Rivais iguais em quase tudo

POR GERSON NOGUEIRA

O Campeonato Estadual começa no próximo fim de semana. Em alguns centros, a competição é mero cumprimento de calendário, sem despertar interesse maior dos times e das torcidas. Aqui é diferente. O Parazão não é uma simples competição de início temporada.

Os dois maiores rivais travam uma empedernida disputa secular em busca do protagonismo particular, com os bicolores na dianteira (47 a 46 títulos conquistados). Os times emergentes brigam por visibilidade, respeito e empoderamento.

Nem mesmo o primarismo que tumultua a organização, como a inaceitável lambança na definição da forma de disputa, tira por antecipação o brilho do torneio e a expectativa em torno dos confrontos.

Por não ter vencido nenhuma competição em 2019, o PSC é o time mais pressionado. Tem obrigação de fazer um bom papel. Sua torcida espera bem mais do que uma participação digna: quer o título estadual. Além da necessidade de festeja alguma coisa, há ainda a preocupação em não permitir que o maior rival seja tricampeão.

A única – e pequena – vantagem dos bicolores é a permanência da comissão técnica que trabalhou no ano passado e a manutenção de 70% dos jogadores titulares. É garantia de continuidade e de melhor assimilação das ideias do técnico pelos atletas.

Do lado azulino, a mudança de comando foi bem assimilada, pois o técnico Rafael Jaques chegou logo no começo de dezembro e participou diretamente da escolha dos reforços, com tempo suficiente para descobrir a potencialidade do grupo de atletas e perseguir o entrosamento necessário para uma competição cujas peculiaridades são desconhecidas para ele.

Quanto à força dos times, ainda é cedo para mensurar. O Papão faz hoje o único amistoso da pré-temporada. O Remo já testou as principais peças, mas a primeira rodada é que vai começar a clarear as reais possibilidades de cada um em relação ao oponente e aos demais times.

A dose que diferencia o remédio do veneno

A notícia sobre o interesse de um bilionário russo em investir no futebol brasileiro gerou um alvoroço no combalido mercado brasileiro de clubes. Todo mundo quer ter um mecenas para chamar de seu. Pensa-se de imediato nos exemplos dos times da Premier League inglesa e no dinheiro abundante que rola na Ásia. É claro que, bem ao estilo tradicionalmente açodado dos dirigentes (e torcedores) brasileiros, poucos se preocupam em analisar o outro lado da moeda.

Parcerias são sempre bem-vindas, mas é necessário avaliar cada situação específica. Como há um modelo de clube-empresa em fase embrionária no país – com o Botafogo aparecendo como o primeiro a se interessar pelo novo formato –, seria oportuno que os clubes se cercassem de especialistas e consultores, a fim de evitar que a aparente panaceia para todos os males acabe por se revelar um veneno fatal.

O debate em torno dos clubes-empresa ainda divide opiniões, mas é fato que o simples anúncio de que um magnata russo está a fim de comprar uma agremiação no país já deixou muita gente disposta a fechar negócio. Em outros países, o processo já é adotado há tempos, mas, mesmo assim, ainda enfrenta oposição.

A mais concreta experiência no processo de clube-empresa, embora ainda sem assumir essa denominação, é a do Red Bull Bragantino, que venceu a Série B e vai disputar a Série A neste ano. Apostando num modelo de negócio que o diferencia dos demais clubes no Brasil e tem semelhança com o que existe no futebol inglês, por exemplo, o clube mostra-se à vontade para estabelecer parcerias.

É claro que a transição tem sido mais tranquila por se tratar de um clube sem torcida expressiva, o que facilita bastante o processo de modernização. O Leipzig da Alemanha, por exemplo, sofreu bastante pressão da torcida, que chegou a protestar atirando uma cabeça de touro para dentro do gramado numa partida recente do time.

Por aqui, só teremos noção do grau de aceitação do modelo clube-empresa quando a coisa chegar a um clube histórico e tradicional. Não por coincidência, o investidor russo está interessado em entrar no mercado brasileiro através de um clube emergente – no caso, o Fortaleza.

Bola na Torre

Guilherme Guerreiro apresenta o programa, neste domingo, às 22h30, logo depois da transmissão do jogo da NBA, na RBATV. Giuseppe Tommaso e este escriba de Baião participam dos debates. Em pauta, os preparativos dos clubes para o Campeonato Paraense.

Campeonato já começa bagunçado quanto aos mandos

A bola ainda nem rolou, mas o Parazão já reapresenta as velhas práticas. Uma das piores – e mais danosas ao equilíbrio da competição – é a falta de um critério obrigatório quando ao mando de jogos. Como não poderá utilizar o estádio Navegantão, em Tucuruí, por estar em reformas, o Independente vai enfrentar o Castanhal no Parque do Bacurau, em Cametá, no próximo sábado (18), com portões fechados.

Diante do prejuízo financeiro, o Galo Elétrico já pleiteia trazer seu jogo contra o Remo, válido pela 3ª rodada, para o estádio Jornalista Edgar Proença, em Belém. Tem razão a diretoria do clube em reivindicar a mudança de local, visto que o Parque do Bacurau está sem o laudo da Vigilância Sanitária.

Dentro da lógica do jeitinho, o Mangueirão foi definido no regulamento do certame estadual, a partir deste ano, como “campo neutro”. Pode ser um expediente legal, mas é inegável que compromete a lisura da competição, pois os jogos com mando invertido acabam afetando terceiros.

(Coluna publicada na edição do Bola deste domingo, 12)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s