Operação mira o coração do bolsonarismo

Por Luis Nassif

A operação da Polícia Federal contra os fake news mirou o coração do bolsonarismo. Hoje em dia, a manifestação mais expressiva do movimento são as quadrilhas virtuais. Cometem assassinatos de reputação contra adversários, contra ministros de Bolsonaro. Através dessas redes articulam-se manifestações públicas e, provavelmente, organizam-se as milícias reais, estimuladas pelas declarações de Bolsonaro e pela liberação das armas.

A análise dos celulares e computadores permitirá reconstituir mensagens do próprio Bolsonaro e dos filhos.

A operação mostrou uma ação articulada do Supremo Tribunal Federal, com Celso de Mello e Alexandre de Moraes atuando em pinça. Ao liberar o vídeo da reunião ministerial, Mello escancarou as ameaças contra o STF. Escancarando, deu o álibi para a operação de Alexandre de Moraes contra os mais notórios alimentadores de fake news.

Mais. O inquérito do STF é visto como inconstitucional em vários pontos. O presidente da corte, Dias Toffolli, abriu o inquérito de ofício, sem ser provocado, entregou a relatoria a Alexandre Moraes, sem sorteio, e passou a funcionar como inquérito guarda-chuva sob o comando direto do STF, sem participação do Ministério Público. Pode o STF recorrer a instrumentos jurídicos em sua própria defesa. Mas a legislação não prevê a figura do inquérito guarda-chuva, embaixo do qual pode-se colocar qualquer denúncia.

Mesmo assim, as ameaças de Bolsonaro à democracia, e o aumento das agressões ao Supremo, inspiraram uma aliança inédita entre todos os Ministros do Supremo e ação combinada entre Celso de Mello e Alexandre de Moraes. Ontem, o próprio Luis Roberto Barroso, no discurso de posse no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ressaltou os riscos representados pelas fakenews.

Ao liberar o vídeo da reunião ministerial, Celso de Mello permitiu a exposição clara das ameaças saindo dos intestinos do governo, através do Ministro da Educação Abraham Weintraub.  E forneceu o álibi para a operação das fake news, no dia seguinte à investida da Polícia Federal sobre o governador Wilson Witzel, do Rio de Janeiro

É mais um inquérito que irá bater direto no mais alucinado dos filhos de Bolsonaro, Carlos, comandante em chefe do Gabinete do Ódio e pautador maior do bolsonarismo.

Esses ataques não pouparam Ministros do próprio governo, Ministros do STF, qualquer forma de crítica a Bolsonaro. A análise dos computadores permitirá mapear as milícias reais, os grupos bolsonaristas que estão se armando, sob inspiração do Presidente e seus filhos.

Mesmo que os inquéritos específicos sobre fake news não prosperem, a análise dos equipamentos dos milicianos permitirá mapear crimes muito mais graves.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s