Cirúrgico, Papão mata nos acréscimos

POR GERSON NOGUEIRA

Fiel às melhores tradições do clássico centenário, o PSC usou os acréscimos para vencer o Remo e garantir vaga na final da Copa Verde. A vitória veio em ações consistentes, produzidas por um time mais inteiro fisicamente e melhor organizado. Méritos também do atacante Nicolas, incansável dentro da área e participando diretamente de dois gols.

Nos primeiros 45 minutos, apesar de o Remo ter tomado a iniciativa e exibisse uma distribuição inteligente na meia-cancha, a melhor chance de gol pertenceu ao time bicolor, num lance que teve participação de Vinícius Leite, Nicolas e Hygor, com a bola batendo duas vezes na trave remista.

As dificuldades exibidas por Tomas Bastos na volta ao time, errando passes além da conta, fizeram Hélio dos Anjos optar por Tiago Primão aos 25 minutos de jogo. A mexida ajudou o Papão a equilibrar as ações.

Depois de ver o rival se movimentar melhor no começo do jogo, com a participação dos armadores Eduardo Ramo e Zotti, o PSC voltou mais armado na defesa, aumentando o combate no meio e disposto a explorar melhor a velocidade de Bruno Collaço pela esquerda.

Além disso, Hélio mexeu bem no meio, trocando Wellington Reis por Léo Baiano. Teve sorte, como costumam ter todos os vitoriosos, aproveitando bola alta na área do Remo após erro de Zotti em troca de passes na intermediária. O cruzamento foi desviado por Nicolas para a pequena área deixando Hygor em condições de bater e marcar, aos 13 minutos.

O Remo se perturbou – e seu técnico também. Eudes Pedro, cujo esquema inicial havia se mostrado bem ajustado, decidiu embaralhar as cartas e trocou, de uma só tacada, os dois meias. Zotti e Ramos saíram para a entrada de Djalma e Wesley.  

Com Djalma avançado, o Remo adquiriu força e ímpeto para ir à frente, mas continuou com problemas na saída de bola, até porque as jogadas passaram a ser iniciadas com os zagueiros e volantes. Wesley também deu oxigênio ao ataque, participando da manobra que levou ao empate.

O problema é que os volantes Yuri e Ramires ficaram sobrecarregados. Para piorar, Cesinha não participava do esforço pelo lado direito e Ronaell fazia uma de suas piores partidas.

No Papão, com a entrada de Léo Baiano, a armação ficou sólida e passou a ganhar todos os rebotes defensivos. Nicolas voltou a ocupar mais a faixa esquerda para abrir ainda mais a marcação.

Com mais compactação, os bicolores envolviam o novo meio-campo do adversário com trocas rápidas de passes, invertendo a situação do início do confronto. Mas, numa vacilação de Uchoa, que tentou driblar dentro da área, a bola foi e voltou até cair nos pés de Neto Baiano, que chutou para as redes, aos 37’. O gol levantou a galera e entusiasmou o Leão, que, por cinco minutos, insistiu com jogadas rasantes na área.

Depois que o Remo diminuiu a pressão, o cenário indicava que o clássico terminaria novamente empatado, caminhando para a decisão em cobranças de penalidades. Ocorre que o PSC, mais focado, mostrou-se pronto a aproveitar as brechas permitidas pelo rival.

No primeiro lance, houve uma saída errada de Ronaell permitindo que o PSC trocasse passes e a bola chegasse a Bruno Collaço. Ele cruzou na cabeça de Nicolas, que desviou no canto direito e no contrapé de Vinícius.  Detalhe: Nicolas subiu livre, acompanhado apenas por Ronaell e longe dos zagueiros mais altos do Remo, aos 45’.

Dois minutos depois, com a zaga remista aberta, Vinícius deu o passe que deixou Léo Baiano livre para romper a linha final de marcação e tocar na saída do goleiro azulino, fazendo 3 a 1 e liquidando a fatura.

Além de assegurar presença pela quinta vez na final no torneio regional, o escore de ontem coloca o Papão em 1º lugar na artilharia acumulada do clássico centenário pela primeira vez em mais de 40 anos. (Fotos: Jorge Luiz/Ascom PSC; Samara Miranda/Ascom Remo)

Hélio fecha ano com vantagem absoluta nos clássicos

Ao final da partida, Hélio dos Anjos disse que a vitória foi conquistada com emoção, cabeça fria e coração quente. Dado a rompantes poéticos – quando não encara perguntas incômodas –, ele resumiu bem o que foi a classificação à final da Copa Verde. Além disso, o PSC ostenta a marca de 21 partidas sem derrota, o que é um irrefutável atestado de maturidade.

Firme na defesa, o PSC teve alguns pecados no desenvolvimento do jogo, mas se estabilizou após a troca de Tomas por Tiago Primão e assumiu o protagonismo na segunda etapa. Só permitiu o empate numa falha individual de Uchoa, que oportunizou a chegada azulina.

Do lado azulino, Eudes pode argumentar que mexeu para tentar mudar a cara do jogo. Quase conseguiu o intento, mas teria feito melhor se mantivesse Ramos (ou Zotti) ao lado de Djalma, a fim de não expor tanto a retaguarda. Pecou também na escolha de Higor Félix, que nada produziu e parecia sem função. Hélio Borges, que havia atuado bem no Re-Pa anterior, seria a opção mais lógica.

O fato é que, pelo menos no universo do clássico, Hélio fecha a temporada em posição de vantagem absoluta. Disputou quatro partidas, venceu duas e empatou duas correndo poucos riscos nos confrontos.

Vale frisar que Hélio iniciou essa saga particular neutralizando os pontos mais positivos do Remo na era Márcio Fernandes: o toque de bola pelo meio como forma de imposição técnica e as jogadas aéreas para os zagueiros Marcão e Fredson. Ao contrário do colega de ofício, entendeu já naquele primeiro embate pela Série C que o jogo era um divisor de águas.

Contra Eudes, teve até mais dificuldades porque o time adversário mudou peças e sistema. Ainda assim, teve serenidade para segurar a pressão inicial ontem e foi pontual no uso de suas principais valências (entrosamento e aplicação tática) para triunfar nos instantes finais.

(Coluna publicada no Bola desta segunda-feira, 07)

3 comentários em “Cirúrgico, Papão mata nos acréscimos

  1. Faltou ao time do Remo, além de qualidade técnica nas finalizações, um treinador com leitura do potencial de ataque do adversário, principalmente nas bolas alçadas à aérea. Todo mundo sabe que o Paysandu cresce na segunda parte das partidas, foi assim em quase todos os jogos em que participou. No jogo de ontem, o Remo até que foi efetivo no ataque, porém de que adianta se lá atrás não se precaveu, justamente nos cruzamentos onde o rival tem se destacado com seu atacante de área.
    Agora a pergunta é: o Eudes deve continuar no comando do Remo?
    Na minha opinião, não!
    Acho que o Eudes precisa de mais experiência pra comandar um time de massa como o Remo. Agora é planejar pro próximo ano, trazendo um técnico mais experiente pra comandar o time, haja vista que temos um campeonato paraense para igualar em título com o rival, e a série C que promete ser mais difícil no próximo ano.
    Quanto ao plantel atual, poucos devem ser aproveitados, os laterais, nem pensar, os atacantes também.

    Curtir

  2. Assim como Givanildo Oliveira Hélio dos Anjos é especialista em clássicos.

    É um técnico à moda antiga que tem uma leitura de jogo muito aguçada sabendo mexer as peças do quebra-cabeça sempre que o técnico adversário o surpreende durante o jogo com inovações inesperadas como o posicionamento do Gustavo Ramos pelo lado direito do ataque remista na partida de ontem.

    Na entrevista coletiva, Hélio dos Anjos pode até usar termos atuais do futebol como a repetida expressão “último terço de campo”, mas também sabe falar a linguagem do boleiro de fácil compreensão para o elenco.

    Desde a época em que foi treinador do remo nunca perdeu um clássico e, no comando bicolor, soube anular os pontos positivos do rival desde a série C, fato muito bem observado pelo escriba de Baião que assim se manifestou:

    “Vale frisar que Hélio iniciou essa saga particular neutralizando os pontos mais positivos do Remo na era Márcio Fernandes: o toque de bola pelo meio como forma de imposição técnica e as jogadas aéreas para os zagueiros Marcão e Fredson”

    De fato, Hélio dos Anjos é um dos grandes responsáveis por esse triunfo bicolor, impondo duas eliminações ao remo em pouco mais de um mês entre ambas e fazendo o Paysandu manter uma invencibilidade de seis jogos diante do remo, feito que supera em muito os placares magros quase sempre com pênalti conseguidos pelo rival ano passado.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s