Caso Marielle: dados da Câmara confirmam versão de Bolsonaro

Da Época:

O tuíte de uma jornalista em 14 de março de 2018, dia do assassinato de Marielle Franco , gerou uma onda de suspeita nas últimas horas nas redes sociais.

Na postagem, Bilenky, que trabalhava na ocasião no jornal Folha de S. Paulo e atualmente é repórter da revista piauí, afirmou, citando uma resposta que recebera da assessoria de imprensa do então deputado Jair Bolsonaro, que ele voltara mais cedo de Brasília para o Rio de Janeiro por causa de uma intoxicação alimentar.

O tuíte acendeu o alerta porque, a ser verdadeira a versão da assessoria de imprensa sobre seu retorno mais cedo para o Rio de Janeiro, seria falsa a informação de que Bolsonaro estava em Brasília às 17h10. Foi neste horário que, segundo o porteiro do condomínio Vivendas da Barra, ele interfonou para a casa do presidente e ouviu do próprio “seu Jair” a autorização para a entrada do motorista do carro usado para matar a vereadora.

Entretanto, documentos da Câmara dos Deputados e uma fonte interna da companhia aérea Gol, ouvida pela coluna, corroboram a versão de Bolsonaro de que ele estava em Brasília naquele dia e não no Rio. Os documentos mais fortes a favor da versão de Bolsonaro são os registros oficiais de sua presença e da votação nominal em plenário. A Câmara informou oficialmente, por meio da Lei de Acesso à Informação, que Bolsonaro registrou presença duas vezes naquele dia no plenário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s