Superfaturamento: Laboratório do Exército gastou 1,5 milhão para produzir cloroquina

O Laboratório Químico e Farmacêutico do Exército já gastou mais de R$ 1,5 milhão para produzir cloroquina em meio à pandemia do coronavírus. Segundo cálculos feitos pela Repórter Brasil, a produção já foi ampliada em mais de 100 vezes. O Tribunal de Contas da União (TCU) investiga mau uso de recurso público.

O Exército teria firmado ao menos 18 acordos para aquisição de cloroquina em pó e outros insumos de produção, gastando um valor total de R$ 1.587.549,81. Na última quarta-feira (17), foi divulgado que o Ministério da Defesa já teria investido ao menos R$ 472,5 mil para produzir 2,25 milhões de comprimidos de cloroquina 150mg desde março, quando Jair Bolsonaro ordenou a produção.

O investimento seria para utilização do medicamento no tratamento de Covid-19. Contudo, a eficácia da droga nunca teve comprovação científica, e os testes para uso da cloroquina para tratar pacientes infectados com o coronavírus foram suspensos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta semana. Os especialistas temem que a utilização da droga piore o estado dos pacientes devido aos efeitos colaterais, como problemas cardíacos.

Cerca de 95% do valor gasto pelo Exército na produção foi direcionado para a compra de 1.414 kg de cloroquina em pó, em processo sem licitação. Também foram adquiridos outros insumos de produção, como papel alumínio e material de impressão.

O TCU irá instaurar investigação sobre o assunto nas próximas semanas para confirmar de onde partiu a ordem para a produção em alta escala. A situação indica que Bolsonaro, junto à cúpula militar do governo, teria ordenado a produção sem autorização do então ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. O ex-ministro foi exonerado por discordar do presidente em relação ao uso do medicamento e à necessidade de medidas de isolamento social.

A investigação sobre uso inadequado de dinheiro público aborda tanto o gasto com produção mesmo sem comprovação científica da eficácia da droga, quanto o superfaturamento. Na primeira compra feita pelo Exército, em março, foram comprados 414 kg de cloroquina em pó a R$ 488 o quilo. Já em maio, foram adquiridos 1.000 kg do insumo por R$ 1.304 o quilo. Em 2019, o mesmo distribuidor havia comercializado o produto por R$ 220 o quilo, o que indica um aumento de seis vezes no último valor pago pelo exército. (Transcrito da Revista Fórum)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s