Chance de zerar perdas

POR GERSON NOGUEIRA

Amanhã à noite, diante do Cuiabá, no segundo jogo da decisão da Copa Verde, o time do Papão tem a preciosa oportunidade de zerar perdas e compensar decepções de uma temporada de insucessos. Caso confirme a conquista encaminhada com a vitória da semana passada na capital mato-grossense, o time de Hélio dos Anjos permitirá ao torcedor fechar o ano levantando uma taça e comemorando um título.

É claro que o tricampeonato da Copa Verde não apaga por completo a irritação pelo vexatório desempenho no Campeonato Estadual, onde o time acabou em quarto lugar, atrás do Bragantino, que venceu a disputa da terceira colocação em plena Curuzu.

Da mesma forma, o eventual triunfo na CV não diminui também a frustração pela eliminação na Série C, mesmo considerando que o revés diante do Náutico não pode ser atribuído à atuação do time, mas à arbitragem que assinalou incorretamente um pênalti no período de acréscimos daquela partida.

Quanto à Copa do Brasil, nem há muito a lamentar, visto que a competição há muito tempo deixou de ser prioridade na agenda dos clubes que não participam da chamada elite futebolística do país. Vale apenas pela visibilidade e pelo aporte financeiro gerado pela participação – premiação de R$ 2,4 milhões mais a renda de um jogo contra um grande time.     

Tudo isso, porém, ficará de lado caso o invicto time alviceleste supere o Cuiabá e se estabeleça como o maior vencedor das seis edições da Copa Verde. Os méritos pela chegada à decisão são mais do óbvios.

A campanha foi mais ou menos tranquila até o cruzamento com o Bragantino, cujo grau de dificuldade foi proporcionalmente maior do que a sempre incruenta batalha com o Remo nas semifinais.

Ocorre que, nesta edição da CV, os jogos com o Tubarão aconteceram logo depois da traumática batalha dos Aflitos, que teve forte efeito no rendimento técnico (e emocional) do PSC no primeiro confronto. Terminou 1 a 1, mas as quatro expulsões registradas tornaram a segunda partida ainda mais complicada do que normalmente seria.  

Em Bragança, o duelo foi tão brigado que a vaga acabou decidida na cobrança de penalidades. Isso depois de um gol milagroso de Nicolas, sempre ele, a poucos minutos do final.

Por tudo isso, não resta a menor dúvida de que a equipe merece conquistar o tri da Copa Verde. Seria uma espécie de prêmio de consolação pela injusta saída de cena da Série C e a perda do acesso à Segunda Divisão.

Mangueirão abre as portas para a paixão rubro-negra

Na esteira do entusiasmo dos rubro-negros em todo o Brasil, a diretoria do Flamengo conseguiu junto ao governo do Estado a cessão do estádio Jornalista Edgar Proença para um encontro da galera rubro-negra de Belém em torno da transmissão da final da Taça Libertadores, na tarde do próximo sábado (23), entre Flamengo e River Plate.

A partida acontecerá na cidade de Lima, no Peru, e a iniciativa do Flamengo terá como organizadores em Belém representantes das torcidas Fla Fla de Belém, Nação Tucuruí e Flapebas. A expectativa é de que, pela primeira vez, um evento desse porte encha o estádio estadual.

Para ter acesso às dependências do Mangueirão, o torcedor flamenguista trocará o ingresso por 1 quilo de alimento não perecível. Tudo que for arrecadado será entregue a instituições sociais da capital paraense.

O próprio governador, rubro-negro de carteirinha, facilitou a liberação do estádio. “Vamos disponibilizar para esse evento, toda a estrutura do nosso estádio, e em troca vamos contribuir atendendo as comunidades carentes através das doações dos torcedores”, disse Helder, ontem.

Os portões serão abertos às 13h de sábado. Os ingressos estarão disponíveis para troca a partir de amanhã (20), nas sedes de Remo e PSC.

Tricolor cearense ultrapassa torcidas tradicionais

O Fortaleza pode não ter feito grande figura no Brasileiro deste ano. Corre risco mínimo de rebaixamento após a vitória (3 a 0) sobre o CSA na última rodada, mas vem se destacando por outra razão. Ameaça entrar gloriosamente para o seleto clube das maiores torcidas nacionais.

Contra o CSA colocou 33 mil pagantes na Arena Castelão e sustenta a impressionante média de 31.853 por partida, a terceira maior da competição, ficando à frente de São Paulo, quarto colocado, e do Palmeiras, quinto.

Para turbinar essa colocação, o Fortaleza está convocando a torcida para os jogos que lhe restam em casa, contra Santos e Bahia. Já há a pretensão legítima de superar a média do Corinthians e fechar o campeonato com a segunda maior torcida do Brasil.

Uma nova chance para Paquetá honrar a camisa 10

O amistoso de hoje diante da Coréia do Sul pode não estar despertando atenção de quase ninguém no Brasil, mas será acompanhado com vivo interesse pelos parentes de Paquetá, o camisa 10 da Seleção de Tite. Pela reação furibunda da irmã dele, Bianca, nas redes sociais, o jogador tem tudo para ser o mais nobre sucessor de Pelé com a camisa canarinho.

Depois de uma crítica de Rivaldo, melhor jogador brasileiro na conquista do pentacampeonato em 2002, a irmã de Paquetá encheu-se de ira e citou a má passagem de Rivaldo pelo Milan em 2003. Aparentemente, o próprio jogador usou a irmã para torpedear o ex-craque do Barcelona.

Devia ter contido a língua, pois Rivaldo foi certeiro ao observar que a legendária camisa 10 não pode sair no intervalo de um amistoso, “porque foi usada e honrada por Pelé, Rivelino, Zico, Rivaldo, Kaká, Ronaldinho, Neymar”. Para chegar ao nível de Rivaldo, o mediano Paquetá vai precisar comer muito feijão e tomar muita garapa.

(Coluna publicada no Bola desta terça-feira, 19)

3 comentários em “Chance de zerar perdas

  1. Paquetá de camisa 10 é invenção do Tite. No histórico de improvisações a que foi submetido, seu melhor desempenho foi entre os zagueiros adversários aproveitando sua estatura.
    Prende a bola em demasia e joga de cabeça baixa, pecado mortal pra quem tem a obrigação de organizar sua equipe, não por outros motivos, razão do seu fracasso contra a Argentina, constituindo-se esquisitice de fim de festa a citada insistência.
    Por alguma razão incerta e não sabida, Tite parece a fim de deixar a seleção. Desde a saída de Edu Gaspar e Silvinho, parece sentir-se isolado ao lado das companhias que lhe foram impostas e com as quais sua afinidade dá a impressão de mal ultrapassar os cumprimentos protocolares. Será?

    Curtir

  2. Jogador com nome Paquetá, ta mais pata Pra_que_tá lá, essas renovações da seleção, o Tite ainda dizer que o Rodrigo do Real Madri, não pode ser titular por que chegou agora na seleção, como se os jogadores fossem dono das camisas. Te dizer! Caiu no meu descrédito.

    Curtir

  3. Então tá explicado porque a seleção é Neymar Jr, Gabriel Jesus e mais nove. Foram os primeiros a chegar, foram ficando e nem precisam jogar bola. Credo!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s