheiro e ídolo do Flamengo, deu um depoimento emocionado depois da partida com o Carajás.

Falou das amarguras vividas e deixou claro que o Papão é sua cartada final para abrir caminho finalmente para êxito na profissão. A torcida, obviamente, está com ele. Afinal, os objetivos se cruzam.

Vindo de uma contusão grave há dois anos, Gabriel encara a oportunidade no futebol paraense como um renascimento na carreira. A consagração pode vir com uma boa presença no Re-Pa, como já aconteceu tantas vezes com tantos jogadores. (Foto: Jorge Luiz/Ascom PSC)

Custos fazem clubes optarem por arbitragem local

Sai hoje a escalação dos árbitros para o clássico de domingo. A opção por profissionais da terra surgiu consensualmente entre as diretorias dos clubes, com aval da Federação Paraense de Futebol. O sorteio que definirá a equipe de arbitragem acontece às 15h, na sede da entidade.

É óbvio que a decisão tem a ver com os custos, afinal o campeonato é deficitário e as receitas são minguadas. Importar árbitros a essa altura seria um luxo, uma extravagância. Além disso, o jogo não decide nada na competição, o que diminui (até certo ponto) a pressão sobre a arbitragem. 

(Coluna publicada na edição do Bola desta quarta-feira, 31)

Um comentário em “Expectativas para o clássico

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s