Ao Senhor, meu Pai, e a Nossa Senhora

Por João Carlos Pereira (*)

Tarso Sarraf / Arquivo O Liberal

Senhor,
O coronavírus é tão do mal, me levou, além das forças, do ânimo, da coragem, da saúde, parte das palavras que uso para rezar.
Quando a oxigenação diminui e os sentidos me faltam, aproveito a privação do sentir para me ligar mais intimamente com o Senhor e com Nossa Senhora de Nazaré.
Na hora incerta, penso não no Crucificado, mas no Amigo sentado na beira do poço de Jacob, sendo servido pela samaritana. Ou então quando repousava no barco submetido à violência das ondas. Eu sou o barco sacudido pela maré da vida.
Meu Pai,
sempre me achei superior à pandemia e julgava que, por não andar de ônibus (embora, no domingo do Círio, tenha pegado carona em um), não me expor por ai (e o Ver-o- Peso, acaso, não é por aí? O Mercado de Carne também está livre de riscos?)
Pensei, meu Deus, que por me alimentar bem conseguiria driblar esse amaldiçoado.
A prepotência é algo de que o diabo gosta. Aliás, ele aprecia tudo que não presta e sabe posicionar seu exército em lugares aonde eu vou: o banco, a feira, o supermercado e até a um barzinho amigo para comer peixe frito.
Não estou me penalizando por haver tentado uma vidinha normal, ao lado de amigos a quem muito amo e que, felizmente, vão conseguindo driblar o maldito.
Senhor, as lições de humildade e de consciência do nada que sou mostram que estou longe de ser o que achava que era e mais perto da minha pobre verdade.
Essa é minha prece, Senhor, que faço diante do teclado, numa hora de sossego, com Nossa Senhora direcionando meus dedos, porque não duvido de sua ação na minha vida, quando dEla mais preciso.
Meu Pai e minha Mãe
Nas ocasiões de maior aperto, consigo senti-La pousar, como uma pequena Ave-Maria revoando, docemente, sobre meu corpo fatigado e débil, preso a respirador artificial e submetido, constantemente, a aparelhos.
Obrigado, Senhor, pelos amigos que rezam por mim e que velam ao meu lado, sobretudo pela Mariana, minha filha, e Emilia, minha mulher, que deixaram brotar suas asas de anjo e não me deixam um segundo sequer.
Quero aproveitar a paz e pedir um pouquinho por quem precisa mais do que eu, porque, não tenho dúvida, há gente sofrendo infinitamente mais do que este seu pobre filho no limite da ingratidão e do medo. Mas agora pleno de confiança.
Obrigado, meu Pai e minha Mãe.
Bênça!
Amém!

(*) Texto escrito pelo professor e jornalista João Carlos Pereira um dia antes de ir para a UTI em tratamento de covid. Na madrugada desta terça-feira (10), ele nos deixou, aos 61 anos de idade. Ele deixa quatro filhas, uma neta e a esposa, Emília. O velório é realizado na capela Max Domini, no bairro do Guamá, em Belém. O enterro será as 14h no Cemitério Municipal Santa Izabel, no mesmo bairro. Membro da Academia Paraense de Letras, João era um importante pesquisador do Círio de Nazaré.

Foto: Tarso Sarraf/O Liberal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s